Clube das Cabeludas, episódio 3: transição capilar e big chop da Fran

A Fran é enfermeira e passou todo tipo de química no cabelo desde criança. Começou com relaxamento, depois alisantes, mechas, luzes, até que quase ficou careca! Depois de deixar a raiz do cabelo crescer naturalmente por oito meses, ela resolveu fazer o big chop e assumir o crespo, que hoje considera parte essencial da sua identidade.

 

Antes do big chop, o cabelo foi lavado com os produtos da linha Botica Cachos e o corte foi feito com o cabelo molhado.

 

O vídeo completo do epísódio da Fran:

Lembrando que você pode concorrer a um big chop e ser uma das estrelas da série! Compartilhe uma foto que mostre a dupla textura do seu cabelo e a história da sua transição, usando a hashtag: #ClubeDasCabeludas. 

As melhores histórias, de qualquer lugar do Brasil, vão receber produtos Bio Extratus e uma delas vai ganhar uma viagem a São Paulo para fazer o big chop e gravar um vídeo da nossa série!

Serão consideradas as postagens públicas, até o dia 1º de dezembro de 2017.

Comente aqui e participe!

 

Clube das Cabeludas, episódio 2: transição capilar e big chop de mãe e filha

Após passar por quimioterapia e ter ficado careca duas vezes, a Luciana recorreu à progressiva na tentativa de lidar com a indefinição do cabelo depois do tratamento. O que ela não sabia é que a química da progressiva teria consequências ruins para a sua saúde. Quando o cabelo voltou a crescer natural, ela decidiu fazer o big chop com o Clube das Cabeludas, junto com a sua filha Milany, de oito anos, que queria aderir ao cabelo bem crespo e volumoso. O resultado foi emocionante!

 

Confira o vídeo completo da transformação da Luciana e da Milany:

 

Se você também está passando pela transição capilar e quer concorrer a um big chop, compartilhe uma foto que mostre a dupla textura do seu cabelo e a história da sua transição, usando a nossa hashtag: #ClubeDasCabeludas. 

As melhores histórias, de qualquer lugar do Brasil, vão receber produtos Bio Extratus e uma delas vai ganhar uma viagem a São Paulo para fazer o big chop e gravar um vídeo da nossa série!

Serão consideradas as postagens públicas (não temos como visualizar os perfis fechados), até o dia 1º de dezembro de 2017.

Comente aqui e participe!

Clube das Cabeludas, episódio 1: transição capilar e big chop da Jéssica de Sá

A Jéssica foi a escolhida para inaugurar nossa série. Ela começou a alisar o cabelo aos nove anos de idade e nem se lembrava mais qual era a textura natural dos seus fios! O processo de transição levou cerca de onze meses, em que ela recorreu a recursos como tranças e turbantes para arrumar os cabelos e disfarçar as diferentes texturas.

 

Charles Motta, nosso cabeleireiro convidado da série, fazendo o big chop da Jéssica:

 

A felicidade da Jéssica, após o big chop!

 

Além do corte de cabelo, a Jéssica ganhou de presente um kit completo com os produtos da linha Botica Cachos da Bio Extratus, que é vegana, indicada para cabelos crespos e cacheados, e liberada para Low e No Poo!

 

O vídeo completo da transformação:

 

Você também pode ganhar um big chop e aparecer aqui! Compartilhe uma foto que mostre a dupla textura do seu cabelo e conte a história da sua transição, usando a hashtag: #ClubeDasCabeludas.

As melhores histórias, de qualquer lugar do Brasil, vão receber produtos Bio Extratus e uma delas vai ganhar uma viagem a São Paulo para fazer o big chop e gravar um vídeo da nossa série!

Serão consideradas as postagens públicas, até o dia 1º de dezembro de 2017.

Comente aqui e participe!

Clube das Cabeludas – a série sobre transição capilar

Recentemente, o Google compartilhou uma pesquisa chamada a Revolução dos Cachos, que mostra que, nos últimos anos, houve um aumento significativo nas buscas dos termos “cabelos cacheados” e “crespos”. Houve também aumento de buscas por “transição capilar” (processo de deixar o cabelo natural crespo, cacheado ou ondulado crescer livre de alisamento) e “big chop” (corte de cabelo para remover a parte com química do alisamento).

 

Quando decidem parar de alisar o cabelo quimicamente, muitas mulheres relatam que se sentem frustradas, feias e com dificuldades de lidar com a dupla textura capilar – a raiz crespa e as pontas alisadas. Ainda que as pontas dos fios estejam danificadas, existe um apego ao comprimento dos cabelos e a resistência em cortá-los curtos. Isso pode tornar o processo de aceitação do cabelo natural mais lento, já que a maioria das mulheres prefere esperar o cabelo crescer para só então cortar as pontas lisas.

Pensando que a transição capilar está profundamente associada ao fortalecimento da identidade e da autoestima, o Blog das Cabeludas, em parceria com a linha Botica Cachos da Bio Extratus, criou a web série “Clube das Cabeludas”, para abordamos esse assunto de forma direta e inspiradora. O cabeleireiro Charles Motta, expert em cacheados, crespos e transformações, foi o nosso convidado em todos os episódios. A linha Botica Cachos foi a escolhida devido a sua tecnologia e alta performance, tanto para cabelos crespos e cacheados quanto para cabelos em transição, já que proporciona o efeito de reconstrução dos fios e de ativação de cachos.

Nosso objetivo com os vídeos é incentivar mais mulheres a passarem pela transição e aderirem ao big chop com leveza, mostrando que cortar o cabelo pode proporcionar um encontro incrível com a melhor versão delas mesmas.

 

Ao todo, gravamos 8 episódios em que procuramos mostrar mulheres de diferentes faixas etárias, texturas capilares e tons de pele, para que mais pessoas possam se identificar e se reconhecer em cada história.

Para encontrar as modelos, fizemos um post nas redes sociais do Blog das Cabeludas, convidando mulheres em transição a postarem uma foto para mostrar as duas texturas do cabelo (raízes crespas e pontas alisadas) e a responderem porque suas histórias poderiam inspirar outras mulheres. Nas próximas semanas, sempre às sextas-feiras, vamos publicar aqui as histórias dessas mulheres, recheadas de fotos inspiradoras.

 

Se você também está passando pela transição capilar e quer concorrer a um big chop, compartilhe uma foto que mostre a dupla textura do seu cabelo e a história da sua transição, usando a nossa hashtag: #ClubeDasCabeludas. 

As melhores histórias, de qualquer lugar do Brasil, vão receber produtos Bio Extratus e uma delas vai ganhar uma viagem a São Paulo para fazer o big chop e gravar um vídeo da nossa série!

Serão consideradas as postagens públicas (não temos como visualizar os perfis fechados), até o dia 1º de dezembro de 2017.

Comente aqui e participe!

 

Mulher combina com cabelo curto?

Primeiro: Estava com saudades de escrever para vocês! \o/

Segundo: Mulher combina com o que ELA quiser e se sentir bem

Pronto Maraisa? Acabou o post? Mas é nunca! hahahaha. Quis abordar este assunto porque ele me pegou de duas maneiras diferentes. E hoje, sou muito bem resolvida a ponto de segurar um cabelo curto e ainda assimétrico.

Lá em 2013 eu cortei toda a química dos meus fios. Sim, fiquei com o cabelo bem curto e quando cheguei em casa chorei horrores no colo da minha mãe. Se estava tão decidida a tirar a química, se eu preferi não passar pela transição, por que eu chorava tanto com mamãe? Porque infelizmente crescemos achando que cabelos longos confere feminilidade à mulher. O balançar dos fios, o vento batendo suave tirando algumas mechas do lugar, prender o cabelo para conseguir fazer alguma atividade física, fazer inúmeros penteados… Quantas vezes vocês já não ouviram noivas dizerem “Estou deixando o cabelo crescer para o penteado do casamento.”? INÚMERAS!

Pois eu entrei nesta neura e não conseguia me sentir feminina, desejada, bonita, atraente. Parece que o meu cabelo tinha retirado toda a força feminina que habitava em mim até então.

O tempo passou, meu cabelo foi crescendo e eu cresci junto. Aprendi a cuidar, entendi o que ele precisava, como gostava de ser tratado e aí passei para as tinturas. Descolori, pintei de diversas cores e quando estava azul, em maio de 2017, tive um problema de saúde. Fiquei internada uma semana por conta dos rins, coloquei catéter, fiquei 20 dias com ele, voltei ao hospital para tirar e AAAAAH CHEGA! Não quero mais este cabelo azul! Vivi momentos negativamente intensos com ele e quero mudar.

Foi aí que eu quis cortar. Mas não era cortar as pontas, era MUDAR DE VEZ! Pode cortar com vontade e ainda fazer um corte assimétrico! Porque o meu desejo era uma transformação exterior assim como aconteceu interiormente. Senti necessário. E nisso eu cortei com gosto e lá vou eu com os fios curtos e nuca à mostra.

 

 

Agora vamos para a diferença: EU ME SENTI EXTREMAMENTE FELIZ! Olhei no espelho e estava sexy, confiante, linda, com cor nova, corte completamente diferente do normal e com uma força absurda. Eu ria tanto, mas tanto que lembrei lá de 2013 quando chorava copiosamente no colo de mamãe.

O que mudou Maraisa? Hoje eu sei que um cabelo não me define. O que vai definir quem é Maraisa Fidelis é, além da minha bagagem cultural, meus valores, minhas crenças e o meu posicionamento perante os acontecimentos. Minha certeza de que meus fios curtos não tiraram em nenhum momento meu poder, quiçá a minha feminilidade.

 

 

Quatro anos se passaram, agradeço por esta evolução, agradeço por conseguir enxergar que o belo está nas pequenas coisas e que cabelo, é apenas cabelo. Entretanto, a única coisa que não abro mão é cuidar feito doida! hahaha

Beijos