Como construí minha autoestima

Desde que comecei a blogar, se tem um tipo de comentário que recebo diariamente, tanto no site quanto nas redes sociais, é sobre “como queria ter a sua coragem para usar biquínis”, “como queria ter a sua coragem de ir à praia”. Eu sempre fui muito livre com relação ao verão. Meu relacionamento com essa estação do ano sempre foi de amor incondicional, mesmo encarando a praia de biquíni. Minha autoestima se via muito menos confrontada nesse tipo de ambiente, pois sempre via outros corpos como o meu por lá, com biquíni e maiô, curtindo independente de qualquer coisa. Porém, quando voltava pra vida real, o stress começava.

A roupa sempre me incomodou mais do que o biquíni. Isso porque o ambiente onde uso roupas é diferente do ambiente praia/clube, onde todos estão com o dress code parecido. Ir ao shopping de cropped parecia algo impossível para uma menina gorda como eu, especialmente na adolescência. Me sentia sempre bombardeada por algum comentário maldoso, um olhar diferente ou até mesmo um padrão exposto nas mídias. Aliás, nós mulheres nos vemos diariamente confrontadas por esse padrão. Sempre rolam aquelas matérias sobre o corpo perfeito, a pele perfeita, o cabelo perfeito. E, quando não conseguimos atingir esse padrão ditado por outros, nos sentimos incapazes e não aceitas dentro desse grupo social.

O meu processo de desconstrução desses padrões e da minha autoaceitação começou há um tempinho, quando me vi questionando tudo isso. Me senti burra por não ter percebido o quanto tentar me enquadrar nele me fez infeliz durante quase 20 anos da minha vida. Me achava superinadequada em várias ocasiões e fazia o possível e o impossível para me encaixar de alguma forma em algo inalcançável. Percebi que a única coisa que isso tudo me acarretou foi uma paranoia e ideias erradas. Bem na época em que mais precisava formar meu caráter e me entender como mulher.

Quando me vi entrando na fase adulta, cheia de responsabilidades novas e projetos a serem enfrentados, comecei a pensar no quanto a minha baixa autoestima poderia ser maléfica para meus próprios sonhos. O quanto essa minha falta de respeito comigo mesma e com meus limites poderiam ser  terríveis para mim. Sim, amiga! A única prejudicada no quesito autoestima baixa é você mesma. Não é a TV, não é a revista, não é o blog de vida perfeita.

Foi então que descobri que essa mudança de hábitos e pensamentos deveria ser minha comigo mesma. Bem solitária e egoísta. Se eu pudesse colocar em uma só palavra o que aprendi sobre autoestima feminina nessa fase seria: respeito. Eu aprendi a me respeitar. Respeitar meu corpo, meus limites, minhas diferenças. É claro que esse processo de autoaceitação precisa ser reiterado e alimentado dia após dia. Para que a gente nunca se esqueça de amar incondicionalmente esse corpo que é nosso parceiro 24h por dia, 7 dias por semana. Dessa forma, a gente consegue se libertar dessas ideias antiquadas que só servem para nos colocar pra baixo e só prejudicam a nós mesmas.

 

Viagem poética

Uma viagem por um mundo de muita fé e poucos recursos. Me vi nessa situação junto com meu marido em abril de 2016, únicos brasileiros, junto a mais 7 pessoas que eram do Canadá, Alemanha, Inglaterra e Suíça, em uma missão na Ásia. Fomos parar na Índia e Nepal.

Nosso time de voluntários

 

O que nos levou para lá? A vontade de servir. A vontade de se doar. A vontade de descobrir um mundo com novas possibilidades. Foi um mês na Índia e um mês no Nepal. Mas antes disso, passamos três meses em Sarasota, na Flórida, estudando Artes. Eu escolhi “Hand Made” (trabalhos manuais) e o Johnny meu marido estudou fotografia. Na Ásia, realizamos serviços voluntários em comunidades carentes. Fazíamos tudo o que era necessário. Distribuímos comidas nas vilas, doamos remédios para leprosos, ajudamos nas construções, enfim, estávamos lá para servir as pessoas e compartilhar amor. Quando havia oportunidades, também era possível aplicar a arte que estudamos nos EUA, para poder capacitar as pessoas de lá e assim elas terem novas oportunidades para entrarem no mercado de trabalho.

Índia Outreach 2016

 

Visita às comunidades da Índia

 

Visita às comunidades do Nepal

 

Foi uma experiência diferente de tudo o que já vivi até hoje. Confesso que eu tive muitas crises durante essa viagem. É um contraste muito grande em comparação à nossa cultura, ao nosso comportamento. A desigualdade social é muito mais visível lá. Impossível não ficar “surtada”. Por três dias tive crises de choro, por não conseguir processar todas as informações que chegavam até nós. Cheguei pedir a Deus ignorância, porque não estava sabendo lidar com tudo aquilo. Para você entender uma das minhas crises, foi quando conheci uma ONG no Nepal que trabalha resgatando crianças e adolescentes do tráfico humano. Criança com quatro anos levada para o tráfico sexual. Dá para acreditar nisso? É desumano.

Nepaleses

 

Nepal

 

Montanhas no Nepal onde moramos por uma  semana

 

Quando a gente lê essas notícias daqui do Brasil é triste. Mas quando você vive essa realidade de perto é desesperador. E foi ainda mais desesperador quando pensei que não poderia fazer nada por aquelas vidas, afinal, sou jornalista com especialização em moda e estudei artes nos EUA, o que poderia fazer para ajudar? Pensei: sou uma idiota! Passado os três dias de “surto”, comecei processar melhor as informações e veio uma ideia: por que não ministrar um workshop de moda para as meninas da ONG que ficavam no setor de treinamento e costura? Estava ali a oportunidade de ressignificar a moda, compartilhar o que aprendi durante esses 15 anos que estou no mercado e entender que a moda pode ser ferramenta de transformação. Tive a oportunidade de passar um tempo com essas meninas na ONG, compartilhando um pouquinho do que aprendi através da moda. Criamos uma nova coleção e um novo business para gerar mais renda para a ONG e assim ser possível resgatar mais vítimas do tráfico humano no Nepal. Se você quiser conhecer mais sobre a ONG, aqui vai o link: www.meninasdonepal.com

Workshop de moda na ONG Meninas do Olhos de Deus – sobreviventes de tráfico humano

 

Kathmandu, capital do Nepal

 

Japa com a mão na massa, ajudando em construções no Nepal

 

E durante os dois meses vividos na Ásia fui amadurecendo pouco a pouco. Lembro de um momento que eu estava observando o céu em uma das montanhas do Nepal e me veio a lembrança um vídeo que assisti que falava o seguinte: “Pessoas não escolhem sonhos. Sonhos escolhem pessoas.” No primeiro momento pensei: isso não faz sentido. Eu sempre escolhi os meus sonhos. Mas continuei a refletir e é uma verdade. Eu nunca sonhei ver aquele céu tão estrelado. Eu nunca sonhei estar nas montanhas do Nepal. Eu nunca sonhei dedicar a minha vida a outras vidas. Digamos que eu “sonhava” outro tipo de “coisa”. E de repente a vida deu uma volta tão louca e muita coisa mudou. E o sonho me escolheu. Escolheu eu estar lá naquele momento vivendo o sonho de Deus. E o vídeo continuava a mensagem, existem muitas pessoas “meio que”. “Meio que” quer mudar de carreira. “Meio que” que quer estudar. “Meio que” sonha. Se você “meio que” quer algo, você “meio que alcançará” os seus resultados. Eu já passei por vários momentos da minha vida “meio que”. Você não pode “meio que querer”. Você tem que querer com todo o seu coração. Você tem coragem para agarrar o sonho que te escolheu? Posso dizer com todo o meu coração que sim, estou muito feliz ter agarrado o sonho que me escolheu. Tive medo? Sim. Tive dificuldades? Sim. Tive momentos que quis desistir? Sim. Mas quando você tem Deus caminhando ao seu lado, essas barreiras só te fortalecem.

Erika e Johny nas montanhas do Nepal

 

 

Esse é um resumo da “loucura” que foi o nosso 2016. Há três anos, eu e meu marido decidimos que todos os anos iríamos morar uma temporada fora do Brasil. Claro, tivemos que fazer muitas escolhas e “abrir mão” de muitos confortos. Mas confesso que foi uma das melhores escolhas que fizemos para a nossa vida. Não sei quanto tempo esse “gás” irá durar. Mas para o ano que vem já temos muitos sonhos e novas aventuras. Se você deseja perguntar sobre nossas viagens ou compartilhar a sua experiência conosco, estamos superabertos. Será um prazer!

Aqui vai meu contato:

Instagram: @erikaokazaki

Facebook: @erikaokazakimoda

E-mail: [email protected]

www.erikaokazaki.com.br

Beijos da Japa Erika Okazaki :*

Um ano com muito #PicnicDoPapo e Bio Extratus! <3

2017 foi um divisor de águas nas nossas vidas. E uma das maiores mudanças que tivemos foi trazer a relação que a gente tinha com nossas leitoras no online para o offline.

Isso era um projeto que já estava nos nossos planos há algum tempo, mas sempre achávamos que faltava alguma coisa para realizarmos. Depois de 7 anos no mercado, a necessidade de se reinventar falou mais alto e mudamos tudo: site, posicionamento do blog e essa vontade de ir além. Estávamos há muito tempo fazendo a mesma coisa, então a hora de tentar novidades era agora! Por que não tirar logo do papel essa vontade de nos aproximarmos das nossas leitoras?

Nosso grupo no Facebook – o Papo sobre Autoestima – foi um fator encorajador para darmos esse pulo. E foi assim que surgiu a primeira pool party, em fevereiro de 2017. A Bio Extratus, claro, estava lá. Pudemos mostrar para as convidadas da festa os motivos de amarmos as escovas Michel Mercier (a Pack&Go foi um sucesso na beira da piscina) e por que os finalizadores com filtro solar e proteção térmica eram os melhores companheiros para o verão. Só que a gente queria mais.

Festa é muito legal e a gente ama, mas o projeto #paposobreautoestima é tão mais que uma comemoração que não demorou muito para que os nossos objetivos ficassem maiores a ponto de querermos arrumar uma outra forma de trazer as discussões do grupo para a vida real. E foi assim que surgiu o #picnicdopapo.

Começamos entre Rio e SP e não demorou muito para surgirem pedidos de outros lugares. Ao todo foram 8, de Curitiba a Londres, passando por Salvador, BH e Nova York. E cada um foi muito especial, com muitas histórias para contar, muita troca e amor pra dividir. Uma versão “ao vivo” do que vivenciamos online todo santo dia. A gente já sabia o poder do #paposobreautoestima, mas vê-lo acontecendo diante de nossos olhos, em uma roda que reúne tantas mulheres, sempre vai ser emocionante. É muito bacana ver como a maioria entendeu nosso objetivo e se dispôs a tentar enxergar as situações de forma mais amorosa e acolhedora.

Mas por que eu tô falando tudo isso? Porque em 2018 nossos planos estão mais ambiciosos! Se ano passado a Bio Extratus conseguiu abraçar alguns dos piqueniques, este ano o projeto é que estejamos juntas em todos! E para a gente, isso não poderia fazer mais sentido, afinal, é sempre um prazer gigante poder apresentar a marca que mais levanta a nossa autoestima (pessoal e profissional) para todas as nossas leitoras, seguidoras e participantes do projeto!

Salvador, com um piquenique que bateu recorde de participantes (60!) só foi possível por causa da distribuidora local e isso nos empolgou demais para continuar levando nosso #paposobreautoestima para mais e mais lugares com a Bio Extratus!

 

E aí? Estão empolgadas para começarem este ano com a gente?

Por que é tão difícil aceitar um elogio?

– Que pele linda!
– Ah! Estou de maquiagem, precisa ver quando tiro.
– Como você explica bem!
– Ah, só alguns assuntos…
– Seu cabelo está maravilhoso!
– hahaha É raridade! Hoje ele acordou de bom humor!
– Que texto bem escrito!
– Você acha mesmo?
– Você é muito bonita!
– Hummm… ah, obrigada! (Mas sem acreditar no elogio recebido)

Tenho certeza que vocês já passaram por alguma situação assim, ou mesmo viram acontecer com alguém. Por que não acreditamos em nós mesmas? Por que vivemos na dúvida? Por que não acreditar na nossa beleza, em nossos talentos e nossa capacidade profissional? Por que tanta dificuldade em aceitar um elogio?

Tenho me feito essas perguntas há alguns meses, quando percebi que ficava sem graça se fosse elogiada. Consciente dessa minha atitude, comecei a olhar todas as mulheres que me cercam, até mesmo algumas nas redes sociais, e o comportamento se repetia (salvo raras exceções). Era um sorriso amarelo, uma cara de dúvida, uma descrença no próprio “taco” e por aí vai.

A primeira coisa que vem na cabeça é: “Essa pessoa está falando sério? Não é só para me agradar? Duvido! Aposto que tem outras intenções nesse elogio!” O mundo ficou tão perverso, tão perfeccionista, exigindo alegria constante e beleza padronizada que nós perdemos a autoconfiança e qualquer elogio parece deboche, ou mentira, ou tem segundas intenções, ou a pessoa está louca. Em ÚLTIMO caso pensamos: “Nossa, mas eu estou bonita mesmo!”

Isso tudo foi tão colocado na nossa cabeça (mesmo que de maneira implícita) desde sempre, que hoje não conseguimos crer nas nossas qualidades. Chato entender que nós, mulheres, fomos criadas de uma forma tão rude a ponto de competirmos umas com as outras. Sempre foi isso que esperavam de nós: uma eterna competição para ver quem tinha mais dotes, quem casava primeiro, quem tinha filhos primeiro e quem era a mais bem-sucedida NO CASAMENTO. Olhar-se no espelho e começar a ver as próprias qualidades? NEM PENSAR! MAS QUE OUSADIA!

Todavia, existe algo muito bacana chamado TEMPO. Aaaah o tempo! Ele leva muitas coisas e traz tanta revolução, traz lucidez e desta vez trouxe força, inteligência e poder suficiente para a mulher tomar conta de si e perceber que a felicidade já está nela. Ela se basta e precisa apenas de alguém que a transborde. Não precisamos de opiniões alheias para termos a certeza do quão bem fazemos determinadas tarefas ou mesmo da nossa beleza. O elogio é apenas a confirmação de que estamos no caminho certo ou um gesto de carinho que podemos agradecer e continuar a vida.

Já pensou que legal pegar todos os elogios recebidos e guardar em um local especial dentro de nós? Acumular elogios em papéis e depois ler tudo no final do ano ou em algum momento de tristeza? AGRADEÇA! Mas agradeça de coração e entenda que você é capaz de muito mais do que imagina! Os elogios existem para serem distribuídos e recebidos com afeto, com alegria e amor.

Que tal a partir de agora agradecer os elogios e ficar feliz com as palavras escutadas? Se alguém parou para te rescrever algo bom, ou falar algo que te enalteça, por que se colocar pra baixo? Por que se inferiorizar? Por que simplesmente não falar “Siiim! Meu cabelo está lindo mesmo hoje!”?

Sei muito bem que você pode me falar que isso é coisa de gente metida, que as pessoas interpretariam mal e tantos outros argumentos. Mas aí eu só digo uma coisa: se nós não nos amarmos, quem vai? Mamãe sempre me disse isso e eu levo para a vida. Tente ver de uma forma mais simples ainda: o elogio serve para te empurrar pra frente e te mostrar que está no caminho certo. Apenas aceite e seja feliz!

Beijos

Vamos fazer de 2018 um ano maravilhoso?

Aaaaaah… meu primeiro post de 2018 aqui no Naturalmente Bonita! O ano começou mega-agitado pra mim. E aí do outro lado, me contem como foi esse início de ano pra vocês? Já diz o ditado: ano novo, vida nova! Mas, na prática, fazemos isso valer a pena?

Muitas coisas no meu ano de 2017 fizeram com que eu parasse pra repensar. Isso foi fundamental pra reorganizar ideias, buscando sempre o melhor para nossas vidas, tanto na parte profissional quanto na parte pessoal. É impossível falar ou pensar em beleza quando nosso interior não está de acordo com as necessidades externas e pode ter absoluta certeza que as atitudes demonstram isso, sem ao menos nós mesmos percebermos.

Vou dar um exemplo muito claro sobre isso! Quem nunca acordou desejando mudança? Sabe aquele dia em que vc levanta e sente a necessidade de mudar o visual e reformular o corte ou a cor do cabelo, sem ter um motivo concreto ou alguma celebração prevista? Pois bem, essa “atitude física” é resposta do que estamos vivenciando em nossa fase interior. Outro exemplo comum que também passa despercebido é o ato de dar uma reformulada no guarda-roupa, tirando o que já não lhe tem mais serventia. Na verdade, muitas vezes você sabe e precisa dessa mudança, onde acaba transferindo isso para ações, sendo que nem se dá conta que sua mente está controlando tudo!

Isso é maravilhoso… Extraordinário… Mudar é sempre preciso e, quando algo está bom, a mudança pode deixar ainda melhor! De nada adianta um cabelo lindo, hidratado, uma maquiagem bem-feita se você está desarrumada por dentro. Saiba controlar a qualidade dos seus pensamentos, pois querendo ou não, nós atraímos o que pensamos e isso faz total diferença na qualidade do dia a dia.

Precisamos aprender a respirar fundo nas diversas situações de dificuldade. Muitas vezes, por excesso de estresse, acabamos perdendo as rédeas da situação, pelo simples fato de não sabermos avaliar e encontrar a melhor maneira de resolver. Lembre-se: o que não tem solução, solucionado está! Então, por que se desgastar, sofrer, perder o sono e a saúde mental? Leve uma vida mais positiva, emane coisas boas, que elas encontrarão uma maneira de retornar até você. Acredite na força da positividade!

E se o ano por aí começou “meio assim”, se você está se sentindo desanimada, senta e organize suas ideias. Neste 2018, vamos falar de muitas coisas legais do universo feminino, com dicas (e também desabafos). Eu espero ajudar com posts e também manter uma ligação maior com o público que aqui me acompanha, junto às outras embaixadoras dessa marca que tanto amo trabalhar. Uma empresa que acredita em sonhos e que faz de tudo para que as melhores sementes possam ser cultivas e colhidas, após gerar lindos frutos. Só quero dizer que somos fortes, lindas e que esse novo ciclo seja repleto de vitórias, aprendizado e muita sabedoria. Quem está comigo? Janeiro já tá quase terminado, mas ainda temos 11 meses pela frente para progredirmos de uma forma superpositiva e trocar muitas experiências!

#JuntasSomosMais

Bjo bjo…