Aprendi que amar é bom, mas se amar é maravilhoso!

Sou uma shopaholic assumida e, em uma de minhas visitas ao meu shopping favorito, entrei em uma loja na qual não conhecia. As cores e estampas me chamaram a atenção, fiquei encantada com o caimento dos tecidos. 5 minutos dentro do estabelecimento e um total de 0 vendedoras para me atender. Loja vazia de clientes e com 3 funcionários que fizeram questão de me analisar de cima a baixo antes da singela pergunta: “posso ajudar?”. Quando perguntei sobre a numeração de um vestido, ouvi que não tinham peças para gente “do meu tamanho”. Detalhe que na época eu vestia 44. Fiquei atônita e sai da loja engasgada, pensando em fazer vários textões no facebook divulgando para o mundo o ocorrido.

Nós mulheres muitas vezes nos vemos bombardeadas de informações sobre o corpo “perfeito”, seja em revistas, TV ou até mesmo em blogs de moda. Depois do fato ocorrido comigo nessa loja, comecei a pensar no quanto o padrão imposto pela sociedade sempre será inalcançável. Na renascença italiana, em meados dos anos 1600, o corpo gordo era idolatrado. A mulher que possuía barriguinha saliente, seios fartos e quadril avantajado era tratada como o padrão de beleza, uma vez que na época poucas mulheres eram gordas e na maioria das vezes eram nobres. E as magras nessa época, como ficavam?

Pulando algumas gerações e caindo dos anos 30 à 50, o corpo ampulheta era o tido como ideal. Seios bem fartos, quadris avantajados e uma cinturinha de causar inveja em mulheres mais magras ou mais gordas, que ficavam à margem neste padrão. Também passamos pelos anos 60 e 90 onde quanto menos curvas, melhor. Um corpo reto, magro, com pernas longas e braços finos era essencial.

E hoje? Depois de estudar mais sobre gordofobia e até mesmo sobre feminismo vejo o quanto o padrão de beleza sempre será inalcançável. Convivo com pessoas que se acabam em cirurgias estéticas para tentar conquistar um corpo do qual nunca estará satisfeita, nunca será o suficiente. Mesmo depois de tanta reflexão, custei para entender que de fato eu não precisava ser bonita que nem fulana nem ter o corpo igual ao da ciclana, que o certo era eu ser bonita como eu, ter o corpo que eu tenho e nunca me amar menos por isso independente se o padrão da época ditar o contrário. Não devo subestimar meu corpo apenas porque uma loja não quer confeccionar roupas que o sirva, mesmo porque em meu ver quem está perdendo é ela!

Aprendi que amar é bom, mas se amar é maravilhoso!

O poder do elogio sincero

Era 1º de janeiro, acordei ainda sonolenta e com um pouco de ressaca da noite da virada. Olhei para o lado e estava ele, me observando dormir e fazendo cafuné em meus cabelos. Dei um sorriso de lado meio sem graça com minha cara lavada e amassada. Antes que eu pudesse falar algo ele me disse: “você é a mulher mais maravilhosa do mundo”.

Naquele momento percebi o quanto estou ao lado de alguém que me ama acima de qualquer padrão. Sempre estive acima do peso e, em minha adolescência, isso foi motivo para fazer dietas malucas e extremamente restritivas, chorar sozinha por “não ter roupa” que caiba em mim e até por vomitar após o almoço com culpa de ter comido além do que deveria.

Depois de alguns anos fazendo terapia, consegui entender melhor minha relação com meu corpo, a supervalorização do padrão inatingível de beleza pela mídia e o quanto isso me afetou na adolescência e poderia afetar outras meninas. E o que isso tem a ver com o fato de meu namorado me achar “a mulher mais maravilhosa do mundo”?

Não estou querendo pregar que sem a opinião dele eu ficaria mal ou que preciso que alguém me ache maravilhosa. Não. Mas aquela atitude tão sincerona logo pela manhã do dia 1º foi tão inesperada que ativou uma chama extra de auto estima em mim. E se, no auge da minha adolescência, essa chama tivesse sido acesa? Quantas chamas conseguimos acender apenas dizendo um elogio sincero em momentos inesperados? Quantos conhecidos você elogiou hoje? E desconhecidos?

A partir daí comecei a colocar em ação algo que já havia feito em 2016: a pratica do elogio. Me levantei, abracei minha mãe e falei que o cabelo dela estava perfeito com aquele corte. No dia seguinte, no trabalho, elogiei a bolsa da minha colega. Na hora do almoço fiz questão de ir até a cozinha do restaurante elogiar o tempero delicioso da carne seca. E desse dia em diante me prometi acender o máximo de chamas que eu conseguir por onde passar. E você? Já acendeu a chama da auto estima de alguém hoje?