BOTICA HENNA E ALGAS MARINHAS linhas veganas e liberadas

Em 2015, conheci e me apaixonei pela Botica Cachos da Bio Extratus, a primeira linha vegana para crespas e cacheadas. Um produto é considerado vegano quando a empresa não faz testes em animais e não há ingredientes de origem animal em sua composição. Foi amor a primeira lavagem! Eu ainda não seguia as técnicas low e no poo e o único critério que eu usava para comprar cremes e shampoos era avaliar se o produto era vegano.

Antes de a Botica Cachos entrar para a minha vida, eu nunca havia usado o mesmo produto por mais de um ano consecutivo, pelo contrário, costumava testar com frequência novos produtos para ver qual se adaptava melhor ao meu cabelo. Sabem aquela sensação de quando o cabelo se acostuma com um produto e ele deixa de fazer efeito? Ao seguir as rotinas low e no poo, percebi que não precisava mais trocar de shampoo, nem de creme e que aquele efeito incrível apaixonante do início permaneceu, tornando o meu cabelo mais saudável e bonito, graças a composição maravilhosa da linha, que é feita com ingredientes vegetais naturais de alta performance.

Eu amei tanto esses produtos que tinha perdido o interesse em conhecer e testar outros. Até que a Bio Extratus me enviou as linhas Botica Algas e Botica Henna, que também são veganas e tem produtos liberados para quem segue a rotina Low Poo (todos os produtos exceto os shampoos).

 Compostas de shampoo, máscara, condicionador e finalizador, ambas cumprem bem a função de higienizar, hidratar e ativar os cachos. Confira a minha opinião sobre os produtos:

A Linha Botica Algas Marinhas foi desenvolvida para fortalecer cabelos quebradiços, danificados por químicas e agressões externas

Os principais ativos são a OLIVA, que hidrata e nutre os fios profundamente, o BAMBU que restaura a fibra capilar, melhora a textura e reduz o volume, ALGAS MARINHAS que estimulam a circulação no couro cabeludo e aumentam a resistência dos fios e a PRÓ-VITAMINA B5 que age tanto no couro cabeludo quanto na extensão do fio, ajudando a retenção de umidade, evitando pontas duplas. Isso significa cabelos saudáveis e cachos mais definidos por mais tempo! Vejam o resultado da primeira aplicação: 

Finalizei os
cachos com o leave-in Botica Algas da @bioextratus , que é vegano e liberado para Low Poo.
Em breve conto mais.

Uma publicação
compartilhada por 􀃻NANDA CURY􀂙NANDACURY.COM (@nandacuryx) em

Como eu uso coloração no cabelo, parece que ele estava precisando desse tratamento de choque. O resultado foi incrível, como vocês podem ver na foto que tirei após a segunda lavagem:

Resolvi testar também e me surpreendi positivamente com a Linha Botica Henna, criada para fortalecer e dar brilho a cabelos escuros. Como estou em transição para voltar ao meu tom natural, castanho escuro, achei que seria um ótimo momento para testar a Botica Henna.

Lavei, passei a máscara, depois o condicionador e usei o finalizador para definir os cachos. Gostei de tudo, mas os meus produtos favoritos foram a máscara e o finalizador. A linha é formulada com HENNA (uma planta super poderosa que fortalece e dá brilho intenso aos cabelos escuros, OLIVA que promove nutrição e hidratação, BAMBU, que é hiper nutritivo e restaurador, e a PRÓ-VITAMINA B5, que ajuda a manter hidratação dos fios e evita as pontas duplas.

Eu amei o resultado e saber que a Bio Extratus tem outros produtos veganos e liberados para low poo. Em breve conto mais!

 

 

Como dar volume aos cachos com as escovas Michel Mercier

Testei e aprovei três modelos das lindíssimas escovas Bio Extratus Michel Mercier. Eu já tinha a primeira versão da escova e gostei muito das novidades no design, além de ter me apaixonado pelos novos modelos.

Acho incrível que hoje tenhamos tantas opções de escovas que atendam as necessidades dos cabelos crespos e cacheados. Mas nem sempre foi assim…

Quando eu era criança detestava desembaraçar o meu cabelo. Aprendi cedo que a única possibilidade de tirar os nós que se formavam no cabelo crespo era com muito creme e paciência, durante o banho. Ainda assim, era um processo trabalhoso, dolorido e cansativo, pois sempre fui muito cabeluda e gastava em torno de meia hora para desembaraçar tudo. Mesmo com todo o cuidado, o cabelo quebrava bastante.

Quando eu ia à piscina ou à praia, a situação ficava ainda mais crítica, pois o cabelo voltava tão seco e embolado que tinha que pedir ajuda à minha mãe para tirar todos os nós. Era uma luta: ela puxava o cabelo de um lado, eu reclamava que estava doendo do outro e às vezes uma de das duas perdia a paciência. Cansada desse desgaste, lembro de ter recusado a ajuda dela e dito que eu já era capaz de desembaraçar o meu cabelo sozinha.

Durante as férias de verão, eu ia à piscina diariamente e o cloro presente na água contribuiu para a formação de nós, próximos ao couro cabeludo, que foram acumulando. Quando já não podia mais para ignorá-los, pedi a ajuda da minha mãe para desfazer o “ninho” que se formara, mas o cabelo estava tão embaraçado que foi preciso cortar uma parte.

Naquela época, não havia produtos para cabelos crespos e cacheados, nem tínhamos acesso a informação sobre cuidados com os a saúde dos nossos fios. Lembro de ler em várias revistas que o cabelo cacheado deveria ser desembaraçado com pente de madeira, para reduzir o frizz. Será que estavam falando mesmo do meu cabelo? Pentear o cabelo crespo e cacheado seco faz com que ele fique naturalmente frisado e super volumoso, o que hoje considero interessante para estilizar e criar penteados, quando feito eventualmente, mas quando eu era criança e adolescente não me sentia preparada para usar o cabelo super armado daquela maneira.

Nos anos 90, os pentes de madeira e as escovas disponíveis no mercado frequentemente quebravam ou ficavam sem as cerdas, que eu encontrava perdidas em meio aos meus cachos.

Era comum também que as escovas descolassem com facilidade, provavelmente porque não eram adequadas para usar durante o banho. O resultado é que eu sempre precisava comprar escovas novas.

Ao lançar escovas de cabelo que atendem às diferentes necessidades, espessuras (do fino ao grosso) e texturas (do liso ao crespo), a Bio Extratus certamente contribui para que o ato de pentear o cabelo seja uma memória mais prazerosa e saudável, além de bela, no futuro.

Confiram aqui o vídeo que gravei com as escovas, que além de lindas são ótimas para desembaraçar, fazer fitagem, usar no banho, levar em viagens e porque não pentear o cabelo seco celebrar o frizz? 

Qual é a sua escova favorita? Você prefere fitagem ou usar o cabelo com bastante frizz? Conte para a gente, aqui nos comentários.

Transição Capilar, Minha História e a Nossa Revolução.

Olá! Meu nome é Fernanda, mas pode me chamar de Nanda Cury. Sou paulistana, tenho 35 anos, e é com muita alegria que faço esse primeiro post aqui no blog Naturalmente Bonita, para me apresentar a vocês e iniciar a minha coluna sobre beleza consciente e vegana. Estou super feliz com esse espaço e em compor o time, a convite da Bio Extratus.  

Hoje, vou contar um pouco da minha trajetória e sobre como parar de alisar o cabelo e aceitar a minha textura naturalmente crespa e cacheada foi o início de mudanças profundas na minha vida e que hoje dizem muito sobre a pessoa que me tornei. Assumir o cabelo natural, numa época em que todo mundo alisava, me fortaleceu profundamente e foi essencial para a construção da minha da minha autoestima e identidade.

Há dez anos, auge da progressiva, tratamento para cabelos crespos era sinônimo de alisar. Nas prateleiras das lojas de cosméticos não havia produtos para hidratar, nutrir e definir os cabelos crespos e cacheados, faltavam informações, profissionais especializados e representatividade. Mulheres crespas e cacheadas estampando capas de revistas era algo inimaginável e, nem mesmo as publicações focadas em cabelos traziam matérias e dicas para crespos. Se hoje a decisão de passar pela transição capilar é difícil, imaginem no século passado, antes da democratização do acesso à internet e do advento das redes sociais! A gente procurava referências simples como cortes de cabelo nessas revistas dos salões de beleza e era frustrante constatar que não havia sequer um corte para cabelo crespo em meio a todo aquele acervo de imagens. Até mesmo as embalagens dos poucos produtos destinados a cachos, traziam sempre uma modelo loira, de olhos azuis e com cachos feitos com babyliss no rótulo. Eu não conseguia me identificar com nenhum produto por conta disso, não me via representada e sentia que eles não eram feitos para mim.

Passei vinte e seis anos usando o cabelo preso e escondido em rabos de cavalo, tranças e coques. Na família e na escola, eu era a única diferente, com o cabelo crespo “armado”. Minha mãe e irmã tem o cabelo liso e eu sentia que era uma tremenda injustiça ser a única a puxar o cabelo da família do meu pai.

Na infância, foram dias de choro e frustração com “o cabelo ruim, que não tinha jeito”, que era o que eu ouvia na escola. Minha mãe fazia de tudo para cuidar e hidratar os meus cachos, carinhosamente chamados de “juba”. Ela recorreu a todos os recursos disponíveis na época: banho de creme com vitaminas semanal e trinta minutos com touca térmica, hidratação com ingredientes naturais, como abacate, mel, ovo, maizena, vinagre de maçã e azeite são alguns dos ingredientes naturais que me lembro que eram usados para manter os fios mais saudáveis. No entanto, tudo o que eu queria era ter o cabelo liso e comprido, como o das minhas bonecas Barbie:

Quando lançaram o primeiro spray desembaraçante, usei o pote de produto inteiro em um único dia. Meu cabelo parecia um deserto de tão ressecado e embaraçava muito. No dia-a-dia, antes de ir para a escola, eu molhava o cabelo na água fria antes de sair de casa e ao longo do dia. Além disso, passava bastante creme para “baixar o volume” e conseguir o efeito que hoje chamamos de “ativação de cachos”. Como os produtos não eram adequados para essa função (eu misturava máscara de hidratação com gel que prometia “brilho molhado”) e eu exagerava na quantidade, os cremes escorriam na camiseta do uniforme, além de acumularem nos fios, impedindo meu cabelo de respirar. Hoje sei que essa foi a realidade de muitas meninas crespas e cacheadas naquela época e que ser crespa ou cacheada nos anos 80 e 90 era um desafio diário!

Passei a adolescência com o cabelo preso, era super insegura, não me achava bonita e nem tinha autoestima. Quando comecei a trabalhar e ganhar o meu próprio dinheiro, gastava de quatro a cinco horas semanais no salão de beleza, alisando os fios com escova e chapinha e fazendo os melhores tratamentos para o cabelo. Afinal, diante de tantas horas de exposição térmica, se eu não protegesse os fios, a escova não durava e as pontas do cabelo ficavam espigadas. Lembro que chamava os fios mais curtos de “rebeldes” e passava bastante silicone e outros produtos que prometiam “controlar o frizz”.

Ao longo da semana, eu evitava sol, piscina, chuva, vento, sair para dançar ou realizar qualquer atividade que fizesse o meu cabelo enrolar. Ir à praia nem pensar, já que a umidade era a minha maior inimiga. Sei que para a maioria das pessoas que tem cabelo liso isso parece loucura e um grande exagero, mas acreditem, manter o cabelo alisado dá mais trabalho do que cuidar do crespo ou cacheado. Isso sem contar o tanto de dinheiro que a gente gastava!

Já na faculdade, dois episódios de viagem foram bem marcantes. Em um deles, na minha primeira vez fora do Brasil (viajei para a Inglaterra), eu passei dez dias sem lavar o cabelo, porque não tinha encontrado um salão confiável para fazer escova. Esse tipo de serviço costuma ser caríssimo lá fora e não é qualquer profissional que consegue fazer uma escova tão caprichada quanto a que eu estava acostumada aqui no Brasil.

Resolvi que eu mesma iria escovar, com o secador e chapinha que uma amiga gringa emprestou. Eu sabia que tinha muito cabelo e que seria trabalhoso, mas levei quase SEIS horas no processo todo. Isso porque o secador da minha amiga pifou no meio. Acreditam que eu até rezei para ele voltar a funcionar?! (graças a Deus funcionou! rs) Imaginem a cena: você escovou a metade do cabelo e a outra metade ficou crespa.. Nem preciso dizer que entrei em pânico, né?

Outra situação bem marcante foi quando finalmente aceitei o convite para viajar com uma amiga para a praia e ela me fez enxergar que todo esse esforço para manter o cabelo alisado tinha me tornado uma pessoa neurótica. Graças a insistência dela, entrei no mar e molhei o cabelo. Foi uma sensação maravilhosa sentir a água do mar, depois de tantos anos, mas depois veio a insegurança de saber que eu teria de passar o final de semana com o meu cabelo natural, sendo que nem sequer havia levado shampoo, condicionador, leave-in ou secador, afinal eu só lavava o cabelo no salão. Sobrevivi à experiência e acreditem, me diverti mais do que me preocupei e esse foi o primeiro passo para eu me libertar da obrigação de alisar o cabelo para me sentir feliz com a minha aparência.

Em 2008, eu já estava há anos sem relaxamento, escova e chapinha, mas apesar de estar com o cabelo natural, ainda usava sempre preso, pois o volume me incomodava muito. Um dia, fui a um salão, sem planejar muito, e pedi para cortar curto. Dei a sorte de encontrar um cabeleireiro que tinha o cabelo igual ao meu e , pela primeira vez na vida, fiquei satisfeita com o corte. Ao ver o meu cabelo curto, natural e super volumoso fiquei radiante! Me reconheci ao ver a imagem refletida no espelho, me senti maravilhosa e foi como se, a partir daquele momento, toda a experiência negativa associada ao meu cabelo tivesse ido embora com o corte. Eu estava livre! Apesar de eu não ter mais química do relaxamento, hoje considero que aquele dia fiz o meu big chop.

Mesmo estando super satisfeita com a minha aparência, entendi, por meio dos olhares e comentários das pessoas que o meu cabelo era totalmente fora do padrão, já que naquela época, auge da progressiva, as pessoas não estavam acostumadas a ver cabelos como o meu. Sem querer, acabei me tornando uma referência em cabelos crespos, passei a pesquisar e testar produtos e aprendi a estilizar e a criar penteados. Eu era parada na rua, por colegas de trabalho e pessoas que queriam tocar o meu cabelo e perguntavam como eu tive coragem de assumir o cabelo crespo. Também gerava confusão nas pessoas eu ser branca e ter o cabelo tão crespo!

Quando digo que meu cabelo é crespo e que ele não definia sem ativador de cachos, é assim que ele ficava:

Eu estava confusa e intrigada com tanta comoção sobre um simples cabelo e curiosa por todas as reflexões que surgiram a partir do momento em que decidi me aceitar como sou. Foi aí que entendi que não havia representatividade dos cabelos crespos e cacheados na mídia e nem na indústria de cosméticos. As poucas matérias sobre cabelos crespos nas revistas eram sempre negativas “Como domar o seu cabelo crespo e sem vida”, “Como acabar com o frizz”, elas nunca exaltavam a beleza do cabelo natural e sempre colocavam o cabelo crespo um problema que precisava ser resolvido.

A partir dessa constatação, resolvi criar a minha própria narrativa de beleza, para fortalecer e inspirar outras mulheres a se libertarem da obrigação de alisarem os cabelos para se sentirem bonitas. Foi assim que, em 2008, surgiu o Blog das Cabeludas. Comecei a fotografar e entrevistar as poucas mulheres que via na rua, com o cabelo natural. Percebi que todas tinham uma história de aceitação e resistência muito parecida e haviam percorrido um longo caminho até se aceitarem. Minha intenção inicial era publicar aquelas fotos e histórias para que outras mulheres pudessem se reconhecer e se inspirar, criando uma rede de empoderamento.

Ao longo dos anos, o Blog das Cabeludas foi acessado por milhares de mulheres, muitas dizem que amaram ver as suas fotos e histórias publicadas, outras nos contam que o Blog foi fundamental para elas assumirem o cabelo natural. Conforme eu imaginava em 2008, cada mulher que assume o seu cabelo, fortalece todas as outras a sua volta. Em 2015, fizemos a primeira Marcha do Orgulho Crespo, em São Paulo, um movimento que reverberou por todo o país. Mas sobre a Marcha eu conto mais no próximo post.

Aceitar e a amar o meu cabelo foi uma micro revolução e o primeiro passo para construir a minha autoestima. Hoje, fico feliz em ver que nós, crespas e cacheadas, estamos unidas, pautando as revistas, estamos na mídia, somos vistas pela indústria de cosméticos e não aceitamos discriminação. Esta revolução não é mais minha, é do mundo, é linda e crespa!

Por trás de cada cabelo crespo e cacheado há uma história de resistência. Qual é a sua? Compartilhe com a gente, aqui nos comentários!

Gratidão a todas que leram até o fim este longo post e a Bio Extratus pelo espaço!

Beijos, e até o próximo post.