Naturalmente bonita no Dia da Mulher!

Com a aproximação do Dia Internacional da Mulher, eu me vi pensando no quão desafiador é ser mulher, para mim. Não posso falar em nome de outras pessoas, mas eu fui criada sob pressões distintas. Forças opostas me levavam a uma série de pensamentos, na maior parte das vezes, paradoxais. Eu precisava ser magra, pois as pessoas só namoravam e casavam com pessoas magras. Eu precisava ser bonita, afinal era praticamente uma obrigação moral e ética. Mas eu também precisava falar línguas, estudar, tirar boas notas no colégio, passar no vestibular, ingressar numa boa faculdade, arrumar um bom trabalho e não depender de homem nenhum (nem de marido, nem de pai). Eu precisava ser bem-sucedida, eu deveria criar uma família, não ter babá, ser boa filha e despontar na carreira, além do óbvio: ser bonita enquanto fazia tudo isso.

Nossa, quanta pressão!

Me dei conta de que eu fui criada para ser uma SUPERMULHER e acho que no meio disso fui me tornando uma SUPERBAGUNÇA.

O que eu não sabia era que eu não estava sozinha. Todas as mulheres, das mais perfeitas às imperfeitas – aos meus olhos – têm suas inseguranças, mas como somos condicionadas a não expor nossas fragilidades, muitas vezes não sabemos que sofremos todas dos mesmos pensamentos venenosos.

Não é à toa que eu vejo tanta mulher em quadro de ansiedade ao meu redor. Fomos criadas para buscar patamares inatingíveis em tudo, da beleza ao intelecto. Quanta pressão para ser uma mulher no mundo em que eu acreditava existir: magra, cabelo bem cuidado, unha feita, bom namorado, ir bem no trabalho, dividir a conta, não depender, estudar, fazer pós, ser promovida, casar, ser mãe, criar seu filho com sabedoria, levar no colégio, visitar os pais, viajar nas férias, ensinar a comer bem, não deixar assistir porcaria, ser bonita, cuidar do marido, ir pro trabalho e viver repetidamente funções acumuladas.

E quando eu teria tempo de ser eu? Quando poderia me conectar comigo e descobrir do que eu gosto? Enquanto essa pressão era uma verdade, eu me pegava ali: gostando do que me educaram para gostar, pensando o que eu considerava ser o socialmente aceito e fazendo qualquer sacrifício para alcançar esse padrão de beleza tantas vezes inatingível. Eu fiquei doente, muitas outras ainda ficam e poucas de nós conversamos sobre isso.

Com o avanço do feminismo começamos as desconstruções e, aos poucos, bem aos poucos mesmo, foi possível começar a falar daquilo que nos aprisionava. De cara ficou claro que muitas compartilhávamos das mesmas vulnerabilidades, da mesma sensação de pressão.

Alisa o cabelo daqui, faz dieta restritiva dali, coloca unha postiça, contorna o rosto, afina o nariz, exagera na maquiagem e busca parecer tão bonita quanto aquela menina que ainda passa 10 filtros de aplicativo antes de postar a foto. Faz tudo isso, malha de novo, não atrasa no trabalho, junta dinheiro, viaja e volta, tudo sem perder o emprego, tudo tendo de ser inteligente.

De novo, quanta pressão.

Aos poucos percebi que, para a sociedade na qual eu fui criada, ser bonita é mesmo importante. Não posso ser hipócrita e dizer que não me preocupo com isso, que não me preocupo com meu corpo, meu cabelo ou com o reflexo como um todo no espelho. Entretanto, eu não preciso atender ao padrão nos moldes impostos por essa sociedade adoecida, me contento com a beleza que hoje vejo por meio dos meus olhos menos rígidos, um pouco mais flexíveis.

Eu mudei, passei a cuidar de mim de forma diferente, a ver beleza onde antes não enxergava e busquei um novo olhar sobre tudo na minha vida, um ponto de vista amoroso e acolhedor. Entendi que posso estar produzida e poderosa em um dia, da mesma forma que livre e simples em outro. O cabelo poderia ser bonito secando ao vento ou modelado na escova, da mesma forma que preso em um penteado ou naturalmente solto. Claro que ele também pode ter um dia ruim e não ficar bonito de jeito nenhum, tá tudo bem. O importante é que isso não muda nada, tampouco me define. Ser mulher é muito além disso.

Adoro me sentir poderosa, afinal quem não gosta? Adoro ter um tempo para cuidar de mim, da minha pele, do meu cabelo e da minha maquiagem, mas nesse Dia Internacional da Mulher queria reiterar que não precisamos ser perfeitas. Pode ser divertido cuidar da beleza, mas não devemos transformar isso em novas prisões. Muitas vezes condicionamos a nossa felicidade a estar bonita de um jeito padronizado e esquecemos que existem os mais variados conceitos de belo. No fim, mais importante do que a estética é lembrar que a beleza é uma espécie de estado de espírito, uma energia que agente emana. Um borogodó que vem de dentro.

 

Pare e reflita. Passe um tempo com você. Olhe para dentro e você vai descobrir a mulher que você realmente quer ser, não a que esperam de você.

Verão livre de padrões de beleza

Entre as perguntas que mais recebo em minhas redes sociais estão aquelas sobre fatores que afetam a autoestima nesta época do ano. Como curtir o verão estando acima do peso? Como se jogar na praia sem make nenhuma? Como tirar férias do secador e da chapinha em dias de calor intenso? Pois bem, desde que comecei a pesquisar mais a fundo sobre autoestima feminina, especialmente na geração Instagram, me vi desafiada a enfrentar o verão de uma forma mais leve. Aliás, não só o verão, a vida toda.

Muitas vezes, nós relacionamos a nossa autoestima com o que as outras pessoas pensam da gente. Deixamos de usar certas peças de roupa por medo do que vão achar. Ficamos griladas quando saímos sem maquiagem, paranóicas achando que tá todo mundo olhando para aquela espinhazinha no nosso queixo. Nos tornamos reféns de acessórios de cabelo, pois vai que não me aceitam com meus fios naturais. Comecei a me questionar sobre quantas coisas eu estava a fim de fazer e deixava de lado por medo do que a sociedade me impõe.

Claro que não posso me julgar por isso, nem devemos nos martirizar por ter nos privado, durante um tempo, de ser quem somos de verdade. Vivemos em uma sociedade que possui padrões estampados na nossa cara o tempo inteiro. Revistas, TV, jornais e redes sociais se tornaram os maiores veículos da “vida perfeita”, que nem sempre temos acesso. Vemos cabelos sedosos impecáveis, maquiagens “naturalmente” bonitas, roupas que caem perfeitamente no tipo de corpo considerado ideal. Custamos a ver alguma representatividade de mulheres reais, com corpo real, rosto real, cabelo real, enfim. Somos bombardeadas o tempo inteiro por esse tipo de padrão e acabamos vulneráveis à queda da autoestima por meio da comparação.

Pois bem, queria propor a você um verão diferente, livre desses padrões de beleza que nos é imposto sempre. Podemos começar com um exercício de amor próprio, fazendo as pazes com o espelho refletindo a imagem do que realmente somos e usando os artifícios de moda e beleza como apenas um complemento para nos sentirmos ainda mais bonitas. Vamos sair nas ruas vestindo quem realmente somos, nossa personalidade e o que nos representa. Pois não é mudando que a gente se ama. É se amando que a gente muda. Bora entrar nesse projeto verão? Assim, todos vão notar uma versão de você muito mais feliz e renovada neste 2018!

 

Meus favoritos da Bio Extratus

Definir quais são os meus produtos favoritos da Bio Extratus foi a tarefa mais difícil que executei nos últimos tempos. Eu conheço a marca há anos. Sempre tive uma relação familiar com ela, por crescer vendo minha mãe usar o creme Silicone com Tutano em seus cachos. Hoje posso dizer que conheço a maior parte das linhas disponíveis e adoro brincar com os efeitos delas em meus fios. Por isso, fiz uma seleção de produtos que eu não vivo sem, meus favoritos do coração.

Minha linha de cabelos favorita da Bio Extratus é a Detox. Ela foi lançada em 2015 e, desde então, se tornou uma querida na minha rotina de cuidados com meus fios. O produto mais inusitado do kit é o Peeling Pré-Shampoo, que funciona como um esfoliante para o couro cabeludo, limpando profundamente sem agredir ou machucar. Eu adoro passar esse produto, uso pelo menos 1 vez por semana. Até em viagens costumo levar essa linha na versão menor, de 100ml, para não perder o ritmo.

Outra linha que ganhou meu coração foi a Força com Pimenta, que fez meu cabelo crescer o dobro do tamanho que cresceria normalmente. Dou um superdestaque para a Loção Estimulante, que aplico no couro cabeludo para ativar a circulação e acelerar o crescimento capilar. O que mais me surpreendeu foi que ela não pesa no cabelo. Dá para usar e sair por aí normalmente, sem medo de ser feliz.

Eu sempre finalizo meu cabelo de duas formas diferentes: uma quando ele está seco e outra quando está molhado. Nessa última opção, sempre opto por finalizadores em creme. Meu favorito dos últimos tempos vem sendo o Creme Silicone com Tutano, que oferece brilho e maciez para meus cabelos. Sinto que estou protegendo os fios quando uso esse creme. Amo o resultado a curto e longo prazo. Com cabelos secos, sempre opto pelo Óleo Argan e Cártamo. Ele combina propriedades naturais que deixam meus fios mais sedosos e leves, resultado que adoro. Valorizo muito esses produtos que protegem e dão brilho ao mesmo tempo.

Quando preciso de uma hidratação rápida, opto sempre pelas ampolas de tratamento que a marca oferece. Minhas favoritas são a BB Chilli, que trata e fortalece o fio, e a Resgate, que repõe a massa capilar. As escovas Michel Mercier salvaram minha vida e acabaram com a quebra do cabelo. Sempre tive dificuldade de desembaraçar sem quebrar os meus fios. A versão Pocket não sai da minha bolsa de academia e tem lugar especial no meu coração.

Para o corpo, a linha Lavanda me surpreendeu à primeira vista. Sempre uso os 4 produtos em meu dia a dia. Durante o banho, uso sempre o sabonete líquido para relaxar e suavizar minha pele. O esfoliante também é excelente para remover as células mortas e deixar a pele lisinha. O creme hidratante corporal eu aplico nas pernas logo que saio do banho. Em seguida, uso a manteiga corporal nas áreas mais ressecadas, como cotovelos e calcanhares. A sensação é única.

Ah! E não tem como terminar esse post sem falar do Propomel. Essa pomada de própolis e mel salva a minha vida. Eu tenho alergia a picadas de insetos, especialmente pernilongos. Sempre que surge alguma em minha pele, corro para aplicar Propomel em cima. Ela cicatriza e deixa o local protegido. Também gosto de usá-la para hidratar os lábios, tratar a aspereza de áreas mais ressecadas e cicatrizar espinhas.

E aí, gostaram da minha seleção de produtos favoritos da Bio Extratus?

Quais são os seus? Me contem abaixo, nos comentários!

A liberdade de entrar na água com o cabelo protegido: creme de silicone com tutano

Eu uso Bio Extratus há pelo menos uns 3 anos e nesse tempo sempre ouvi falar na famosa linha de tutano, aquela linha que vende, que tem fãs de mais de década e que supre a necessidade de muitos tipos de cabelos que precisam de uma boa hidratação, dos cacheados aos de ponta seca.

O que eu não sabia era o que o creme de tutano tinha mais a oferecer, já que ele vai além de ser parte de uma linha que muitas mulheres de cabelo cacheados amam. Ele funciona muito bem como aquele produto que você não pode deixar de levar para a praia ou piscina. Eu pude comprovar isso muito bem na minha última viagem, onde fui à piscina todo dia – e mergulhei, o que é raro já que morro de medo do cloro estragar todo o cuidado que tenho com meus fios.

Ele protege o fio da água salgada, do cloro e principalmente do sol, por conter filtro solar. Além de ser usado antes para a proteção ele também funciona perfeitamente depois que a gente sai da água, desembaraçando e deixando o cabelo secar naturalmente mais bonito, com menos frizz e com um visual mais hidratado. Além de continuar a proteger o cabelo se você vai passar o dia no sol.

Aproveitei para usar como finalizador também e assim o produto foi uma bela surpresa pra mim, meu cabelo secou mais encorpado, de uma forma bonita e sem pesar. Para contextualizar, eu tenho química no cabelo, ele tem a raiz mais para oleosa e as pontas mais secas, dito isso ele funcionou muito bem pra mim. Na verdade ele é indicado para todos os tipos de cabelo, o que torna o produto muito versátil. Basta uma das amigas ter na bolsa que todas poderão usar.

Como finalizador os principais benefícios são: deixar os cabelos mais saudáveis, mais macios e brilhantes. Por que não dizer mais bonitos, né? Tudo isso deixando o cabelo mais protegido dos agentes externos como poluição, poeira, vento e sol. Então por mais que ele seja maravilhoso pra bolsa de praia, o uso diário dele é mais do que indicado também.

Confesso que fiquei curiosa pra testar esse creme na rotina, porque nesses dias de sol, calor e piscina ele foi mais do que aprovado por mim.

 

Ah! Acho importante contar que a fórmula continua igual, com a mesma eficiência para desembaraçar, proteger os fios e revitalizar os cabelos. No entanto a embalagem está renovada, no mesmo formato, mas com rótulo diferente. Ele tem novas cores, novas imagens e novas informações, que explicam melhor os atributos maravilhosos desse produto, que tem seus motivos pra ser o queridinho de tanta gente.

Beijos,

Joana!

Uma celebração à autoestima

18 de fevereiro, sábado, um dia após meu aniversário, lá estou no aeroporto de Congonhas embarcando para o Rio. O motivo? Uma pool party; mas esperem…. não era uma festa qualquer, era uma festa do blog Futilidades! Escrito por Carla Paredes e Joana Cannabrava. O blog, por muito tempo, teve a sua linha editorial focada em moda. Sim, uma crônica ou outra pelo meio do caminho mas o slogan era “Quem disse que o fútil não pode ser útil?”

Depois de anos, as meninas sentiram necessidade de mudar, viram que o público mudou, o mundo mudou e a moda cada vez mais restringia os corpos femininos. Então, em 2017 o “Quem disse que o fútil não pode ser útil?” se tornou “Um papo sobre autoestima”. Um novo caminho, uma nova vertente, uma conversa com mulheres que, expondo ou não, possuem(possuíam) o mesmo problema: a falta de amor próprio.

Um grupo no Facebook foi criado e em menos de 3 meses já contava com mais de mil mulheres (sim, apenas mulheres), que compartilhavam seus amores, desamores, vida profissional, desabafos sobre distorção de imagem e muito mais do que você possa imaginar. A causa foi longe e se tornou esta festa linda que eu pude participar em 18 de fevereiro no hotel Grand Mercure Riocentro. O melhor da festa? Todas com roupa de banho SEM IMPORTAR O TIPO DE CORPO. Porque é isso que o grupo surgido do blog celebra: a autoestima acima de tudo! Se você está bem com o seu corpo, não importa o que as pessoas digam, você se basta!

Foram quatro horas de conversas, risadas, encontros, desabafos e muita, mas muita diversão. Eu, como amiga das meninas, fiquei tão feliz e tão realizada com este projeto que precisava escrever sobre. Eu precisava falar que me senti completamente à vontade com meu biquini (coisa que não acontece na piscina no prédio). Me senti feliz ao ver tantas mulheres se ajudando e se amando acima de tudo. Vovó sempre dizia e mamãe sempre diz: “Antes de amar qualquer pessoa você precisa se amar primeiro”E isso foi aplicado com maestria na grupo do Facebook, na pool party e é aplicado todos os dias no blog: f-utilidades.com.

Não era para celebrar Carla ou Joana, não era para celebrar uma marca específica, não era para comemorar milhões de seguidores em alguma rede social: Era para celebrar a melhora e a autoestima das mulheres ali presentes, era por uma causa, era por algo muito maior que perdurará neste novo rumo que o Futi tomou. Um encontro feito para as leitoras que viraram amigas que se fizeram um grupo de ajuda que eu tenho a honra de fazer parte.

E sabe a minha alegria? Em saber que empresas como a Bio Extratus apoiou a causa sem pensar duas vezes. “Sim, vamos ajudar! Sim, estaremos presentes neste momento de mudança com o Futilidades”. Na minha cabeça isso vai além de vender produtos, vai além de comercializar cosméticos, isso vai ao encontro da necessidade das mulheres atuais. Não queremos mais engolir forçadamente aquele padrão que a mídia nos impõe. Não queremos mais tentar, a todo custo, sermos perfeitas porque o mundo diz que aquele é o corpo ideal. São poucas, MUITO POUCAS as marcas que abraçam uma causa como esta e desta forma.

Ver as meninas testando os produtos no cabelo, usando as escovas, conhecendo tudo com sorriso nos lábios me fez feliz. Feliz porque eu também trabalho neste meio há muito tempo; e sei o quanto é difícil ajudar uma mulher dita fora do padrão a se sentir linda. E as meninas não fizeram isso com uma, mas com várias. O meu orgulho vai onde? LÁ NO CÉU!

Se quiserem ver com detalhes cada etapa, cada passo desta festa linda, só acessar o Futilidades que estará recheado de fotos, textos e muito, mas muito conteúdo para você sair de lá se sentindo a mais diva do mundo. Ou, no Instagram, use a hashtag #paposobreautoestima e #paponapiscina que você se encantará com as fotos e depoimentos. Ah! O grupo no Facebook é fechado, mas com amor e carinho as solicitações serão aceitas (apenas de mulheres e se tiverem realmente interesse em participar e contribuir com seu depoimento ou mesmo ajudando as amigas).

O post de hoje foi escrito com o maior amor do mundo. Falei de amigas que amo e deram um show. Desculpem se por algum momento rasguei um pouco de seda, mas como não fazê-lo com esta felicidade que sinto em mim? hahaha

Mil beijos
Mah