Mulher combina com cabelo curto?

Primeiro: Estava com saudades de escrever para vocês! \o/

Segundo: Mulher combina com o que ELA quiser e se sentir bem

Pronto Maraisa? Acabou o post? Mas é nunca! hahahaha. Quis abordar este assunto porque ele me pegou de duas maneiras diferentes. E hoje, sou muito bem resolvida a ponto de segurar um cabelo curto e ainda assimétrico.

Lá em 2013 eu cortei toda a química dos meus fios. Sim, fiquei com o cabelo bem curto e quando cheguei em casa chorei horrores no colo da minha mãe. Se estava tão decidida a tirar a química, se eu preferi não passar pela transição, por que eu chorava tanto com mamãe? Porque infelizmente crescemos achando que cabelos longos confere feminilidade à mulher. O balançar dos fios, o vento batendo suave tirando algumas mechas do lugar, prender o cabelo para conseguir fazer alguma atividade física, fazer inúmeros penteados… Quantas vezes vocês já não ouviram noivas dizerem “Estou deixando o cabelo crescer para o penteado do casamento.”? INÚMERAS!

Pois eu entrei nesta neura e não conseguia me sentir feminina, desejada, bonita, atraente. Parece que o meu cabelo tinha retirado toda a força feminina que habitava em mim até então.

O tempo passou, meu cabelo foi crescendo e eu cresci junto. Aprendi a cuidar, entendi o que ele precisava, como gostava de ser tratado e aí passei para as tinturas. Descolori, pintei de diversas cores e quando estava azul, em maio de 2017, tive um problema de saúde. Fiquei internada uma semana por conta dos rins, coloquei catéter, fiquei 20 dias com ele, voltei ao hospital para tirar e AAAAAH CHEGA! Não quero mais este cabelo azul! Vivi momentos negativamente intensos com ele e quero mudar.

Foi aí que eu quis cortar. Mas não era cortar as pontas, era MUDAR DE VEZ! Pode cortar com vontade e ainda fazer um corte assimétrico! Porque o meu desejo era uma transformação exterior assim como aconteceu interiormente. Senti necessário. E nisso eu cortei com gosto e lá vou eu com os fios curtos e nuca à mostra.

 

 

Agora vamos para a diferença: EU ME SENTI EXTREMAMENTE FELIZ! Olhei no espelho e estava sexy, confiante, linda, com cor nova, corte completamente diferente do normal e com uma força absurda. Eu ria tanto, mas tanto que lembrei lá de 2013 quando chorava copiosamente no colo de mamãe.

O que mudou Maraisa? Hoje eu sei que um cabelo não me define. O que vai definir quem é Maraisa Fidelis é, além da minha bagagem cultural, meus valores, minhas crenças e o meu posicionamento perante os acontecimentos. Minha certeza de que meus fios curtos não tiraram em nenhum momento meu poder, quiçá a minha feminilidade.

 

 

Quatro anos se passaram, agradeço por esta evolução, agradeço por conseguir enxergar que o belo está nas pequenas coisas e que cabelo, é apenas cabelo. Entretanto, a única coisa que não abro mão é cuidar feito doida! hahaha

Beijos

Transição Capilar, Minha História e a Nossa Revolução.

Olá! Meu nome é Fernanda, mas pode me chamar de Nanda Cury. Sou paulistana, tenho 35 anos, e é com muita alegria que faço esse primeiro post aqui no blog Naturalmente Bonita, para me apresentar a vocês e iniciar a minha coluna sobre beleza consciente e vegana. Estou super feliz com esse espaço e em compor o time, a convite da Bio Extratus.  

Hoje, vou contar um pouco da minha trajetória e sobre como parar de alisar o cabelo e aceitar a minha textura naturalmente crespa e cacheada foi o início de mudanças profundas na minha vida e que hoje dizem muito sobre a pessoa que me tornei. Assumir o cabelo natural, numa época em que todo mundo alisava, me fortaleceu profundamente e foi essencial para a construção da minha da minha autoestima e identidade.

Há dez anos, auge da progressiva, tratamento para cabelos crespos era sinônimo de alisar. Nas prateleiras das lojas de cosméticos não havia produtos para hidratar, nutrir e definir os cabelos crespos e cacheados, faltavam informações, profissionais especializados e representatividade. Mulheres crespas e cacheadas estampando capas de revistas era algo inimaginável e, nem mesmo as publicações focadas em cabelos traziam matérias e dicas para crespos. Se hoje a decisão de passar pela transição capilar é difícil, imaginem no século passado, antes da democratização do acesso à internet e do advento das redes sociais! A gente procurava referências simples como cortes de cabelo nessas revistas dos salões de beleza e era frustrante constatar que não havia sequer um corte para cabelo crespo em meio a todo aquele acervo de imagens. Até mesmo as embalagens dos poucos produtos destinados a cachos, traziam sempre uma modelo loira, de olhos azuis e com cachos feitos com babyliss no rótulo. Eu não conseguia me identificar com nenhum produto por conta disso, não me via representada e sentia que eles não eram feitos para mim.

Passei vinte e seis anos usando o cabelo preso e escondido em rabos de cavalo, tranças e coques. Na família e na escola, eu era a única diferente, com o cabelo crespo “armado”. Minha mãe e irmã tem o cabelo liso e eu sentia que era uma tremenda injustiça ser a única a puxar o cabelo da família do meu pai.

Na infância, foram dias de choro e frustração com “o cabelo ruim, que não tinha jeito”, que era o que eu ouvia na escola. Minha mãe fazia de tudo para cuidar e hidratar os meus cachos, carinhosamente chamados de “juba”. Ela recorreu a todos os recursos disponíveis na época: banho de creme com vitaminas semanal e trinta minutos com touca térmica, hidratação com ingredientes naturais, como abacate, mel, ovo, maizena, vinagre de maçã e azeite são alguns dos ingredientes naturais que me lembro que eram usados para manter os fios mais saudáveis. No entanto, tudo o que eu queria era ter o cabelo liso e comprido, como o das minhas bonecas Barbie:

Quando lançaram o primeiro spray desembaraçante, usei o pote de produto inteiro em um único dia. Meu cabelo parecia um deserto de tão ressecado e embaraçava muito. No dia-a-dia, antes de ir para a escola, eu molhava o cabelo na água fria antes de sair de casa e ao longo do dia. Além disso, passava bastante creme para “baixar o volume” e conseguir o efeito que hoje chamamos de “ativação de cachos”. Como os produtos não eram adequados para essa função (eu misturava máscara de hidratação com gel que prometia “brilho molhado”) e eu exagerava na quantidade, os cremes escorriam na camiseta do uniforme, além de acumularem nos fios, impedindo meu cabelo de respirar. Hoje sei que essa foi a realidade de muitas meninas crespas e cacheadas naquela época e que ser crespa ou cacheada nos anos 80 e 90 era um desafio diário!

Passei a adolescência com o cabelo preso, era super insegura, não me achava bonita e nem tinha autoestima. Quando comecei a trabalhar e ganhar o meu próprio dinheiro, gastava de quatro a cinco horas semanais no salão de beleza, alisando os fios com escova e chapinha e fazendo os melhores tratamentos para o cabelo. Afinal, diante de tantas horas de exposição térmica, se eu não protegesse os fios, a escova não durava e as pontas do cabelo ficavam espigadas. Lembro que chamava os fios mais curtos de “rebeldes” e passava bastante silicone e outros produtos que prometiam “controlar o frizz”.

Ao longo da semana, eu evitava sol, piscina, chuva, vento, sair para dançar ou realizar qualquer atividade que fizesse o meu cabelo enrolar. Ir à praia nem pensar, já que a umidade era a minha maior inimiga. Sei que para a maioria das pessoas que tem cabelo liso isso parece loucura e um grande exagero, mas acreditem, manter o cabelo alisado dá mais trabalho do que cuidar do crespo ou cacheado. Isso sem contar o tanto de dinheiro que a gente gastava!

Já na faculdade, dois episódios de viagem foram bem marcantes. Em um deles, na minha primeira vez fora do Brasil (viajei para a Inglaterra), eu passei dez dias sem lavar o cabelo, porque não tinha encontrado um salão confiável para fazer escova. Esse tipo de serviço costuma ser caríssimo lá fora e não é qualquer profissional que consegue fazer uma escova tão caprichada quanto a que eu estava acostumada aqui no Brasil.

Resolvi que eu mesma iria escovar, com o secador e chapinha que uma amiga gringa emprestou. Eu sabia que tinha muito cabelo e que seria trabalhoso, mas levei quase SEIS horas no processo todo. Isso porque o secador da minha amiga pifou no meio. Acreditam que eu até rezei para ele voltar a funcionar?! (graças a Deus funcionou! rs) Imaginem a cena: você escovou a metade do cabelo e a outra metade ficou crespa.. Nem preciso dizer que entrei em pânico, né?

Outra situação bem marcante foi quando finalmente aceitei o convite para viajar com uma amiga para a praia e ela me fez enxergar que todo esse esforço para manter o cabelo alisado tinha me tornado uma pessoa neurótica. Graças a insistência dela, entrei no mar e molhei o cabelo. Foi uma sensação maravilhosa sentir a água do mar, depois de tantos anos, mas depois veio a insegurança de saber que eu teria de passar o final de semana com o meu cabelo natural, sendo que nem sequer havia levado shampoo, condicionador, leave-in ou secador, afinal eu só lavava o cabelo no salão. Sobrevivi à experiência e acreditem, me diverti mais do que me preocupei e esse foi o primeiro passo para eu me libertar da obrigação de alisar o cabelo para me sentir feliz com a minha aparência.

Em 2008, eu já estava há anos sem relaxamento, escova e chapinha, mas apesar de estar com o cabelo natural, ainda usava sempre preso, pois o volume me incomodava muito. Um dia, fui a um salão, sem planejar muito, e pedi para cortar curto. Dei a sorte de encontrar um cabeleireiro que tinha o cabelo igual ao meu e , pela primeira vez na vida, fiquei satisfeita com o corte. Ao ver o meu cabelo curto, natural e super volumoso fiquei radiante! Me reconheci ao ver a imagem refletida no espelho, me senti maravilhosa e foi como se, a partir daquele momento, toda a experiência negativa associada ao meu cabelo tivesse ido embora com o corte. Eu estava livre! Apesar de eu não ter mais química do relaxamento, hoje considero que aquele dia fiz o meu big chop.

Mesmo estando super satisfeita com a minha aparência, entendi, por meio dos olhares e comentários das pessoas que o meu cabelo era totalmente fora do padrão, já que naquela época, auge da progressiva, as pessoas não estavam acostumadas a ver cabelos como o meu. Sem querer, acabei me tornando uma referência em cabelos crespos, passei a pesquisar e testar produtos e aprendi a estilizar e a criar penteados. Eu era parada na rua, por colegas de trabalho e pessoas que queriam tocar o meu cabelo e perguntavam como eu tive coragem de assumir o cabelo crespo. Também gerava confusão nas pessoas eu ser branca e ter o cabelo tão crespo!

Quando digo que meu cabelo é crespo e que ele não definia sem ativador de cachos, é assim que ele ficava:

Eu estava confusa e intrigada com tanta comoção sobre um simples cabelo e curiosa por todas as reflexões que surgiram a partir do momento em que decidi me aceitar como sou. Foi aí que entendi que não havia representatividade dos cabelos crespos e cacheados na mídia e nem na indústria de cosméticos. As poucas matérias sobre cabelos crespos nas revistas eram sempre negativas “Como domar o seu cabelo crespo e sem vida”, “Como acabar com o frizz”, elas nunca exaltavam a beleza do cabelo natural e sempre colocavam o cabelo crespo um problema que precisava ser resolvido.

A partir dessa constatação, resolvi criar a minha própria narrativa de beleza, para fortalecer e inspirar outras mulheres a se libertarem da obrigação de alisarem os cabelos para se sentirem bonitas. Foi assim que, em 2008, surgiu o Blog das Cabeludas. Comecei a fotografar e entrevistar as poucas mulheres que via na rua, com o cabelo natural. Percebi que todas tinham uma história de aceitação e resistência muito parecida e haviam percorrido um longo caminho até se aceitarem. Minha intenção inicial era publicar aquelas fotos e histórias para que outras mulheres pudessem se reconhecer e se inspirar, criando uma rede de empoderamento.

Ao longo dos anos, o Blog das Cabeludas foi acessado por milhares de mulheres, muitas dizem que amaram ver as suas fotos e histórias publicadas, outras nos contam que o Blog foi fundamental para elas assumirem o cabelo natural. Conforme eu imaginava em 2008, cada mulher que assume o seu cabelo, fortalece todas as outras a sua volta. Em 2015, fizemos a primeira Marcha do Orgulho Crespo, em São Paulo, um movimento que reverberou por todo o país. Mas sobre a Marcha eu conto mais no próximo post.

Aceitar e a amar o meu cabelo foi uma micro revolução e o primeiro passo para construir a minha autoestima. Hoje, fico feliz em ver que nós, crespas e cacheadas, estamos unidas, pautando as revistas, estamos na mídia, somos vistas pela indústria de cosméticos e não aceitamos discriminação. Esta revolução não é mais minha, é do mundo, é linda e crespa!

Por trás de cada cabelo crespo e cacheado há uma história de resistência. Qual é a sua? Compartilhe com a gente, aqui nos comentários!

Gratidão a todas que leram até o fim este longo post e a Bio Extratus pelo espaço!

Beijos, e até o próximo post.

Transição capilar: fases e resultados

Você já deve ter ouvido falar na famosa ~transição capilar~. Depois de um longo período em alta, a onda de alisamentos, progressivas e botox causou muitos danos aos cabelos das mulheres adeptas da química. Agora, finalmente, o volume, a textura e principalmente os cachos estão de volta (\o/). O que vale é assumir os fios naturais, sem deixar de lado o estilo, a beleza e os cuidados com o cabelo.

shutterstock_345372260

Mas você sabe o que é transição capilar, como ela funciona nos fios e como você pode começar a fazer no seu cabelo? A gente vai te explicar tudinho e ainda vamos dar dicas ótimas para você que quer assumir os seus cachos.

1- Transição o quê?

A transição capilar é o processo de recuperação da estrutura natural do fio após algum processo químico. Ou seja, é o momento que você dá “tchau” para a química até o seu cabelo crescer totalmente e voltar ao natural.

2- Quero fazer a transição. Por onde começo?

Antes de começar a fazer a sua transição capilar, você precisa saber que não vai ser fácil. É preciso muita paciência, determinação e coragem. É fácil desistir da química enquanto o cabelo ainda está liso e “bonito”, difícil é quando os fios começam a crescer naturalmente e ficam com texturas diferentes. Mas, para aguentar o processo ~firme e forte~, a dica é pensar em como os seus cachos vão ficar lindos, bem cuidados e super cheios de estilo.

3- Preciso cortar o cabelo?

O tempo necessário para fazer a transição capilar varia muito de pessoa para pessoa, tudo depende da química que você costumava usar e do ritmo de crescimento dos seus fios. E sim, passar a tesoura é necessário, mas fica tranquila você tem duas opções: fazer o Big Chop ou cortar aos poucos.

shutterstock_108669623

Algumas meninas levam poucos meses para restaurar a naturalidade dos fios, isso porque elas acabam optando por cortar toda a química de uma vez com o Big Chop, que significa ~grande corte~, em português. Outras preferem ir cortando as pontas aos poucos, a medida que a raiz vai crescendo.

4- Como cuidar do cabelo durante o processo da transição capilar?

Meninas, a transição capilar é um processo trabalhoso, que requer cuidado, dedicação e muito carinho. Nesse período, é super importante tratar os fios e seguir um cronograma capilar. Os objetivos devem ser sempre: nutrição, reconstrução e hidratação. A hidratação deve ser feita mais vezes que a nutrição que deve ser feita mais do que a reconstrução.

5- Voltei a ser cacheada. E agora?

Pronto! Finalmente os seus cachos cresceram. \o/

Mas o cuidado com o cabelo não acaba aqui. Para deixar ele sempre maravilhoso e bem cuidado, a gente tem uma dica de ouro para te dar: a linha Botica Cachos.

shutterstock_362921750

A linha é super completa e vai oferecer tudo para você ter um cabelo cacheado incrível. Tem shampoo sem sulfato, condicionador pra Co-Wash, máscara de tratamento, finalizador e gelatina. Todos esses produtos são livres de sulfatos, parabenos, óleo mineral, parafinas, silicones insolúveis, corantes e derivados de animais. Ou seja, é perfeito para você continuar tratando o seu cabelo.

E aí, gostou das dicas? O processo de transição capilar é trabalhoso e nem sempre é fácil, mas os resultados são maravilhosos. <3

Mas, se você ficou inspirada com esse post e agora quer assumir os seus cachos, a gente só tem uma coisa a te dizer: vai fundo, menina! Você vai descobrir que é ainda mais linda com a sua beleza natural ressaltada.

Beijos! :*