Você tem tido tempo para você?

Não importa, por mais que a gente queira tem dias – ou semanas – que não conseguimos ter tempo pra nós mesmas.

 

Arrumamos tempo para trabalhar, para cuidar do filho, da casa, do casamento, dar atenção para as amigas, para os pais, para os estudos. Quando vemos, priorizamos tudo e nos deixamos de lado.

Ok, tem dias que nos botar em último lugar se faz necessário, mas eu diria que dá para arrumar uns intervalos nesse meio tempo. Se achar no meio do caos às vezes é tão bom e saudável quanto passar o dia cuidando apenas de você.

Hoje eu resolvi vir aqui para listar alguns desses momentos que eu arrumo para mim e que me fazem tão bem! Vai que ajuda você também?

 

1 – Tá no trânsito? Bota a música bem alta (e se der, canta!) – as vezes o único momento que a gente tem sozinha é dentro de um carro, do ônibus e do metrô, e as vezes tá trânsito ou lotado, situações mais do que propícias para aumentar nosso nível de stress, que já não está baixo. Para mim o que salva é a música! Juro, tá pra nascer algo mais libertador do que botar o som do carro no último volume e cantar bem alto, ou então, se o transporte é público, cantar em silêncio porque eu tenho vergonha! Hehehe

 

 

2 – Dia de filas – tem dias que parece que tudo que a gente faz é pegar fila, né? Fila do banco, do mercado, na fármacia, parece que todos os lugares estão dando um jeito de fazer você chegar cada vez mais tarde em casa. Nessas horas, a melhor coisa é ter meu celular cheio de possibilidades legais para passar o tempo. E-book, joguinhos ou até mesmo Youtube para ver videos que eu perdi durante a semana. Só tem que garantir que o celular vai ter bateria suficiente para encarar esses momentos que tinham tudo pra ser de tédio.

 

 

3 – O banho vai ter que ser rápido? Que seja com os melhores produtos! – Tem dias que a gente toma banho só para ficar limpa, né? Pois eu digo que nesses dias corridos e estressantes, não importa o tempo do seu banho, ele tem que ter qualidade! Tem dias que eu mal tenho 15 minutos, e é justamente nesses dias que eu faço questão de usar os produtos mais incríveis e relaxantes que eu tenho. A manteiga de abacate de 60 segundos e o sal esfoliante de lavanda da Bio Extratus são meus principais companheiros. Saio renovada!

 

 

4 – Passe por algum lugar que te deixe relaxada – Você passa por um lugar que você curte quando sai do trabalho ou, depois daquele dia ultra corrido, você cruza com algum local que você ache agradável? Desacelere e curta! A tendência é a gente sair correndo para voltar logo pra casa, mas esquecemos que andar por aí tem seu valor. Se você todo dia passa de ônibus pela praia, por exemplo, que tal saltar e curtir uma água de coco antes de seguir caminho?

 

 

5 – Reserve meia horinha pra você antes de dormir – eu não sei vocês, mas eu fico muito frustrada quando passa o dia e parece que eu não consegui pensar em mim em nenhum momento. Nesses dias eu prefiro dormir um pouquinho mais tarde, fazer algo pra mim (pode ser ver Netflix, ler um livro, fazer as unhas, escovar o cabelo, tanto faz) e dar uma “enganada” no meu cérebro.

 

 

São essas pequenas coisas que fazem com que meus dias cheios se tornem um pouco mais agradáveis e eu me sinta novamente no comando da minha vida. Esses dias mais atribulados muitas vezes são inevitáveis, mas a forma de lidarmos com eles pode fazer com as horas passem de forma mais leve, não acham?

Como parei de me comparar e comecei a me VALORIZAR

Antigamente, quando via uma pessoa muito bonita, especialmente quando se tratava de uma mulher, logo me comparava em todos os sentidos, sem ver grandes qualidades em mim. Na minha cabeça, para que eu fosse bonita como outras mulheres, eu precisava de cirurgião plástico, de muita dieta restritiva, de dinheiro para bancar artigos de moda e de um grande milagre.

 

 

É engraçado pensar o quanto eu fui, por diversas vezes, injusta comigo mesma. Queria caber em um jeans 36 sem ao menos notar que minha estrutura corporal não comportaria isso, por exemplo. Percebi que o objetivo das minhas comparações com outras mulheres sempre serviu para que eu identificasse os meus defeitos e os ressaltasse para mim mesma, deixando a minha autoestima no chão. Como se não bastasse essa auto sabotagem diária, eu ainda mantinha ao meu lado alguns inimigos particulares, que atacavam a minha segurança todos os dias, me fazendo viver com culpa por não ser perfeita como a outra.

 

Depois de um tempo refletindo sobre essa relação comigo mesma, percebi que eu teria total controle da minha vida se eu realmente me aceitasse da forma como eu sou, ou resolvesse mudar de forma saudável o que não curto tanto em mim. Comecei a me olhar no espelho todos os dias de forma diferente, procurando as minhas qualidades e tentando ressalta-las com artifícios de moda.

 

Nesse processo de mudança de olhar, comecei a anotar em uma agenda tudo que eu gostava em mim, tanto na parte física quanto em minhas atitudes. Dentre as partes que eu mais gostava em mim estava meu cabelo. Comecei a evidenciá-lo em minha vida, com penteados diferentes que me deixavam de bem com minha imagem no espelho. Outra parte que sempre gostei em mim foram as pernas. Comecei a valorizá-las na hora de escolher um look para meu dia a dia.

 

Todas essas pequenas ações me deixaram com uma imagem mais próxima do que eu idealizava para minha vida. Se hoje eu falo sobre moda, beleza e autoestima aliando essas três frentes, é porque realmente eu as usei muito para melhorar a minha relação comigo mesma. Comecei a ter um olhar mais carinhoso e menos exigente comigo, deixando essa relação pessoal mais natural e humanizada.

 

 

 

Com essa fórmula mágica que combina autoestima e aceitação, comecei a me sentir com total controle do que eu queria para minha vida. Comecei a não me comparar mais com outras mulheres e pensar que todas nós estamos em contextos diferentes, em momentos diferentes da vida e temos corpos obviamente diferentes. Parei de me colocar apenas em desvantagem em comparação aos outros e, como consequência, valorizo a minha trajetória pessoal e tudo que já conquistei até hoje.

Autoestima não é autoimagem!

Desde que o Futilidades levantou a bandeira do projeto UM PAPO SOBRE AUTOESTIMA sinto que muita gente associa toda nossa conversa à quebra de padrões de belezas relacionados ao corpo, mas autoestima não é isso. Autoimagem e a forma como uma pessoa enxerga seu corpo físico é apenas uma das questões que esse universo de autoconhecimento envolve.

A meu ver uma pessoa tem uma boa autoestima quando ela se conhece, física e psicologicamente. Curioso isso, né? Acredito realmente que uma mulher precisa conhecer seu corpo, seu cabelo, sua sexualidade e sua maneira de pensar e ver a vida para poder se amar. E não precisa se amar do jeito que se é, sempre podemos querer emagrecer, ou não, mudar a cor do cabelo, ou não, fazer um alisamento, ou não. Podemos ser o que quisermos, o importante é que nos conhecendo conseguimos viver a vida de acordo com quem somos de verdade e é muito mais fácil gostar de si mesma assim.

Uma boa autoestima é uma qualidade de quem se valoriza, se contenta com seu modo de ser e demonstra, consequentemente, confiança em seus atos e julgamentos.

Ou seja? Não tem necessariamente a ver com o corpo, com o cabelo ou como a gente se enxerga. Isso é uma consequência importante, mas não é a razão de ser da palavra que envolve você ter estima por você mesma. Você se valorizar hoje, como você é, ainda que você queira ser diferente amanhã.

No nosso projeto levantamos a bandeira de se amar hoje, nos acolhendo com muito amor e carinho, como somos, como estamos. Ainda que a gente entre num processo de mudança amanhã, ainda que acreditemos que vamos nos amar mais se perdermos dois quilos ou se pintarmos o cabelo. Podemos lançar um olhar acolhedor para nós mesmas hoje, vendo o que temos de melhor agora, ainda que o objetivo final de amanhã seja ser diferente.

Autoestima é um processo interno que envolve se conhecer, se sentir segura e ter confiança de quem se é na essência, consequentemente isso esbarra também na imagem do espelho. Nessa hora que acreditamos sim que um cabelo cuidado, uma maquiagem diferente ou um look bonito pode ajudar a colocar pra fora essa segurança que temos dentro. Assim começamos aos poucos a ver beleza no nosso corpo, no nosso cabelo. Gostar da imagem refletida no espelho é uma das consequências de ter uma boa autoestima e é uma delícia podermos falar desses diferentes tipos de beleza e pontos de vista no Naturalmente Bonita. Um blog que já traz no nome essa bandeira que diz que uma mulher pode e deve se sentir naturalmente bonita, porque a verdadeira beleza tem a ver com essa luz que vem de dentro e ilumina tudo fora.

Relação entre a Moda e a Autoestima

Como consultora de moda e imagem, sempre tento passar para minhas clientes uma mensagem de estilo maior do que de tendência. Sempre acreditei que “estar na moda” é captar a essência do que é tendência e transferir para seu estilo pessoal, sendo esse a parte mais importante na hora do look. Quando conseguimos deixar nossa marca pessoal em cada peça do nosso guarda-roupa, a personalidade entra em jogo e nos sentimos ainda melhor com nossa imagem.

 

Apesar de a roupa ser um item indispensável do nosso dia a dia, muitas vezes não damos tanta importância ao ato de se vestir, encaramos a moda como algo supérfluo e fútil. Esquecemos que essa relação com a moda pode ser um grande divisor de águas para nossa autoestima e que podemos valorizar nosso corpo e revolucionar a maneira como nos vemos no espelho apenas com um look que combine com nosso estilo.

Ter um estilo próprio é muito mais do que ter um mundo de roupas. Quando conseguimos relacionar a moda com a autoestima, podemos usá-la a nosso favor e eleger peças que valorizem o corpo e nos deixem seguras no dia a dia.

Muitas vezes até a forma como nos vemos no espelho influencia nosso jeito de nos vestir, pois a imagem é um resultado de uma vida inteira de expectativas e experiências que tivemos no passado e de situações que já passamos ao longo da vida.

Experimente usar uma peça que levante sua autoestima, que te deixe confiante em seu dia a dia. Aproveite para eleger o corte perfeito, a modelagem que valorize seu corpo e uma cor que ilumine naturalmente seu tom de pele. Os acessórios também poderão ser seus maiores aliados na hora de se sentir de bem com sua autoestima e de fazer as pazes com o espelho e com seus looks.

Aproveite para ousar, para usar e abusar de algo inusitado que nunca se imaginou usando. Crie novas possibilidades, apostando na moda como sua aliada, como um plus na sua relação consigo mesma. Tenho certeza que com essas dicas você se sentirá ainda mais bonita e com a energia renovada.

Autoestima, cabelo, corpo, e o mundo.

 

Sumi né? Mas cá estou novamente para conversar um pouquinho com vocês.

Pelo título do post já dá para imaginar o assunto. Quando penso em falar sobre o quanto mudei após deixar o meu cabelo natural; é tanta coisa que até me espanto. No meu caso eu pauto no cabelo porque realmente foi uma “libertação”mas para cada um pode ser outra coisa como: parar de ligar tanto para o corpo e deixar de querer ser padrão; usar a roupa que bem entende e não o que lhes impõe; pintar as unhas com as cores que bem desejar; largar aquele emprego e aceitar a proposta que realmente combina contigo…

Para falar a verdade, eu desejo conversar sobre como um item, algo não resolvido dentro de nós, pode mudar completamente quando solucionado. E no meu caso foi o cabelo.

Já falei por diversas vezes que fiz muitas químicas, mas lá em 2013, quando decidi parar com tudo, algo mudou. E eu não digo apenas por fora, não foco na minha aparência. Mas o negócio aconteceu aqui dentro. Eu passei a me olhar no espelho e entender quem eu sou, meus traços, minhas características, que sou bonita independente de qualquer padrão imposto. Isso é difícil pra caramba! Tenho 27 anos e fui me entender só com 24.

No momento que eu falo “me entender”, é gostar da imagem refletida, é me achar linda, é andar na rua com confiança, com o rosto empinado mesmo, mudar a forma de falar e me portar. Hoje eu não tenho mais vergonha de algo, eu não me encolho quando escuto algo desagradável, sei me impor e acho isso apenas MARAVILHOSO! Acho tão maravilhoso que quero espalhar para todas as pessoas que eu puder. SE AMEM EM PRIMEIRO LUGAR! Quando você se ama, a vida flui de uma forma indescritível.

É fácil lidar com autoestima em um mundo cheio de padrões? Nem um pouco! É fácil se achar bonita com trocentas campanhas esfregando modelos magérrimas na sua cara? MAS NEM FERRANDO! O que a gente precisa trabalhar é a nossa mente. Ela, que no final das contas, comanda tudo. A mudança pode ser no cabelo, na roupa, no corpo, na forma de falar ou mesmo de se comportar; não importa. Sempre tem um click aí dentro que te desperta para o que você realmente é e o que realmente deseja ser, independente do que pensam.

Que tal refletir um pouco sobre isso? Que tal olhar no espelho e repetir o mantra “Eu sou linda, eu sou fod*?” Minha mãe sempre diz que a palavra tem poder e eu acredito piamente nisso. Nada é fácil no início, eu chorei rios quando me vi com o cabelo curtíssimo, mas depois de alguns meses percebi que eu era mais que um cabelo.

Creia, você também é mais que um cabelo, um corpo, uma altura, um peso, um rosto, uma forma de se vestir. Você, eu, nós temos muito o que mostrar para este mundo.

Bora juntas?

Beijos
Maraisa Fidelis