A mulher que eu gostaria de ser

 

Por mais que as redes sociais deem a entender o contrário, eu estou em uma fase de limbo. Morando em outro país, com uma criança pequena em casa que a cada dia demanda mais da minha atenção, eu tive que suspender boa parte do meu trabalho para dar conta de tudo dentro de casa. Não saio tanto quanto eu gostaria porque tem dias que só de pensar de sair sozinha com uma criança que já tem muita vontade própria já me deixa exausta. Ir ao cinema virou um programa bem caro porque temos que pagar uma babysitter. Livros que antes eu lia em uma semana, hoje eu leio em 3 meses porque chega fim do dia, eu estou cansada e só quero banho e cama, no máximo um episódio de alguma série. Faz algumas semanas que eu não faço minhas unhas (estou aprendendo a fazer em casa, mas ainda sai um verdadeiro desastre). Sö cuido dos cabelos porque posso dizer “Amém, Bio Extratus”.

 

Não me arrependo das escolhas que fiz em momento nenhum, mas volta e meia me pego tentando suprimir sentimentos estranhos, que me fazem pensar que a vida de todo mundo está fluindo enquanto a minha está parada. E diria que as redes sociais são parcialmente responsáveis por esses pensamentos. Eu vejo meu feed do instagram e acompanho a blogueira que está viajando para todos os lugares do mundo, a amiga que virou médica postando como está realizada fazendo plantão, a conhecida advogada que saiu do trabalho para um happy hour e está lá, postando feliz. Vejo a mulher que eu acho linda que é mãe integral de 3 filhos pequenos e está sempre perfeita posando para as fotos. E por um momento eu fico pensando que eu não estou conseguindo ser a mulher que eu gostaria de ser.

 

Mas aí paro pra pensar: que mulher é essa? Eu queria ser médica? Não, para a decepção do meu pai eu nunca tive dom para essa profissão. Happy Hour com roupa de escritório? Mas eu não gosto de trabalhar em escritórios – por isso o blog me satisfaz tanto e sempre amei trabalhar freelance fazendo meus horários. Eu também nunca conseguiria ser o tipo de blogueira que não para nunca em casa, pois nesse sentido eu sou super canceriana. Amo viajar, mas depois de um tempo amo mais voltar pra casa. Lar doce lar sempre. E sobre a vida da mãe perfeita, bem…eu também só posto os meus momentos mais arrumados e bonitos, então imagino que quem veja de fora também pense que eu sou a mãe perfeita, não é mesmo? Uma foto que mostra um bebê brincando em um ambiente imaculado provavelmente acontece porque o entorno está uma zona. hehe

 

Aí eu volto para a minha vida, vejo meu filho brincando e percebo o privilégio que é poder acompanhar essa primeira fase da vida dele tão de perto, sem depender de creches ou babás. Olho para a minha casa e percebo que ela está desarrumada mas é aconchegante, em um bairro incrível e uma vista de tirar o fôlego. Vejo a programação cultural da cidade em que moro e noto como ela é intensa e cheia de novidades. Depois venho para o computador e percebo que tenho meu trabalho, meus amigos e que está tudo onde deveria estar. E por fim, olho para o espelho e feliz, volto ao normal e percebo que eu já sou a mulher que eu gostaria de ser. <3

Um banho relaxante com lavanda      

 

Eu sou um pouco metódica com produtos de beleza. Se na embalagem diz para usar de tal forma, eu costumo seguir à risca e dificilmente eu uso de outro jeito. Vai que dá errado? Sei lá.

 

Dito isso, desde que eu conheci o sal esfoliante Botica Lavanda da Bio Extratus, eu venho usando religiosamente da mesma forma. Entro no banho e com a pele úmida, aplico o sal com movimentos regulares, relaxo e depois tiro (se bobear falei a mesma coisa que está escrito no produto, como eu disse, acabo decorando rsrs).

 

 

Outro dia eu estava acabada. Arthur, meu filho, estava especialmente espevitado subindo em tudo, correndo, caindo, jogando coisas pro alto, pegando a comida do cachorro e espalhando pelo chão, abrindo portas, jogando prato de comida no chão, fruta pelo teto, enfim. Foi meio pesadelo. rs

 

Terminei o dia parecendo uma maluca, suada, cabelos desgrenhados e provavelmente sujos de comida e tava precisando mais do que nunca de algo extremamente relaxante. Olhei pro sal, ele olhou pra mim e eu pensei comigo mesma: quer saber? Vou tomar banho de banheira e usar como sal de banho. O máximo que poderia acontecer era não dar certo, mas imaginei que o cheirinho de lavanda que ficaria no ar seria relaxante e agradável o suficiente para eu sair renovada.

 

Preparei a banheira, acendi vela, peguei meu som, botei uma playlist calminha – sim, bem coisa de filme mesmo – peguei o sal esfoliante e entrei. Joguei depois que eu já estava lá dentro, passei no corpo (já que é pra esfoliar, vamos usar, né?) e resolvi relaxar.

 

 

O cheiro da lavanda subiu e o efeito calmante foi imediato. Antes de tirar a água joguei mais um pouco de sal no corpo para dar uma hidratada, já que por causa da Oliva e do Hydromanil (hidratante que mantém a umidade natural da pele de forma duradoura), além de esfoliante, o Botica Lavanda também deixa a pele macia e super cheirosa.

 

Resultado? Valeu super a pena mudar a ordem do jogo e testar uma forma nova de usar um produto que eu já conheço há tanto tempo! Mas quem não tiver banheira, não tem problema, usá-lo durante o banho é tão gostoso quanto!

Meus cabelos e eu!

Quando eu era pequena meus cabelos eram elogiados por todas as pessoas. Os cachos, que quando eu era bem criança eram grandes, foram soltando conforme e eu crescia e quando eu tinha uns 5, 6 anos eles ganharam ondas abertas e bem bonitas. E eu amava meus cabelos…até fazer uns 8.


 

No colégio, as meninas consideradas as mais bonitas da minha série todas tinham cabelos lisos e franjas. Nas Spice Girls lá estava Mel B representando as crespas, todas as outras tinham cabelos lisos. Friends, todas com cabelos lisos. Blossom, cabelos lisos. Sabrina e depois Clarissa, cabelos lisos, loiros e franjas, achava maravilhoso e queria igual. Punky, franja cheia e cabelos lisos – achava lindo quando fazia chiquinhas e ficava igual. Mais tarde, quando eu tinha 11 anos, chegaram as Chiquititas e comecei a ver meninas com cabelos parecidos com o meu (oi Fran, oi Tati), mas vocês acham que eu gostava do cabelo delas? Não!

A diferença é que naquela época eu não tinha a mínima consciência do que deveria fazer para arrumar os cabelos da forma que eu gostaria que eles ficassem, e isso causou uma série de frustrações capilares. Pedi para cortar franja crente que conseguiria copiar as atrizes que eu admirava, saía do salão com aquela franja maravilhosa que durava até o primeiro banho. Como eu não usava secador, a franja secava aleatoriamente, quase sempre fazendo o sentido contrário de uma franja convencional, isso é, a “voltinha” da franja era voltada para fora, e não para dentro.

E lá no alto dos meus 11 anos que eu pedi para fazer o corte da Posh Spice porque eu tinha uma boneca da Victoria e achava o cabelo dela lindo? Sim, eu fui no salão levando a boneca como referência, e a pessoa cortou meu cabelo reto e sem graça, na altura do queixo. Com a escova ficou lindo, mas vocês imaginam o que aconteceu quando meu cabelo secou naturalmente, né? Muitos meses traumáticos sem saber como cuidar do cabelo até ele crescer. Até hoje eu cruzo com ela e tenho arrepios lembrando dia que eu descobri que não tinha como copiar a Posh Spice. Pelo menos eu não pedi para copiar a Geri, imaginem se alguém aceitasse pintar os cabelos de uma pré adolescente metade loiro metade vermelho?

Engraçado que quando eu fiz 15 anos, mais ou menos, eu descobri que odiava meu cabelo escovado porque ele ficava lambido. E foi aí que eu comecei a fazer as pazes com meus fios. Passei a respeitá-los, a descobrir modos de secar e cortar que valorizaram. Comecei a me interessar por produtos (né, Bio Extratus! 🙂 ) E tive a certeza que eles tinham um peso muito importante na minha autoestima.

Hoje eu acho incrível saber que posso fazer o que eu quiser com eles. Posso secar com escova e deixá-los mais lisos, posso fazer um babyliss e deixá-los com um movimento interessante, posso secar com os dedos e deixá-los mais naturais.

Meu último passo nessa minha relação com minhas madeixas é deixar que elas sequem naturalmente mais vezes. Hoje em dia eu só faço isso quando sei que não vou sair, pois ainda tenho medo de como os fios vão secar, se eles vão ficar mais ou menos rebeldes, mas quem disse que volume ou formas mais indefinidas são feias? É isso que estou tentando botar na minha cabeça e, quem sabe, voltar a ser aquela criança de 6 anos que achava seus cabelos ondulados de qualquer jeito poderosos, diferentes e maravilhosos?

Você já elogiou alguém hoje? Bio Extratus e o dia da mulher!

Se tem uma coisa que a gente já sabia – e fazia – mas que ganhou uma importância maior depois que começamos a discutir esse assunto com mais frequência e com mais meninas, é o ato de elogiar. Depois do agradecer, esse deveria ser o verbo mais utilizado do mundo porque só traz coisas boas e só gera bons sentimentos.

Sério, quem nunca saiu de casa insegura, não se achando lá essas coisas e mudou totalmente a postura depois de ouvir um elogio sincero? E quem nunca ficou feliz depois de elogiar alguém e ver que aquelas poucas palavras realmente mudaram o dia da pessoa? Exaltar o lado positivo ou então até mesmo aquilo que é bonito aos seus olhos é um dos melhores exercícios que podemos fazer, não deveria ser motivo de vergonha, acanhamento ou até mesmo de silêncio.

Se parar uma pessoa na rua para dizer que o cabelo dela está lindo ou o look que ela está usando é incrível ainda é uma tarefa difícil, já pensou em começar dentro de casa ou com suas amigas? Cada vez mais que falamos sobre autoestima (e ultimamente, como vocês podem ver, esse papo tem surgido MUITO), temos a certeza absoluta que nada é mais levantador de autoestima do que estar cercada de pessoas que te botam pra cima. Porque as vezes fica bem difícil você estar fazendo o exercício de tentar se enxergar com bons olhos e só receber apenas críticas desconstrutivas, por isso é bem melhor andar com gente que te ajuda a ver em si mesma o que você tem de melhor. Elogios muitas vezes quebram a casca que a gente mesma cria de não se enxergar bonita ou boa o bastante, o que importa é como a gente se vê, mas se o mundo à nossa volta ajudar, a gente se vê num reflexo mais leve e bonito.

Aliás, cada dia que passa chegamos à conclusão que o importante dessa vida mesmo é aprender a criticar e julgar menos, respeitar mais e valorizar o que merece ser valorizado. Seja uma atitude ou uma unha pintada de cor bonita.

Como se tivesse lendo nossos pensamentos, a Bio Extratus lançou para o Dia Internacional da Mulher o Naturalmente Poderosa, um site que funciona como uma fábrica de gifs elogiosos. Ele é fácil, fácil de brincar e muito divertido. Você entra, bota o nome da amiga/mãe/irmã/tia/sobrinha/vó/qualquer outra mulher da sua vida, escolhe a foto mais bonita dela, seleciona 5 elogios (de 19!) e clica em “Gerar GIF”. Pronto! Em questão de segundos você pode sair presenteando todas as mulheres que você quiser elogiar! É ou não é muito amor??

Eles ficam fofos assim, ó:

Dessa forma a gente consegue espalhar um pouco de amor nas nossas timelines, afinal, esse mundo já está tão cheio de julgamentos, críticas e intolerâncias que é delicioso ver um movimento desses ganhando força, né?

Desde que começamos a trabalhar com a marca, a gente já sabia que a Bio Extratus gosta de levantar a autoestima e o amor próprio de suas consumidoras, que visa ajudar mulheres que são lindas por dentro a ficarem maravilhosas por fora. E nesse ano em que estamos falando tanto sobre sororidade, sobre jogar nossas amigas pra cima, elogiar, agradecer e fazer coisas boas para colher coisas melhores ainda, essa ideia de comemorar o Dia Internacional da Mulher que a Bio Extratus propôs é tão especial e nos deixa tão orgulhosas de estarmos juntas nesse caminho.  

É incrível ver uma marca que trabalha com influenciadoras de todos os tipos, cores e cabelos mostrando que além da representatividade, ela também acredita no elogio, em espalhar mais amor por ai.

Quem quiser mandar elogios animados para as mulheres da sua vida, é só acessar o site Naturalmente Poderosa e se divertir mandando presentes virtuais!

Uma celebração à autoestima

18 de fevereiro, sábado, um dia após meu aniversário, lá estou no aeroporto de Congonhas embarcando para o Rio. O motivo? Uma pool party; mas esperem…. não era uma festa qualquer, era uma festa do blog Futilidades! Escrito por Carla Paredes e Joana Cannabrava. O blog, por muito tempo, teve a sua linha editorial focada em moda. Sim, uma crônica ou outra pelo meio do caminho mas o slogan era “Quem disse que o fútil não pode ser útil?”

Depois de anos, as meninas sentiram necessidade de mudar, viram que o público mudou, o mundo mudou e a moda cada vez mais restringia os corpos femininos. Então, em 2017 o “Quem disse que o fútil não pode ser útil?” se tornou “Um papo sobre autoestima”. Um novo caminho, uma nova vertente, uma conversa com mulheres que, expondo ou não, possuem(possuíam) o mesmo problema: a falta de amor próprio.

Um grupo no Facebook foi criado e em menos de 3 meses já contava com mais de mil mulheres (sim, apenas mulheres), que compartilhavam seus amores, desamores, vida profissional, desabafos sobre distorção de imagem e muito mais do que você possa imaginar. A causa foi longe e se tornou esta festa linda que eu pude participar em 18 de fevereiro no hotel Grand Mercure Riocentro. O melhor da festa? Todas com roupa de banho SEM IMPORTAR O TIPO DE CORPO. Porque é isso que o grupo surgido do blog celebra: a autoestima acima de tudo! Se você está bem com o seu corpo, não importa o que as pessoas digam, você se basta!

Foram quatro horas de conversas, risadas, encontros, desabafos e muita, mas muita diversão. Eu, como amiga das meninas, fiquei tão feliz e tão realizada com este projeto que precisava escrever sobre. Eu precisava falar que me senti completamente à vontade com meu biquini (coisa que não acontece na piscina no prédio). Me senti feliz ao ver tantas mulheres se ajudando e se amando acima de tudo. Vovó sempre dizia e mamãe sempre diz: “Antes de amar qualquer pessoa você precisa se amar primeiro”E isso foi aplicado com maestria na grupo do Facebook, na pool party e é aplicado todos os dias no blog: f-utilidades.com.

Não era para celebrar Carla ou Joana, não era para celebrar uma marca específica, não era para comemorar milhões de seguidores em alguma rede social: Era para celebrar a melhora e a autoestima das mulheres ali presentes, era por uma causa, era por algo muito maior que perdurará neste novo rumo que o Futi tomou. Um encontro feito para as leitoras que viraram amigas que se fizeram um grupo de ajuda que eu tenho a honra de fazer parte.

E sabe a minha alegria? Em saber que empresas como a Bio Extratus apoiou a causa sem pensar duas vezes. “Sim, vamos ajudar! Sim, estaremos presentes neste momento de mudança com o Futilidades”. Na minha cabeça isso vai além de vender produtos, vai além de comercializar cosméticos, isso vai ao encontro da necessidade das mulheres atuais. Não queremos mais engolir forçadamente aquele padrão que a mídia nos impõe. Não queremos mais tentar, a todo custo, sermos perfeitas porque o mundo diz que aquele é o corpo ideal. São poucas, MUITO POUCAS as marcas que abraçam uma causa como esta e desta forma.

Ver as meninas testando os produtos no cabelo, usando as escovas, conhecendo tudo com sorriso nos lábios me fez feliz. Feliz porque eu também trabalho neste meio há muito tempo; e sei o quanto é difícil ajudar uma mulher dita fora do padrão a se sentir linda. E as meninas não fizeram isso com uma, mas com várias. O meu orgulho vai onde? LÁ NO CÉU!

Se quiserem ver com detalhes cada etapa, cada passo desta festa linda, só acessar o Futilidades que estará recheado de fotos, textos e muito, mas muito conteúdo para você sair de lá se sentindo a mais diva do mundo. Ou, no Instagram, use a hashtag #paposobreautoestima e #paponapiscina que você se encantará com as fotos e depoimentos. Ah! O grupo no Facebook é fechado, mas com amor e carinho as solicitações serão aceitas (apenas de mulheres e se tiverem realmente interesse em participar e contribuir com seu depoimento ou mesmo ajudando as amigas).

O post de hoje foi escrito com o maior amor do mundo. Falei de amigas que amo e deram um show. Desculpem se por algum momento rasguei um pouco de seda, mas como não fazê-lo com esta felicidade que sinto em mim? hahaha

Mil beijos
Mah