Pelo direito de poder vestir o que você quiser!

Outro dia me peguei pensando, após uma aula de consultoria de moda, o tanto que nós mulheres somos cobradas socialmente com relação ao que vestimos. Se estamos muito arrumadas, dizem que estamos tentando demais. Se estamos mais básicas, nos chamam de relaxadas. Se queremos usar peças da moda, somos escravas da mídia. Se queremos ficar de pijama o dia todo em casa, somos desleixadas.

Mesmo que inconscientemente, pensamos no que vamos usar em uma festa, no trabalho ou simplesmente para ir à padaria. Afinal de contas, o ato de se vestir é diário e obrigatório, tornando assim algo importante no nosso dia a dia. Mesmo a pessoa menos ligada às tendências precisa se vestir de acordo para determinada ocasião. E foi aí que me peguei pensando: até quando o que eu visto diz respeito a mim mesma ou diz respeito apenas ao que esperam de mim socialmente?

Quantas vezes você já se pegou vestindo uma peça apenas pensando no que o outro ia pensar de você? Quantas vezes você montou um look genuíno, que exprime sua personalidade de verdade? Mesmo que as regras de etiqueta existam, mesmo que alguns costumes devam ser mantidos em situações formais, por que deixamos nossa opinião de lado e damos voz aos outros?

Me questionei e cheguei à conclusão de que, muitas vezes, damos voz a essas ideias por medo de rejeição social, medo de não se sentir aceito e não fazer parte do grupo. Daí, quando paramos pra observar, vemos várias pessoas iguais, padronizadas, sem personalidade. Por que não exprimir sua personalidade em suas produções do dia a dia?

Não, não estou dizendo pra ir de chinelo para o trabalho ou de jeans para um casamento. Estou dizendo apenas para que a gente pare de se preocupar tanto com o olhar que outras pessoas terão para nossas produções. Tomemos para nós o direito de poder vestir o que a gente quiser em situações que nos permitam isso. Que a gente se permita usar e ousar peças que nos deixem confortáveis e estilosas, do jeitinho que sempre quisemos, sem medo do que o outro vai pensar a respeito. Que a gente seja realmente livre para comprar as peças não apenas por tendência ou para nos encaixarmos no padrão e sim por gostarmos dela. E que tomemos posse do nosso direito de usar a moda em nosso favor, sem nos tornarmos escravas dela.

Encontrinho em BH com bate-papo e troca de experiências

O dia 17 de março poderia ser um sábado normal, mas resolvi fazer um encontrinho com minhas seguidoras das redes sociais e leitoras do blog (que completou 6 anos!). Eu planejei o evento para que fosse um momento de bate-papo sobre autoestima feminina, moda plus size, beleza inclusiva e tudo que temos direito. Não queria que fosse um evento chato, onde as pessoas vão para tirar foto e já vão embora. Realmente arquitetei tudo para que pudéssemos trocar experiências e conhecer gente nova, que estão na mesma sintonia de busca por autoconhecimento que eu tanto falo no blog.

E não é que deu certo? Escolhi marcar o nosso encontro em um shopping de fácil acesso em BH, assim todo mundo poderia participar. Cheguei no local 1h antes do marcado para início do evento e, pra minha surpresa, já tinham chegado várias meninas. Fiquei espantada com o número de mulheres maravilhosas que apareceram lá naquela tarde de sábado. Ao todo foram mais de 70 pessoas para esse bate-papo incrível!

Tratamos de assuntos como empoderamento feminino, relacionamento amoroso e familiar, gordofobia, preconceito, pressão estética, feminismo e muito mais. Pude conhecer muitas mulheres que, assim como eu, estão se conhecendo cada dia mais e se entendendo donas do próprio corpo e das próprias escolhas. Bati na tecla do respeito que devemos ter conosco, que muitas vezes é deixado de lado quando ouvimos algum comentário de gente próxima.

Outro assunto que me perguntaram foi sobre marcas inclusivas, que realmente encabeçam projetos para todo tipo de mulher, respeitando as diferenças. Realmente, hoje em dia é muito difícil diferir o que é genuíno da marca e o que ela faz apenas para gerar buzz e converter em vendas. Conversei sobre o assunto e dei o exemplo mais próximo da minha realidade, que é a Bio Extratus, que além de respeitar o meio ambiente e ser extremamente sustentável, apoia todo tipo de beleza feminina.

No final, todas saíram com produtos da marca para testar em seus fios. Foi um encontrinho muito gostoso e emocionante em diversos momentos. Espero que em breve eu consiga promover mais e mais desse tipo de evento, para que a gente consiga sempre trocar experiências e conhecer gente engajada na causa.

Meu cabelo, minha autoestima

Quantas vezes seu cabelo acordou diferente do que você gostaria (nem por isso estava feio) e seu humor mudou, sua cara emburrou e você nem quis sair?

Lidar com o cabelo de uma forma mais leve e certeira é algo que precisamos aprender. Vou falar um pouco de mim e quem sabe você se identifica.

Sempre fui apaixonada por cabelo. Desde bem pequena, brincava de tranças, rabos e coques com minhas tias, que tinham longos cabelos pretos, abaixo da cintura, lindos, pesados e volumosos. Tenho recordações tão lindas dos cabelos delas!

Porém, geneticamente eu não herdei esse traço da família. Puxei os fios finos e delicados do meu pai. Pensa na frustração de uma criança que queria ser a Rapunzel e o cabelo nunca que crescia.

Ao longo da vida, fui aprendendo a lidar com isso. Na fase da minha adolescência, comecei a usar novos produtos, máscaras de hidratação, leave-in e, aos poucos, meu cabelo e eu fomos nos entendendo.

Na fase adulta, após algum tempo e muito ganho de peso, decidi fazer cirurgia bariátrica. E o que aconteceu com meu cabelo? CAIU, caiu muito, caiu horrores, achei que ficaria sem ele! Quantas pessoas não ficam sem cabelo por problemas de saúde, não é mesmo? É um momento muito delicado para a autoestima de qualquer um.

A frase “o cabelo é a moldura do rosto” é clássica. Então, como eu ficaria sem uma? Eu não sabia como seria essa nova moldura, mas ela aos poucos foi ressurgindo. Com dois anos de cirurgia, meu cabelo voltou a ficar mais forte e a crescer. Porém, sempre fininho e o comprimento dele não passava dos ombros. A forma também mudou, deixou de ter leves cachos para ondas.

Foi aí que decidi colocar megahair e para mim, uma apaixonada por cabelos, a vida mudou.

Tudo aquilo que imaginei sentir quando tivesse um cabelão eu realmente senti quando coloquei meu mega. Ter um cabelo mais longo (na altura do fecho do sutiã) mais pesado, com caimento, me fez ver como a “tal moldura” não é do rosto e sim da autoestima.

O cabelo hoje para mim é muito mais que apenas um “capim que cresce na cabeça” é realmente um acessório de beleza.

Cuido muito bem dos meus cabelos. Há quem diga que megahair faz mal aos fios, mas eu uso cola de queratina e não concordo com isso. Quando eu tiro o aplique, meu cabelo apenas está como era antes. A verdade é que ficamos acostumadas ao cabelo cheio, longo e volumoso e quando tiramos dá a impressão de ter menos, mas ele apenas voltou a ser como era.

Depois do mega, o amor pelo meu cabelo voltou e recentemente até arrisquei mudar a cor. Saí do loiro com luzes bem clarinhas para o 6.7 da Bio Extratus Color e me descobri ainda mais jovem, bem e feliz!

Mudar a cor fez com que eu me visse de uma forma diferente e mais bonita. Daqui pra frente, quero mudar ainda mais e curtir o meu cabelo, sem ficar na neurose com ele.

Agora já aprendi a cuidar, a tratar, a escovar da forma correta e a me divertir com ele.

 

Me conte um pouco a sua relação com seu cabelo. Como ele te faz feliz?

Beijão.

Naturalmente bonita no Dia da Mulher!

Com a aproximação do Dia Internacional da Mulher, eu me vi pensando no quão desafiador é ser mulher, para mim. Não posso falar em nome de outras pessoas, mas eu fui criada sob pressões distintas. Forças opostas me levavam a uma série de pensamentos, na maior parte das vezes, paradoxais. Eu precisava ser magra, pois as pessoas só namoravam e casavam com pessoas magras. Eu precisava ser bonita, afinal era praticamente uma obrigação moral e ética. Mas eu também precisava falar línguas, estudar, tirar boas notas no colégio, passar no vestibular, ingressar numa boa faculdade, arrumar um bom trabalho e não depender de homem nenhum (nem de marido, nem de pai). Eu precisava ser bem-sucedida, eu deveria criar uma família, não ter babá, ser boa filha e despontar na carreira, além do óbvio: ser bonita enquanto fazia tudo isso.

Nossa, quanta pressão!

Me dei conta de que eu fui criada para ser uma SUPERMULHER e acho que no meio disso fui me tornando uma SUPERBAGUNÇA.

O que eu não sabia era que eu não estava sozinha. Todas as mulheres, das mais perfeitas às imperfeitas – aos meus olhos – têm suas inseguranças, mas como somos condicionadas a não expor nossas fragilidades, muitas vezes não sabemos que sofremos todas dos mesmos pensamentos venenosos.

Não é à toa que eu vejo tanta mulher em quadro de ansiedade ao meu redor. Fomos criadas para buscar patamares inatingíveis em tudo, da beleza ao intelecto. Quanta pressão para ser uma mulher no mundo em que eu acreditava existir: magra, cabelo bem cuidado, unha feita, bom namorado, ir bem no trabalho, dividir a conta, não depender, estudar, fazer pós, ser promovida, casar, ser mãe, criar seu filho com sabedoria, levar no colégio, visitar os pais, viajar nas férias, ensinar a comer bem, não deixar assistir porcaria, ser bonita, cuidar do marido, ir pro trabalho e viver repetidamente funções acumuladas.

E quando eu teria tempo de ser eu? Quando poderia me conectar comigo e descobrir do que eu gosto? Enquanto essa pressão era uma verdade, eu me pegava ali: gostando do que me educaram para gostar, pensando o que eu considerava ser o socialmente aceito e fazendo qualquer sacrifício para alcançar esse padrão de beleza tantas vezes inatingível. Eu fiquei doente, muitas outras ainda ficam e poucas de nós conversamos sobre isso.

Com o avanço do feminismo começamos as desconstruções e, aos poucos, bem aos poucos mesmo, foi possível começar a falar daquilo que nos aprisionava. De cara ficou claro que muitas compartilhávamos das mesmas vulnerabilidades, da mesma sensação de pressão.

Alisa o cabelo daqui, faz dieta restritiva dali, coloca unha postiça, contorna o rosto, afina o nariz, exagera na maquiagem e busca parecer tão bonita quanto aquela menina que ainda passa 10 filtros de aplicativo antes de postar a foto. Faz tudo isso, malha de novo, não atrasa no trabalho, junta dinheiro, viaja e volta, tudo sem perder o emprego, tudo tendo de ser inteligente.

De novo, quanta pressão.

Aos poucos percebi que, para a sociedade na qual eu fui criada, ser bonita é mesmo importante. Não posso ser hipócrita e dizer que não me preocupo com isso, que não me preocupo com meu corpo, meu cabelo ou com o reflexo como um todo no espelho. Entretanto, eu não preciso atender ao padrão nos moldes impostos por essa sociedade adoecida, me contento com a beleza que hoje vejo por meio dos meus olhos menos rígidos, um pouco mais flexíveis.

Eu mudei, passei a cuidar de mim de forma diferente, a ver beleza onde antes não enxergava e busquei um novo olhar sobre tudo na minha vida, um ponto de vista amoroso e acolhedor. Entendi que posso estar produzida e poderosa em um dia, da mesma forma que livre e simples em outro. O cabelo poderia ser bonito secando ao vento ou modelado na escova, da mesma forma que preso em um penteado ou naturalmente solto. Claro que ele também pode ter um dia ruim e não ficar bonito de jeito nenhum, tá tudo bem. O importante é que isso não muda nada, tampouco me define. Ser mulher é muito além disso.

Adoro me sentir poderosa, afinal quem não gosta? Adoro ter um tempo para cuidar de mim, da minha pele, do meu cabelo e da minha maquiagem, mas nesse Dia Internacional da Mulher queria reiterar que não precisamos ser perfeitas. Pode ser divertido cuidar da beleza, mas não devemos transformar isso em novas prisões. Muitas vezes condicionamos a nossa felicidade a estar bonita de um jeito padronizado e esquecemos que existem os mais variados conceitos de belo. No fim, mais importante do que a estética é lembrar que a beleza é uma espécie de estado de espírito, uma energia que agente emana. Um borogodó que vem de dentro.

 

Pare e reflita. Passe um tempo com você. Olhe para dentro e você vai descobrir a mulher que você realmente quer ser, não a que esperam de você.

Como construí minha autoestima

Desde que comecei a blogar, se tem um tipo de comentário que recebo diariamente, tanto no site quanto nas redes sociais, é sobre “como queria ter a sua coragem para usar biquínis”, “como queria ter a sua coragem de ir à praia”. Eu sempre fui muito livre com relação ao verão. Meu relacionamento com essa estação do ano sempre foi de amor incondicional, mesmo encarando a praia de biquíni. Minha autoestima se via muito menos confrontada nesse tipo de ambiente, pois sempre via outros corpos como o meu por lá, com biquíni e maiô, curtindo independente de qualquer coisa. Porém, quando voltava pra vida real, o stress começava.

A roupa sempre me incomodou mais do que o biquíni. Isso porque o ambiente onde uso roupas é diferente do ambiente praia/clube, onde todos estão com o dress code parecido. Ir ao shopping de cropped parecia algo impossível para uma menina gorda como eu, especialmente na adolescência. Me sentia sempre bombardeada por algum comentário maldoso, um olhar diferente ou até mesmo um padrão exposto nas mídias. Aliás, nós mulheres nos vemos diariamente confrontadas por esse padrão. Sempre rolam aquelas matérias sobre o corpo perfeito, a pele perfeita, o cabelo perfeito. E, quando não conseguimos atingir esse padrão ditado por outros, nos sentimos incapazes e não aceitas dentro desse grupo social.

O meu processo de desconstrução desses padrões e da minha autoaceitação começou há um tempinho, quando me vi questionando tudo isso. Me senti burra por não ter percebido o quanto tentar me enquadrar nele me fez infeliz durante quase 20 anos da minha vida. Me achava superinadequada em várias ocasiões e fazia o possível e o impossível para me encaixar de alguma forma em algo inalcançável. Percebi que a única coisa que isso tudo me acarretou foi uma paranoia e ideias erradas. Bem na época em que mais precisava formar meu caráter e me entender como mulher.

Quando me vi entrando na fase adulta, cheia de responsabilidades novas e projetos a serem enfrentados, comecei a pensar no quanto a minha baixa autoestima poderia ser maléfica para meus próprios sonhos. O quanto essa minha falta de respeito comigo mesma e com meus limites poderiam ser  terríveis para mim. Sim, amiga! A única prejudicada no quesito autoestima baixa é você mesma. Não é a TV, não é a revista, não é o blog de vida perfeita.

Foi então que descobri que essa mudança de hábitos e pensamentos deveria ser minha comigo mesma. Bem solitária e egoísta. Se eu pudesse colocar em uma só palavra o que aprendi sobre autoestima feminina nessa fase seria: respeito. Eu aprendi a me respeitar. Respeitar meu corpo, meus limites, minhas diferenças. É claro que esse processo de autoaceitação precisa ser reiterado e alimentado dia após dia. Para que a gente nunca se esqueça de amar incondicionalmente esse corpo que é nosso parceiro 24h por dia, 7 dias por semana. Dessa forma, a gente consegue se libertar dessas ideias antiquadas que só servem para nos colocar pra baixo e só prejudicam a nós mesmas.