Cabelo novo, percepção nova

Lembram que eu falei semana passada que eu ia mudar? Pois bem, mudei! Finalmente consegui tirar um tempo no sábado – ou melhor, consegui ajustar a agenda do marido com a do salão, afinal, precisava que ele ficasse com o Arthur – para fazer meu cabelo.

Enquanto estava no caminho, com a linha completa de coloração que a Bio Extratus me enviou para experimentar, cruzei com uma frase que até postei no insta onde dizia: “não é mudando que você se ama, é se amando que você muda”. E isso nunca fez tanto sentido.

 

Porque talvez vocês não saibam, mas eu já tive o cabelo com uma cor parecida com essa. Eu estava com 19 anos, vinha do ano anterior enlouquecida com o vestibular, engordei, não tinha mais roupa, não sabia quem eu era e resolvi pintar o cabelo porque estava insatisfeita, sem me reconhecer. Queria me achar e depositei todas as minhas esperanças na mudança capilar.

 

Só que isso não aconteceu. Por isso mesmo, acho que mudar não adiantou muita coisa naquela época. Depositei o pouco da minha autoestima nisso, mas tinha tanta coisa desajustada naquele contexto que a mudança capilar foi efetiva até certo ponto.

 

Só que, agora, meu objetivo foi outro: eu quis mudar porque eu estava muito segura de mim. Eu queria mudar porque minha relação com o meu cabelo está em sua melhor fase – então, por que não experimentar algo novo?

Na verdade, a referência que eu tinha era algo muito mais claro do que está (eu usei a tintura 9.4, louro muito claro acobreado). Só que, chegando ao salão, o Rogério – o profissional que mexe no meu cabelo desde que eu cheguei aqui em NY – achou melhor não chegar nessa cor logo de uma vez.

 

Eu estava sem fazer luzes desde dezembro de 2016, o que quer dizer que tinha muito cabelo virgem na jogada, castanho escuro ainda por cima. Para chegar naquele tom eu teria que descolorir e ele achou que seria um procedimento bem agressivo para o estado que meus fios se encontravam. Também demoraria mais e gastaria um tempo que eu não teria naquele dia. Preferi seguir com a opinião do especialista e aí a gente vai clareando com o tempo. Se bobear, é até bom para eu ir me acostumando com as tonalidades ruivas. 🙂

 

Só sei que, quando virei para o espelho, lá estava a Carla com uma cor de cabelo superparecida com a da Carla de 19 anos. Por um segundo lembrei de todo aquele período de insegurança, mas quando olhei de novo, aquela Carla realmente não estava ali.

 

E quanto ao cabelo em si? Para começar, eu fiquei espantada que a cor conseguiu chegar nesse tom logo de primeira. Ainda não é a cor final e ainda está mais escuro do que eu tinha planejado, mas levando em conta que não usamos descolorante, eu achei muito bom. Mas o principal é: eu tô apaixonada pelo toque! O tutano na fórmula, exclusividade da Bio Extratus e diferencial no mercado, ajuda a hidratar enquanto colore e isso realmente acontece. Lavei dois dias depois de pintar e, quando sequei (tá frio aqui, não tenho conseguido deixá-lo secando naturalmente), ele estava supersedoso, os fios nada embaraçados. O brilho também é notável. Confesso que fiquei pensando em não descolorir, afinal, por mais que eu cuide muito, é normal que resseque demais, coisa que a tinta claramente não fez. Veremos.

 

Aliás, percebi nessa semana que a tinta também está ajudando demais a controlar a oleosidade. Nesse período em que eu estava com a raiz virgem bem comprida, eu cortei um dobrado com ele, porque ela voltou a ficar superoleosa em tempo recorde. A linha Pós-Química de abacate com jojoba – que eu amo – é tão hidratante que a minha raiz não aguentou. A mesma coisa aconteceu com a linha Pós-Coloração, que é ainda mais hidratante e não funcionou tão bem (comecei a usar ela novamente essa semana, vamos ver como ela vai se comportar em outras condições capilares). Tem sido um alívio poder voltar a lavar meu cabelo dia sim, dia não.

Eu estou supersatisfeita com o resultado e feliz por ter escolhido uma cor tão diferente do que eu tenho feito há tanto tempo. Também fiquei chocada com o sucesso que fez no instagram, acho que não lembro de um post meu ter tido tantos likes, tampouco lembro de ter recebido tantas mensagens diretas. Não que a popularidade nas redes sociais influencie minha opinião, mas não nego que é uma injeção de autoestima receber tanta mensagem positiva. 🙂

 

Quem estiver pensando em mudar, sugiro conhecer a linha Bio Extratus Color e conversar com o profissional que cuida dos seus cabelos para, juntos, definirem a melhor ideia para vocês. Juro que não é só porque eles são patrocinadores do blog, mas o resultado foi muito melhor do que eu tinha imaginado, inclusive com a minha percepção. O cabelo novo não foi feito para suprir nenhum amor próprio falho, mas estou amando me enxergar com novos olhos.

 

Me reapaixonei pelo Cristal Líquido da linha Nutri Cachos

Outro dia estava arrumando meu armário do banheiro e encontrei um produto da Bio Extratus que há muito tempo eu não usava: o Cristal Líquido da linha Nutri Cachos. Provavelmente ele ficou escondido por uns meses porque levei para alguma viagem e esqueci de tirá-lo da necessaire, mas fiquei feliz de tê-lo reencontrado. Imediatamente voltei a usar e lembrei porquê eu curtia tanto esse produtinho cujo nome cumpre o que promete.

Ele é um óleo ideal para passar no cabelo úmido ou seco, e é feito com silicones especiais para diminuir o frizz, o volume e garantir brilho intenso. Eu, particularmente, prefiro usar nos cabelos secos, porque é quando eu consigo ver quais partes estão mais necessitadas. Também prefiro usá-lo nas pontas e sempre amassando os fios para cima, porque volume é algo que não faço a mínima questão de perder.

O Cristal Líquido age nos cabelos criando um filme sobre a fibra capilar, de forma que controla o frizz e o volume, mas para mim, o melhor benefício desse filme é o brilho sem precedentes. Eu já experimentei muitos produtos da Bio Extratus, inclusive meu leave in preferido ainda é o de Óleo de Argan e Cártamo, mas não tem comparação em termos de brilho, porque o cristal líquido realmente é imbatível.

 

SEM CRISTAL LÍQUIDO                                            COM CRISTAL LÍQUIDO

E o melhor? Tem filtro solar na composição. Ou seja, além de deixar os fios lindos e brilhantes, ainda protege!

A mulher que eu gostaria de ser

 

Por mais que as redes sociais deem a entender o contrário, eu estou em uma fase de limbo. Morando em outro país, com uma criança pequena em casa que a cada dia demanda mais da minha atenção, eu tive que suspender boa parte do meu trabalho para dar conta de tudo dentro de casa. Não saio tanto quanto eu gostaria porque tem dias que só de pensar de sair sozinha com uma criança que já tem muita vontade própria já me deixa exausta. Ir ao cinema virou um programa bem caro porque temos que pagar uma babysitter. Livros que antes eu lia em uma semana, hoje eu leio em 3 meses porque chega fim do dia, eu estou cansada e só quero banho e cama, no máximo um episódio de alguma série. Faz algumas semanas que eu não faço minhas unhas (estou aprendendo a fazer em casa, mas ainda sai um verdadeiro desastre). Sö cuido dos cabelos porque posso dizer “Amém, Bio Extratus”.

 

Não me arrependo das escolhas que fiz em momento nenhum, mas volta e meia me pego tentando suprimir sentimentos estranhos, que me fazem pensar que a vida de todo mundo está fluindo enquanto a minha está parada. E diria que as redes sociais são parcialmente responsáveis por esses pensamentos. Eu vejo meu feed do instagram e acompanho a blogueira que está viajando para todos os lugares do mundo, a amiga que virou médica postando como está realizada fazendo plantão, a conhecida advogada que saiu do trabalho para um happy hour e está lá, postando feliz. Vejo a mulher que eu acho linda que é mãe integral de 3 filhos pequenos e está sempre perfeita posando para as fotos. E por um momento eu fico pensando que eu não estou conseguindo ser a mulher que eu gostaria de ser.

 

Mas aí paro pra pensar: que mulher é essa? Eu queria ser médica? Não, para a decepção do meu pai eu nunca tive dom para essa profissão. Happy Hour com roupa de escritório? Mas eu não gosto de trabalhar em escritórios – por isso o blog me satisfaz tanto e sempre amei trabalhar freelance fazendo meus horários. Eu também nunca conseguiria ser o tipo de blogueira que não para nunca em casa, pois nesse sentido eu sou super canceriana. Amo viajar, mas depois de um tempo amo mais voltar pra casa. Lar doce lar sempre. E sobre a vida da mãe perfeita, bem…eu também só posto os meus momentos mais arrumados e bonitos, então imagino que quem veja de fora também pense que eu sou a mãe perfeita, não é mesmo? Uma foto que mostra um bebê brincando em um ambiente imaculado provavelmente acontece porque o entorno está uma zona. hehe

 

Aí eu volto para a minha vida, vejo meu filho brincando e percebo o privilégio que é poder acompanhar essa primeira fase da vida dele tão de perto, sem depender de creches ou babás. Olho para a minha casa e percebo que ela está desarrumada mas é aconchegante, em um bairro incrível e uma vista de tirar o fôlego. Vejo a programação cultural da cidade em que moro e noto como ela é intensa e cheia de novidades. Depois venho para o computador e percebo que tenho meu trabalho, meus amigos e que está tudo onde deveria estar. E por fim, olho para o espelho e feliz, volto ao normal e percebo que eu já sou a mulher que eu gostaria de ser. <3

Um banho relaxante com lavanda      

 

Eu sou um pouco metódica com produtos de beleza. Se na embalagem diz para usar de tal forma, eu costumo seguir à risca e dificilmente eu uso de outro jeito. Vai que dá errado? Sei lá.

 

Dito isso, desde que eu conheci o sal esfoliante Botica Lavanda da Bio Extratus, eu venho usando religiosamente da mesma forma. Entro no banho e com a pele úmida, aplico o sal com movimentos regulares, relaxo e depois tiro (se bobear falei a mesma coisa que está escrito no produto, como eu disse, acabo decorando rsrs).

 

 

Outro dia eu estava acabada. Arthur, meu filho, estava especialmente espevitado subindo em tudo, correndo, caindo, jogando coisas pro alto, pegando a comida do cachorro e espalhando pelo chão, abrindo portas, jogando prato de comida no chão, fruta pelo teto, enfim. Foi meio pesadelo. rs

 

Terminei o dia parecendo uma maluca, suada, cabelos desgrenhados e provavelmente sujos de comida e tava precisando mais do que nunca de algo extremamente relaxante. Olhei pro sal, ele olhou pra mim e eu pensei comigo mesma: quer saber? Vou tomar banho de banheira e usar como sal de banho. O máximo que poderia acontecer era não dar certo, mas imaginei que o cheirinho de lavanda que ficaria no ar seria relaxante e agradável o suficiente para eu sair renovada.

 

Preparei a banheira, acendi vela, peguei meu som, botei uma playlist calminha – sim, bem coisa de filme mesmo – peguei o sal esfoliante e entrei. Joguei depois que eu já estava lá dentro, passei no corpo (já que é pra esfoliar, vamos usar, né?) e resolvi relaxar.

 

 

O cheiro da lavanda subiu e o efeito calmante foi imediato. Antes de tirar a água joguei mais um pouco de sal no corpo para dar uma hidratada, já que por causa da Oliva e do Hydromanil (hidratante que mantém a umidade natural da pele de forma duradoura), além de esfoliante, o Botica Lavanda também deixa a pele macia e super cheirosa.

 

Resultado? Valeu super a pena mudar a ordem do jogo e testar uma forma nova de usar um produto que eu já conheço há tanto tempo! Mas quem não tiver banheira, não tem problema, usá-lo durante o banho é tão gostoso quanto!

Meus cabelos e eu!

Quando eu era pequena meus cabelos eram elogiados por todas as pessoas. Os cachos, que quando eu era bem criança eram grandes, foram soltando conforme e eu crescia e quando eu tinha uns 5, 6 anos eles ganharam ondas abertas e bem bonitas. E eu amava meus cabelos…até fazer uns 8.


 

No colégio, as meninas consideradas as mais bonitas da minha série todas tinham cabelos lisos e franjas. Nas Spice Girls lá estava Mel B representando as crespas, todas as outras tinham cabelos lisos. Friends, todas com cabelos lisos. Blossom, cabelos lisos. Sabrina e depois Clarissa, cabelos lisos, loiros e franjas, achava maravilhoso e queria igual. Punky, franja cheia e cabelos lisos – achava lindo quando fazia chiquinhas e ficava igual. Mais tarde, quando eu tinha 11 anos, chegaram as Chiquititas e comecei a ver meninas com cabelos parecidos com o meu (oi Fran, oi Tati), mas vocês acham que eu gostava do cabelo delas? Não!

A diferença é que naquela época eu não tinha a mínima consciência do que deveria fazer para arrumar os cabelos da forma que eu gostaria que eles ficassem, e isso causou uma série de frustrações capilares. Pedi para cortar franja crente que conseguiria copiar as atrizes que eu admirava, saía do salão com aquela franja maravilhosa que durava até o primeiro banho. Como eu não usava secador, a franja secava aleatoriamente, quase sempre fazendo o sentido contrário de uma franja convencional, isso é, a “voltinha” da franja era voltada para fora, e não para dentro.

E lá no alto dos meus 11 anos que eu pedi para fazer o corte da Posh Spice porque eu tinha uma boneca da Victoria e achava o cabelo dela lindo? Sim, eu fui no salão levando a boneca como referência, e a pessoa cortou meu cabelo reto e sem graça, na altura do queixo. Com a escova ficou lindo, mas vocês imaginam o que aconteceu quando meu cabelo secou naturalmente, né? Muitos meses traumáticos sem saber como cuidar do cabelo até ele crescer. Até hoje eu cruzo com ela e tenho arrepios lembrando dia que eu descobri que não tinha como copiar a Posh Spice. Pelo menos eu não pedi para copiar a Geri, imaginem se alguém aceitasse pintar os cabelos de uma pré adolescente metade loiro metade vermelho?

Engraçado que quando eu fiz 15 anos, mais ou menos, eu descobri que odiava meu cabelo escovado porque ele ficava lambido. E foi aí que eu comecei a fazer as pazes com meus fios. Passei a respeitá-los, a descobrir modos de secar e cortar que valorizaram. Comecei a me interessar por produtos (né, Bio Extratus! 🙂 ) E tive a certeza que eles tinham um peso muito importante na minha autoestima.

Hoje eu acho incrível saber que posso fazer o que eu quiser com eles. Posso secar com escova e deixá-los mais lisos, posso fazer um babyliss e deixá-los com um movimento interessante, posso secar com os dedos e deixá-los mais naturais.

Meu último passo nessa minha relação com minhas madeixas é deixar que elas sequem naturalmente mais vezes. Hoje em dia eu só faço isso quando sei que não vou sair, pois ainda tenho medo de como os fios vão secar, se eles vão ficar mais ou menos rebeldes, mas quem disse que volume ou formas mais indefinidas são feias? É isso que estou tentando botar na minha cabeça e, quem sabe, voltar a ser aquela criança de 6 anos que achava seus cabelos ondulados de qualquer jeito poderosos, diferentes e maravilhosos?