Não pode faltar no kit de sobrevivência de uma viagem? Propomel!

Em maio eu embarquei com a Bio Extratus para o Pantanal e durante essa experiência incrível aconteceu um imprevisto não tão imprevisível assim: tive uma reação de coceira às mordidas de mosquito. Todo dia no fim da tarde eu morria de coceira na perna.

 

 

 Nessa hora você pensa: Joana, você não levou repelente? Sim, eu levei o spray e usei roupas de manga comprida justamente por causa dos mosquitos. Só descobri depois que em alguns lugares do mundo a gente deve passar um creme, por a roupa e passar por cima da roupa o spray. Ou seja? Por mais cuidado que eu tenha tomado, fui devorada pelos mosquitos.

 

Precisei tomar meu antialérgico mas a sensação era de desespero: EU PRECISAVA coçar as mordidas. Nisso minha pele começou a inchar e a machucar. Nessa hora uma amiga me lembrou que eu tinha Propomel, esse produto super versátil da Bio Extratus que eu uso em áreas muito ressecadas, espinhas inflamadas, calcanhar, cotovelo e tudo quanto é canto que precisa de uma SUPER hidratação.

 

Como o própolis tem uma ação anti-inflamatória eu uso sempre que tenho uma espinha inflamada, claro que não substituo nenhum remédio importante, mas faço uso desse produto sempre que minha pele precisa de uma solução prática, rápida e eficaz.

 

Foi assim que combati a reação tomando antialérgico e cuidando das feridas com PROPOMEL. No fim minha perna não ficou com NENHUMA marca do ataque eu sofri e eu aprendi uma lição para a vida: Propomel é um produto tão versátil que não dá para embarcar em viagens sem ele. Em agosto eu vou para um deserto e não tem a MENOR chance de eu viajar sem ele.

 

 

Então vou compartilhar essa dica com vocês, se você já usa esse produto pra mil e uma utilidades, não deixe ele de fora da sua nécessaire de viagem. Securas, coceiras ou incômodos podem atrapalhar a forma como a gente se sente numa experiência que é para ser única, feliz e marcante.

 

 

A beleza que eu enxergo no dia dos namorados.

Acho que o Naturalmente Bonita alcança mulheres dos mais variados status, da solteira a casada, da que namora ou apenas está saindo com alguém. A verdade é que não importa muito qual é o momento do seu relacionamento, se ele é um relacionamento sério com ou outro ou se você está sozinha, o que realmente importa é estar num relacionamento sério consigo.

 

Pode parecer clichê, mas a maior verdade é que para estar num relacionamento sadio com outra pessoa precisamos estar num relacionamento sadio com a gente mesma. Para isso cuidar da nossa saúde física, mental e emocional é muito importante. Se sentir bem na própria pele é um passo enorme na direção de nos sentirmos seguras, plenas, completas.

 

 

Acredito que se sentir naturalmente bonita tem uma enorme parcela nisso, independente de ser só para nós mesmas ou para encantar a quem a gente gosta. Se amar e amar o outro tem muito mais a ver do que a gente pensa, acredito plenamente que a gente só ama o outro de verdade quando encontra um jeitinho de amar a gente mesma, seja nosso caráter, olhar, seja aquele detalhe da nossa personalidade ou do nosso corpo. Um olhar generoso e amigo para com a gente mesma pode fazer uma diferença enorme nessa sensação de gostar de si.

 

Eu poderia falar de uma roupa linda para você passar o dia dos namorados, ou mesmo contar sobre alguns dos maravilhosos produtos de cabelo sobre os quais falamos aqui, mas a verdade é uma só: nenhum produto, maquiagem ou cabelo vai substituir o melhor acessório que você pode usar: O AMOR PRÓPRIO

 

Todo o universo de beleza pode – e deve – nos ajudar na sensação de segurança e auto confiança, mas só nós mesmas temos o poder de nos sentirmos naturalmente bonitas. Então, nesse dia 12 de junho, vamos apostar no melhor segredo de beleza que eu já vi ser usado: olhar pra si com o mesmo amor, compreensão e carinho, os mesmos que usamos para olhar pra quem a gente gosta.

 

Seja lá como você vá passar seu dia dos namorados, garanta que você vai passar num relacionamento sério consigo mesma, isso vai fazer a maior diferença. A melhor luz é a que vem de dentro, a gente percebe ela numa foto, num olhar ou mesmo na reação da outra pessoa, então que a gente se preencha de luz e se curta mais. Que esse namoro com a gente mesma não acabe nunca, porque não conheço segredo de sucesso maior do que esse.

A mulher que eu gostaria de ser

 

Por mais que as redes sociais deem a entender o contrário, eu estou em uma fase de limbo. Morando em outro país, com uma criança pequena em casa que a cada dia demanda mais da minha atenção, eu tive que suspender boa parte do meu trabalho para dar conta de tudo dentro de casa. Não saio tanto quanto eu gostaria porque tem dias que só de pensar de sair sozinha com uma criança que já tem muita vontade própria já me deixa exausta. Ir ao cinema virou um programa bem caro porque temos que pagar uma babysitter. Livros que antes eu lia em uma semana, hoje eu leio em 3 meses porque chega fim do dia, eu estou cansada e só quero banho e cama, no máximo um episódio de alguma série. Faz algumas semanas que eu não faço minhas unhas (estou aprendendo a fazer em casa, mas ainda sai um verdadeiro desastre). Sö cuido dos cabelos porque posso dizer “Amém, Bio Extratus”.

 

Não me arrependo das escolhas que fiz em momento nenhum, mas volta e meia me pego tentando suprimir sentimentos estranhos, que me fazem pensar que a vida de todo mundo está fluindo enquanto a minha está parada. E diria que as redes sociais são parcialmente responsáveis por esses pensamentos. Eu vejo meu feed do instagram e acompanho a blogueira que está viajando para todos os lugares do mundo, a amiga que virou médica postando como está realizada fazendo plantão, a conhecida advogada que saiu do trabalho para um happy hour e está lá, postando feliz. Vejo a mulher que eu acho linda que é mãe integral de 3 filhos pequenos e está sempre perfeita posando para as fotos. E por um momento eu fico pensando que eu não estou conseguindo ser a mulher que eu gostaria de ser.

 

Mas aí paro pra pensar: que mulher é essa? Eu queria ser médica? Não, para a decepção do meu pai eu nunca tive dom para essa profissão. Happy Hour com roupa de escritório? Mas eu não gosto de trabalhar em escritórios – por isso o blog me satisfaz tanto e sempre amei trabalhar freelance fazendo meus horários. Eu também nunca conseguiria ser o tipo de blogueira que não para nunca em casa, pois nesse sentido eu sou super canceriana. Amo viajar, mas depois de um tempo amo mais voltar pra casa. Lar doce lar sempre. E sobre a vida da mãe perfeita, bem…eu também só posto os meus momentos mais arrumados e bonitos, então imagino que quem veja de fora também pense que eu sou a mãe perfeita, não é mesmo? Uma foto que mostra um bebê brincando em um ambiente imaculado provavelmente acontece porque o entorno está uma zona. hehe

 

Aí eu volto para a minha vida, vejo meu filho brincando e percebo o privilégio que é poder acompanhar essa primeira fase da vida dele tão de perto, sem depender de creches ou babás. Olho para a minha casa e percebo que ela está desarrumada mas é aconchegante, em um bairro incrível e uma vista de tirar o fôlego. Vejo a programação cultural da cidade em que moro e noto como ela é intensa e cheia de novidades. Depois venho para o computador e percebo que tenho meu trabalho, meus amigos e que está tudo onde deveria estar. E por fim, olho para o espelho e feliz, volto ao normal e percebo que eu já sou a mulher que eu gostaria de ser. <3

Um banho relaxante com lavanda      

 

Eu sou um pouco metódica com produtos de beleza. Se na embalagem diz para usar de tal forma, eu costumo seguir à risca e dificilmente eu uso de outro jeito. Vai que dá errado? Sei lá.

 

Dito isso, desde que eu conheci o sal esfoliante Botica Lavanda da Bio Extratus, eu venho usando religiosamente da mesma forma. Entro no banho e com a pele úmida, aplico o sal com movimentos regulares, relaxo e depois tiro (se bobear falei a mesma coisa que está escrito no produto, como eu disse, acabo decorando rsrs).

 

 

Outro dia eu estava acabada. Arthur, meu filho, estava especialmente espevitado subindo em tudo, correndo, caindo, jogando coisas pro alto, pegando a comida do cachorro e espalhando pelo chão, abrindo portas, jogando prato de comida no chão, fruta pelo teto, enfim. Foi meio pesadelo. rs

 

Terminei o dia parecendo uma maluca, suada, cabelos desgrenhados e provavelmente sujos de comida e tava precisando mais do que nunca de algo extremamente relaxante. Olhei pro sal, ele olhou pra mim e eu pensei comigo mesma: quer saber? Vou tomar banho de banheira e usar como sal de banho. O máximo que poderia acontecer era não dar certo, mas imaginei que o cheirinho de lavanda que ficaria no ar seria relaxante e agradável o suficiente para eu sair renovada.

 

Preparei a banheira, acendi vela, peguei meu som, botei uma playlist calminha – sim, bem coisa de filme mesmo – peguei o sal esfoliante e entrei. Joguei depois que eu já estava lá dentro, passei no corpo (já que é pra esfoliar, vamos usar, né?) e resolvi relaxar.

 

 

O cheiro da lavanda subiu e o efeito calmante foi imediato. Antes de tirar a água joguei mais um pouco de sal no corpo para dar uma hidratada, já que por causa da Oliva e do Hydromanil (hidratante que mantém a umidade natural da pele de forma duradoura), além de esfoliante, o Botica Lavanda também deixa a pele macia e super cheirosa.

 

Resultado? Valeu super a pena mudar a ordem do jogo e testar uma forma nova de usar um produto que eu já conheço há tanto tempo! Mas quem não tiver banheira, não tem problema, usá-lo durante o banho é tão gostoso quanto!

Existe muito amor próprio em São Paulo

Esses dias a hashtag do papo sobre autoestima completou 1.000 publicações. Muitas histórias minhas, da Carla, das nossas amigas influenciadoras e das seguidoras do futilidades ilustraram essa coleção de fotos, cada legenda e cada imagem mexeu comigo. Tudo isso aconteceu quando Abril acabou, um mês em que pude viver experiências diferentes com esse projeto que fala sobre se conhecer, se admirar como ser humano e de se sentir naturalmente bonita.

Nesse mês embarquei para São Paulo duas vezes, as duas incluíam novos desafios de trabalho e isso mexe com a autoestima profissional de qualquer mulher, mexeu com a minha também. Senti um carrossel de emoções de ansiedade, insegurança, alegria e realização. Foi desafiador e mágico ao mesmo tempo, fez com que eu me sentisse naturalmente poderosa ao ver tudo que se concretizou nessa cidade que não é a minha.

Em abril a Bio Extratus me levou para dar uma palestra falando do #paposobreautoestima na Hair Brasil e eu tive o prazer de dividir os holofotes com a Karen Porfiro. Juntas falamos de cabelo, autoestima e sobre se sentir bonita e poderosa. Sobre quebrar paradigmas e expressar através das nossas personalidades e nossos cabelos quem nós realmente somos.

Não foi fácil falar em público, ainda mais para um público novo pra mim, mas me motivou a acreditar que posso aprender muito ainda, posso fazer muitas coisas diferentes na minha carreira e dar uma palestra pela primeira vez foi só mais uma dessas coisas que a marca me proporcionou. Não foi fácil, mas foi muito especial ver que existe tanto para se falar sobre esse assunto. Nossos cabelos nos ajudam a sermos quem quisermos ser.

 

 

Uma semana depois, ainda em abril, embarquei novamente para São Paulo, dessa vez para viver a experiência do Piquenique do #paposobreautoestima. O tempo estava feio, fazia em torno de 15ºC no Ibirapuera e nosso encontro de mulheres não se abalou. O calor dos corações e das histórias esquentou e a experiência foi sensacional, mais de 30 mulheres contaram suas histórias com relação a autoestima na maternidade, na imagem, no trabalho, no relacionamento e até mesmo nos seus conflitos internos.

Novamente a Bio Extratus estava junto de uma causa tão cheia de incentivo ao amor próprio, a expansão de consciência e a um novo olhar mais amoroso sobre si mesma. Esse projeto do Futi carrega muitos dos valores da marca e fala da importância de nos sentirmos naturalmente bem com quem somos.

Sempre poderemos mudar a cor do nosso cabelo, o corte ou até mesmo o fio. Sempre poderemos emagrecer ou engordar. Mudar de carreira ou não. Casar, separar ou namorar uma nova pessoa. Sempre poderemos mudar, mas fazer tudo isso fica mais gostoso quando nos sentimos naturalmente bonitas, quando nos sentimos naturalmente felizes com quem somos, por dentro e por fora. Tudo junto em uma unidade de nós mesmas.

A palestra, o piquenique e a hashtag me fizeram ver que tão importante quanto falar sobre a minha história é ouvir a das outras mulheres que vêm se impactando de forma positiva com os valores que nós espalhamos lá e aqui, no Naturalmente Bonita.