Naturalmente Bonita

Como parar de usar canudo de plástico, algodão, absorvente e mais umas coisinhas – Consumo Consciente

5.dez.2018

Oi! Tudo bem? Me chamo Luciellen Assis e sou uma das novas Embaixadoras da Bio Extratus e você pode me conhecer um pouquinho mais aqui! Me sinto imensamente feliz por poder compor esse time e por fazer parte de uma marca que tem princípios parecidos com os meus, por isso, meu primeiro conteúdo aqui vai ser sobre a consciência que tenho tomado com relação ao consumo consciente e as mudanças de hábitos que tenho tido para poluir menos o planeta.

Então vamos a lista de alguns desses produtos que parei de consumir e espero que você consiga parar ou diminuir o consumo também.

Algodão

Essa observação começou quando eu fui tirar o lixo do meu quarto depois de alguns dias de gravação intensa para minhas redes sociais. Quando olhei minha lixeirinha, metade dela era algodão e lenços demaquilantes. Quando me deparei com isso, resolvi que precisava encontrar uma maneira de reduzir esse lixo, então fui em busca de como fazer isso, até que descobri a opção de usar discos de crochê que são laváveis.

disco de croche

.

Se você souber fazer crochê (indico que aprenda, é terapêutico) pode criar os seus do tamanho que quiser, ou você pode encontrar em lojas online e físicas. Na The Body Shop inclusive, eles dão como brinde.

Outra coisa que você pode usar para substituir os lenços demaquilantes e algodão são toalhinhas de rosto, eu usei por bastante tempo até encontrar a ideia dos discos de crochê e são muito baratas. Da pra usar tanto como demaquilante, como pra remover esmalte das unhas e afins.

Absorvente

Quando eu digo que não uso absorvente, as pessoas ainda se assustam porque tudo que envolve menstruação e corpo feminino ainda é tratado como tabu. Mas a substituição do absorvente é simples, econômica, ecológica e melhora a saúde íntima da mulher! Olha só que maravilha!! Para fazer isso você pode usar absorventes de tecido, calcinhas absorventes ou coletores menstruais.

1- Absorvente de Tecido:

Os absorventes de tecido são bem parecidos com os descartáveis e são super seguros. Você só precisa comprar mais de um para quando precisar trocar, já que para usar novamente é necessário lavar e secar. Eu sugiro que você tenha uns 2 ou 3 para ficar tranquila.

absorvente de tecido

.

2- Calcinha Absorvente:

A ideia da calcinha absorvente é igual a do absorvente de tecido, só que a tecnologia absorvente fica no fundo da calcinha. Ela é lavável e você também precisa ter mais de uma para quando precisar trocar durante o dia.

Hoje em dia você encontra até maiôs e biquínis absorventes! Isso é fantástico!

calcinha absorvente

.

3- Coletor Menstrual:

Existem coletores de diversos tamanhos, eles funcionam como um absorvente interno, só que mil vezes mais confortável. Esses “copinhos” são feitos de silicone cirúrgico, são laváveis, duram em média 10 anos e você pode ficar com eles por até 9 horas seguidas! Claro que vai depender do seu fluxo.

.

Eu uso coletor menstrual a quase 1 ano e com certeza foi a melhor decisão que tomei na vida! As vezes eu esqueço que estou usando ele, de tão confortável que fica, já que ele é maleável e se ajusta ao nosso corpo. Falando assim parece que é algo super complicado, mas hoje em dia você encontra vários grupos em redes sociais e tutoriais de como usar e higienizar seu Coletor menstrual. Aqui tem o link de um grupo no Facebook pra trocas de experiências com o Coletor Menstrual.

Basicamente, você precisa esterilizar ele a cada fim de ciclo em uma panelinha de ágata para não soltar resíduos no coletor e durante o uso é só lavar em água corrente com um sabão neutro ou só com água mesmo.

.

Esses três substitutos para o absorvente são mais caros de início, mas duram muito e em poucos meses você já vai ter economizado bem mais do que se estivesse comprando absorvente todo mês. Sem contar que vai estar ajudando o planeta e fazendo um bem danado a sua saúde íntima.

Copo Descartável

Eu parei de usar copo descartável tem vários meses porque tenho um copo retrátil que dura “pra sempre”. Existem copos assim com vários tamanhos e você pode guardar facilmente na bolsa e até no bolso. Eles são bem maleáveis e fáceis de lavar.

copo retrátil

.

Canudo de Plástico

O plástico tem acabado com a vida marinha e os canudinhos descartáveis que parecem ser inofensivos podem acabar com a vida de tartarugas marinhas e outras espécies que são tão importantes para o planeta. Minha alegria hoje em dia é comprar bebidas fora de casa e falar “não precisa de canudo” porque me sinto uma fada ecológica (hahaha). Hoje uso canudos de metal que sempre deixo na bolsa e são bem fáceis de limpar. Eles vem com uma escovinha para quando você beber sucos e afins.

canudo de metal

.

Se você não encontrar esses canudos, uma forma de parar de consumir os descartáveis é levar o canudo daqueles copos divertidos que a gente encontro em todo lugar.

Sacolas plásticas

Essa eu ainda estou em processo de parar de consumir porque muitas vezes esqueço de sair com minha ecobag, mas estou me policiando melhor nesse sentido. As outras embaixadoras já conversaram sobre isso aqui e, inclusive, a Érika propôs um desafio.

ecobag

.

Na hora de fazer as compras do mês, dá pra usar caixas, ou as ecobags, que são muito resistentes e baratas. Além disso, se você tiver carro, da pra colocar as compras direto no porta-malas.

Essas são algumas coisas simples que podemos fazer para ajudar o planeta e de quebra, economizar. As vezes pensamos que produtos ecológicos são caros, mas é só pensar no quanto eles vão durar em comparação aos descartáveis que você percebe que o gasto é mínimo!

Você também pode pensar que o seu consumo não faz diferença em um mundo cheio de gente, empresas e tudo mais, mas se a gente espalhar essa mensagem, mais pessoas com esse pensamento e mais empresas como a Bio Extratus irão existir. Nosso trabalho pode parecer pequeno, mas ele é multiplicador e pode mudar a realidade das próximas gerações.

Quer conferir o que a Bio Extratus faz? A política ambiental deles está no site ou você pode ver aqui embaixo.

.

Nunca é tarde para mudar seus hábitos e transformá-los em algo bom para todos. Vamos juntos?

luciellen-assis

Luciellen é baiana, de Feira de Santana. Aborda temas, em seus canais, que variam entre estética e beleza negra, moda, autoestima, empoderamento e relações raciais.

Luciellen Assis

Luciellen é baiana, de Feira de Santana. Aborda temas, em seus canais, que variam entre estética e beleza negra, moda, autoestima, empoderamento e relações raciais.

Eco-Fashion Week 2018

21.nov.2018

Entre os dias 15 e 17 de novembro estive na segunda edição da Brasil Eco Fashion Week, maior evento de moda e de sustentabilidade da América Latina, que reúne marcas, criadores e empresários com a proposta de fazer moda de uma forma que respeita as pessoas envolvidas no processo de produção e o meio ambiente.  

Brasil-Eco-Fashion-Week

.

Com o tema Inovação e Diversidadea programação contou com desfiles, oficinas e palestras, além de um showroom com a presença de 50 marcas de vestuário, calçados e acessórios, de todo o país.

A indústria da moda é uma das mais poluentes do mundo e tem profundos impactos socioambientais:

– Hoje 36 milhões de pessoas trabalham em situação de escravidão.

– Em São Paulo, existem mais de 16 mil oficinas clandestinas.

– No Brasil, são descartadas 170 mil toneladas de lixo têxtil anualmente.

– A fabricação de uma calça jeans consome 11 mil litros de água, enquanto 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso a água potável no mundo.

Diante desses dados e das denúncias graves envolvendo grandes marcas em trabalho escravo,  e de tantas notícias que revelam que estamos caminhando cada vez mais rápido rumo ao esgotamento dos recursos naturais, é cada vez mais necessário e urgente refletirmos sobre o nosso próprio consumo e apoiarmos quem busca produzir moda que gera impacto positivo no mundo.

Nesse contexto, surge a moda consciente, ou seja negócios comprometidos com a transparência e com o desenvolvimento social e ambiental, em todos os estágios possíveis da produção.

Brasil-Eco-Fashion-Week

.

Vocês tem alguma ideia do que acontece com o tecido do pára-quedas, que é um equipamento de segurança, quando acaba o seu prazo de validade ou já se perguntaram o que acontece com os guarda-chuvas quebrados, abandonados pelas ruas da cidade? Graças a alguns empreendedores que tive a oportunidade de conhecer, alguns desses materiais, que seriam descartados, são colhidos por cooperativas, formadas por mulheres em situação de vulnerabilidade e são transformados em peças de vestuário e acessórios, como casacos, vestidos e mochilas.  Materiais de construção e restos de obra, que poderiam parar em aterros e lixões, também são usados como matéria-prima de brincos, colares e outras peças e projetadas por mulheres, muitas delas sobreviventes de violência doméstica. Esses são alguns dos exemplos de como é possível ressignificar recursos que já existem (portanto não precisam ser produzidos) para reduzir o impacto da produção de novos materiais e ainda gerar renda e autonomia para pessoas que precisam reconstruir suas vidas.

Brasil-Eco-Fashion-Week

.

Além dos itens feitos com material de reuso e de iniciativas que fomentam a economia solidária e justa, vi peças incríveis criadas com materiais orgânicos e biodegradáveis, extraídos de forma responsável, como algodão orgânico e outras fibras naturais. E não pensem que moda sustentável precisa ser monótona e monocromática, baseada exclusivamente no tingimento natural com folhas e flores em tons que variam do creme ao terroso (embora essa seja uma tendência consolidada, que faz muito sucesso nesse meio, já que o tingimento de tecidos é altamente poluente para a natureza).

.

Empreendedores no setor da moda sustentável estão pesquisando e investindo em inovação e em tecnologia para otimizar o uso dos recursos, com o objetivo de atender um público cada vez maior e mais exigente e desenvolver soluções que possibilitam uma moda que vai desde a marca de sapatos veganos que fatura mais de R$ 1 milhão ao ano a marca de biquíni e a calcinha absorvente reutilizáveis, desenvolvidas por financiamento coletivo. Tem também peças criadas com semente de açaí, roupinhas de bebê de algodão pima, vestidos de alta costura para festas sofisticadas, além de roupas customizadas, feitas com impressoras 3D, para atender as próximas gerações. No evento, também teve espaço para as mulheres de culturas tradicionais, como as indígenas, que resistem criando brincos, colares e peças utilitárias, para preservar a cultura do seu povo.

  

Carlos Bacchi
Brasil Eco Fashion Week
SP,17/nov/2018
foto: Marcelo Soubhia/Fotosite

.

É tanta novidade incrível, que desperta os nossos impulsos consumistas e da aquela vontade de trocar todo o nosso guarda-roupa, feito com matéria prima poluente e mão de obra escrava, por peças ecológicas e sustentáveis. Mas ao acompanhar as discussões sobre moda consciente, a gente entende que não faria sentido descartar todas as peças que temos, pois não tem nada de sustentável nessa atitude. Fora que os preços ainda não são tão acessíveis assim, em alguns casos, especialmente no das peças feitas a mão. Aliás, embora eu quisesse comprar inúmeros itens, fiquei feliz com o meu autocontrole e com as minhas duas aquisições, pautadas pela necessidade: uma calcinha absorvente (para complementar o uso do coletor menstrual, que em dias de fluxo mais intenso mancha as minhas roupas) e uma roupinha de bebê, para presentear uma amiga.

Refletir sobre o nosso consumo de moda e evoluirmos para um consumo mais consciente, que valoriza pequenos produtores e o trabalho criativo e artesanal, é tão válido e necessário quanto questionar as marcas que produzem as nossas roupas e a própria política e políticas públicas que impactam o setor.

Após três dias de evento, saí inspirada. Tudo indica que apesar de termos um mercado incipiente, as  possibilidades são amplas e mostram que existe um enorme potencial a ser desenvolvido pela indústria têxtil e pela moda sustentável e iniciativas para compartilhar essas informações, para que as pessoas, possam cada vez mais praticar o consumo de moda consciente.

Clique aqui para conferir a cobertura completa que fiz do evento, no Instagram.

Criou o Blog das Cabeludas, Crespas e Cacheadas em 2008 e é uma das idealizadoras da Marcha do Orgulho Crespo Brasil (2015). Ambas iniciativas tem objetivo de empoderar mulheres a aceitarem seu cabelo natural. É bacharel em Relações Internacionais, Vegana e especialista em Marketing Digital.

Nanda Cury

Criou o Blog das Cabeludas, Crespas e Cacheadas em 2008 e é uma das idealizadoras da Marcha do Orgulho Crespo Brasil (2015). Ambas iniciativas tem objetivo de empoderar mulheres a aceitarem seu...

Topa um desafio de praticar a sustentabilidade?

24.set.2018

Oiiiii, tutopom?!

Vamos falar sobre SUSTENTABILIDADE?

Sabe que eu estava pensando esses dias que virou tão normal essa palavra no nosso dia a dia, mas será mesmo que ela é uma verdade em nossas vidas? Confesso que fiz uma “autoanálise” e percebi que ainda posso melhorar e MUITO! Começando pelas pequenas atitudes. Uma delas foi levar ecobag no mercado. Passei a levar depois que participei da gravação da Websérie da Bio Extratus que debatemos sobre sustentabilidade, e na gravação fui desafiada a ter mais consciência com o nosso planeta. E a partir de então decidi ir muito feliz para o mercado com minha Ecobag! Entendi que ela é muito mais do que uma sacola, ela representa um planeta mais digno!

sustentabilidade ecobag

.

Sabe por que? Porque o nosso planeta está sufocado por bilhões de toneladas de plásticos.

sustentabilidade ecobag

.

Um resuminho pra você entender o tamanho desse impacto: a maioria desse lixo vai parar nos oceanos. O que acontece? Os peixes acabam se alimentando de plástico. Alguns morrem e outros, a gente ingere. Isso mesmo, nós humanos também podemos acabar ingerindo micropartículas de plástico que podem causar danos a nossa saúde. Isso é só pra você ter uma noção do perigo. Outro fator agravante é o tempo de decomposição: uma sacola de plástico pode levar de 100 a 400 anos para se decompor na natureza. Então, faz as contas de quantas sacolas você
utiliza quando vai no mercado. A conta no ano fica grande demais!

sustentabilidade ecobag

.

É por isso que te dou 3 razões para você parar de usar sacolinhas plásticas e levar já a sua ecobag para o mercado.

.

sustentabilidade ecobag

1. Nessa ecobag verde da foto que estou usando, você consegue colocar itens de, no mínimo, umas 4 sacolinhas de mercado. Ou seja, será muito mais prático para você carregar. Se mora em prédio então, superfácil levar no elevador ou subir as escadas.

2. Levando a sua ecobag no mercado, você estará espalhando a mensagem e mostrando através da sua atitude que você se importa com o nosso planeta e mais pessoas serão influenciadas.

3. E ela é multiuso, além do mercado, ela pode ir com você na praia, no picnic, no clube, enfim, ser sua companheira!

E aí, aceita o desafio?

Acredito muito que a mudança no coletivo deve começar individualmente!

Continuo revendo atitudes que posso melhorar. E você, qual atitude pode mudar?

Poste uma foto sua nas redes sociais com a hashtag #EcobagBioExtratus pra gente juntos espalharmos essa mensagem!

Bjokas da Japa e até a próxima :*

Erika Okazaky

Érika Okazaki é Jornalista especializada em Design de Moda, Consultora de Imagem formada pelo IRCNY – Image Resource Center of New York. Abriu a própria fábrica de confecções aos 17 anos e adora empreender. Desde 2009 atua na área de comunicação com o Programa Na Moda, que já passou pela TV Bandeirantes PR, Record PR e Record News Internacional – Europa e África. Érika também é professora da Pós Graduação, palestrante e ministra Workshops de Moda e Imagem.

Érika Okazaki

Érika Okazaki é Jornalista especializada em Design de Moda, Consultora de Imagem formada pelo IRCNY – Image Resource Center of New York. Abriu a própria fábrica de confecções aos 17 anos e ado...

Como praticar a sustentabilidade no dia a dia?

20.set.2018

Toda vez que pensava sobre sustentabilidade, eu tinha uma imagem meio distorcida do assunto e jurava que eu não era uma pessoa sustentável. Na verdade, não era mesmo. Quando morava no Brasil, o máximo que eu me preocupava era em não tomar banhos demorados e não deixar as luzes acesas. E só.

Quando vim morar em NY, muita coisa mudou, inclusive minhas atitudes sustentáveis. E sabem quando eu fui me dar conta disso? Quando gravei este vídeo aqui:

.

Quem conhece a Bio Extratus sabe dos seus valores e sabe que um dos pilares da marca é justamente a sustentabilidade. Então, não poderíamos começar a websérie de outra forma senão falando sobre isso (se quiser acompanhar os outros episódios, clique aqui!).

Enquanto conversava com as meninas, eu fui me dando conta da quantidade de atitudes sustentáveis que passei a ter depois que me mudei. Queria dizer que foi por livre e espontânea vontade, mas a verdade é que morar em uma cidade que se preocupa com isso (NY é considerada a cidade mais sustentável de todo os EUA) faz você mudar seus hábitos. Mas muitas dessas atitudes que eu passei a ter por influência do meu meio podem ser aplicadas em qualquer lugar. Por exemplo:

Tenha sempre uma ecobag com você

Elas são ótimas não só para reduzir a quantidade de sacolas de plástico, mas também para ajudar a levar as compras pesadas. Eu tenho umas maiores que levo quando faço compras e tenho outras mais fáceis de dobrar e que uso em bolsas menores do dia a dia. Escolha uma com alças maiores que permitam que você leve a parte mais difícil no ombro e você nunca mais vai querer sacolas de plástico.

Evite impressões

Aqui a onda paperless (sem papel) é grande e muitos lugares te dão a opção de mandar tudo para o seu e-mail ou mensagem no celular. Isso vale desde ingressos para eventos a notas fiscais. O que eu acho que, além de ser bom para o meio ambiente, é bom para mim, que mantenho o que preciso no meu e-mail, sem correr o risco de perder. Se der para fazer tudo online, escolha essa opção!

Doe ou venda suas roupas

Acho que esse é um dos itens mais fáceis de seguir. Procure lugares que aceitem doações ou então faça um bazar com as amigas. Venda suas peças em algum brechó ou até mesmo online.

Compre em brechó ou bazares

Falando em brechó, esqueça a ideia de comprar peças vintage ou antigas cheirando a mofo (eu admito que tinha essa ideia). Existem vários com peças atuais e super bem-conservadas. É uma ótima forma de fazer a moda girar e ainda por cima gastando menos.

Informe-se sobre a coleta seletiva

Veja no seu prédio ou na sua cidade como é realizada a coletiva seletiva. Aqui, separar o lixo para reciclagem é obrigatório, e quem não faz isso é multado. No Brasil não existe multa, mas existem meios de fazer a coleta seletiva. Infelizmente nem sempre é bem divulgado, por isso vale saber como ela é feita na sua cidade e bairro.

Opte por meios de transporte públicos

Acho que essa foi a maior mudança que aconteceu na minha vida. Se, antes de vir para cá, eu usava o carro para basicamente tudo, aqui ter carro não é uma opção. O transito é caótico, os estacionamentos são caríssimos e temos muitas opções de transporte público eficientes, além de andarmos muito a pé também. Sei que nem todas as cidades contam com essas facilidades, mas acredito que qualquer oportunidade de deixar o carro na garagem já vale.

E aí? Quais são as suas atitudes sustentáveis? Vamos colocar a sustentabilidade em prática!

Carla Paredes Futilidades

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, sempre procurando um equilíbrio saudável entre a vida de mãe e de mulher.

Carla Paredes

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, sempre...

Sustentabilidade: o que tenho feito para melhorar?

6.set.2018

sustentabilidade

Oi, meus amores! Tudo bem? Em julho eu tive o prazer de ir para Alvinópolis, cidade de Minas Gerais, onde fica a fábrica da Bio Extratus, com as embaixadoras da marca. E lá, fotografamos a campanha #Amesuanatureza e gravamos vários episódios da nossa websérie!

No primeiro episódio da websérie, tive a honra de participar, e abordamos o tema Sustentabilidade. Érika, Carla, Maraísa, Nathi blog e eu batemos um papo e dividimos nossos hábitos e experiências sobre esse tema tão importante.

A sustentabilidade é a capacidade do ser humano interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras.

Eu estava meio receosa, pois do grupo, eu era a que menos tinha hábitos sustentáveis. Mas a conversa com as meninas foi super bacana, porque eu aprendi muitas coisas com elas, mas principalmente, enxerguei que precisava melhorar alguns hábitos.

Eu demorava muito tomando banho, e com o chuveiro ligado o tempo todo. Agora eu me policio e não ultrapasso 15 minutos no banho (lavando o cabelo) e 8 minutos (sem lavar o cabelo). Está sendo difícil, mas penso no nosso planeta, penso que o nosso bem mais precioso (água) está acabando!

Outro fato erradíssimo, na minha casa usamos muito copo descartável, por preguiça de lavar tanto copo. Errado e preguiçoso. Suspendemos o uso dos copos descartáveis desde a minha volta à Brasília.

Nas idas ao supermercado, levo caixa para colocar as compras, pois as sacolas poluem muito nosso planeta.

Bom, basicamente tenho feito isso. Sei que está longe de ser algo 100%, mas aos poucos, os hábitos vão sendo moldados. E você? O que tem feito? Seus hábitos são sustentáveis?

Um super beijo!!!

Nat Lustosa.

Nat Lustosa

Nathalia, 23 anos, é advogada, mas sua paixão é o mundo da beleza – especialmente cabelo e maquiagem. Dedica seu tempo a produzir conteúdo simples e acessível, buscando ajudar as pessoas a se sentirem ainda mais bonitas. Ama ensinar através do seu canal no YouTube, onde publica vídeos semanais dando dicas superlegais desse tão amplo universo feminino.

Nat Lustosa

Nathalia, 23 anos, é advogada, mas sua paixão é o mundo da beleza – especialmente cabelo e maquiagem. Dedica seu tempo a produzir conteúdo simples e acessível, buscando ajudar as pessoas a se s...

Carregar Mais