Naturalmente Bonita

Por um mundo com menos competição feminina

2.abr.2018

Por muito tempo eu descobri que, mesmo sendo uma pessoa com muito mais amigas do que amigos, a competição feminina era minha companheira inseparável. Aquela que estava ali, do meu lado, sussurrando sempre no meu ouvido como outras mulheres eram melhores que eu.

 

Na começo da adolescência eu me intimidava com a menina que tinha o cabelo mais bonito, que era mais magra, que era mais popular. “Como alguém vai olhar para mim se eu não sou ela?” “Como deve ser a vida dela?” Fui descobrir muito tempo depois que essa mesma menina popular que me intimidava também se sentia insegura ao olhar pra mim por outros motivos. Motivos que eu não via como feitos ou qualidades na época.

 

Do meio para o final adolescência, quando os namorados, os rolos e as paqueras (ainda existe esse nome? É crush que fala agora, né?) começaram a surgir, a competição feminina me apresentou para a sua prima-irmã, a rivalidade feminina, que alimentou todo tipo de ciúme e insegurança. A menina que estava falando com o menino que eu estava de olho com certeza era a maior mau caráter. E a que ficou com o namorado da minha melhor amiga – mesmo não sabendo que ele estava namorando? Vagabunda, claro, tem que esfregar a cara dela no chão (olha o nível de maturidade desse conselho).

 

Foi preciso eu cair na cilada de um dos meninos mais bonitos da série, junto a mais 3 outras meninas, para entender as variadas nuances dessa competição e o tamanho da roubada que seria se eu entrasse nessa. Foi preciso eu arrumar um namorado com fama de pegador e que nunca tinha namorado sério e receber mensagem de ex-ficante (linda, por sinal) me parabenizando pelo namoro, mas contando como foi incrível transar com ele, para eu entender que nem sempre existe um lado mais frágil nessa balança. Todas as mulheres caem nas garras da competição.

 

Aí fui para a faculdade, onde a pressão de mostrar-me talentosa, criativa e dona de uma futura carreira brilhante pegou feio, me deixou completamente insegura e justamente aí eu cedi ao papo da competição. Passei 4 anos da minha vida achando meus trabalhos uma droga se comparado com o de outras pessoas, ou melhor, mulheres. Passei esses anos todos querendo ser tão estilosa como a menina que fazia aula de ilustração comigo, ou ter um armário tão legal quanto da garota que fazia aula de história da moda. Poxa, por que eu não era talentosa como aquela menina que fez a melhor apresentação da aula de Gráfica? Demorou anos para eu entender que gastei uma energia preciosa da minha faculdade me comparando e competindo com outras mulheres, e era uma competição soltária, que vinha apenas do meu lado. Me prometi que nunca mais faria isso.

 

Mas fiz. Mundo de blog pode ser um caminho traiçoeiro. Ainda mais mundo de blogs de moda. Era sempre uma história de “por que ela conseguiu pegar esse trabalho e eu não?” “Por que ela está fazendo sucesso e eu não, se fazemos o mesmo conteúdo?” “Será que é porque ela é magra e eu não?” “Será que é porque aquela blogueira ali é mais bonita?” Estar em um mercado competitivo com tantas mulheres abriu espaço para a competição feminina aparecer novamente na minha vida. Mas meu mundo se abriu quando eu entendi que tem espaço para todas, que o padrão até existe e é cruel, mas ele não é importante se seu conteúdo conectar-se com suas leitoras.

 

Era um foco no lugar errado novamente e, depois que criamos o #PapoSobreAutoestima, comecei a ver tantas outras mulheres compartilhando suas histórias e percebi que não dá mais para focar no lugar errado.

 

Desde então, tem sido maravilhoso enxergá-las de sua forma mais genuína. Não importa se são mais bonitas, mais talentosas, mais inteligentes, mais articuladas, mais famosas. Todas nós temos nossas particularidades, nossas inseguranças, nossas histórias, nossos medos e nossas superações. E, no fim das contas, tantas coisas são parecidas, que fico me perguntando por que e pra que focamos nas nossas diferenças, justamente naquilo que faz cada uma de nós ser especial e única? Chega.

 

A gente não precisa disso, eu não preciso disso e certamente você também não.

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, sempre procurando um equilíbrio saudável entre a vida de mãe e de mulher.

Carla Paredes

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, ...

Um ano com muito #PicnicDoPapo e Bio Extratus! <3

9.fev.2018

2017 foi um divisor de águas nas nossas vidas. E uma das maiores mudanças que tivemos foi trazer a relação que a gente tinha com nossas leitoras no online para o offline.

Isso era um projeto que já estava nos nossos planos há algum tempo, mas sempre achávamos que faltava alguma coisa para realizarmos. Depois de 7 anos no mercado, a necessidade de se reinventar falou mais alto e mudamos tudo: site, posicionamento do blog e essa vontade de ir além. Estávamos há muito tempo fazendo a mesma coisa, então a hora de tentar novidades era agora! Por que não tirar logo do papel essa vontade de nos aproximarmos das nossas leitoras?

Nosso grupo no Facebook – o Papo sobre Autoestima – foi um fator encorajador para darmos esse pulo. E foi assim que surgiu a primeira pool party, em fevereiro de 2017. A Bio Extratus, claro, estava lá. Pudemos mostrar para as convidadas da festa os motivos de amarmos as escovas Michel Mercier (a Pack&Go foi um sucesso na beira da piscina) e por que os finalizadores com filtro solar e proteção térmica eram os melhores companheiros para o verão. Só que a gente queria mais.

Festa é muito legal e a gente ama, mas o projeto #paposobreautoestima é tão mais que uma comemoração que não demorou muito para que os nossos objetivos ficassem maiores a ponto de querermos arrumar uma outra forma de trazer as discussões do grupo para a vida real. E foi assim que surgiu o #picnicdopapo.

Começamos entre Rio e SP e não demorou muito para surgirem pedidos de outros lugares. Ao todo foram 8, de Curitiba a Londres, passando por Salvador, BH e Nova York. E cada um foi muito especial, com muitas histórias para contar, muita troca e amor pra dividir. Uma versão “ao vivo” do que vivenciamos online todo santo dia. A gente já sabia o poder do #paposobreautoestima, mas vê-lo acontecendo diante de nossos olhos, em uma roda que reúne tantas mulheres, sempre vai ser emocionante. É muito bacana ver como a maioria entendeu nosso objetivo e se dispôs a tentar enxergar as situações de forma mais amorosa e acolhedora.

Mas por que eu tô falando tudo isso? Porque em 2018 nossos planos estão mais ambiciosos! Se ano passado a Bio Extratus conseguiu abraçar alguns dos piqueniques, este ano o projeto é que estejamos juntas em todos! E para a gente, isso não poderia fazer mais sentido, afinal, é sempre um prazer gigante poder apresentar a marca que mais levanta a nossa autoestima (pessoal e profissional) para todas as nossas leitoras, seguidoras e participantes do projeto!

Salvador, com um piquenique que bateu recorde de participantes (60!) só foi possível por causa da distribuidora local e isso nos empolgou demais para continuar levando nosso #paposobreautoestima para mais e mais lugares com a Bio Extratus!

 

E aí? Estão empolgadas para começarem este ano com a gente?

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, sempre procurando um equilíbrio saudável entre a vida de mãe e de mulher.

Carla Paredes

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, ...

Um #paponapiscina para ficar na memória

9.out.2017

Quando pensamos em criar uma pool party do projeto #paposobreautoestima, a primeira coisa que nós pensamos foi que ela seria uma festa para celebrarmos verões sem padrões e sem julgamentos. Nossa ideia foi justamente usar uma piscina como pano de fundo para que leitoras, seguidoras e participantes do grupo se encontrassem para uma tarde descontraída e divertida, com direito a muito biquíni, maiô, caídas na piscina e muito amor próprio.

Acho que nem preciso falar como ficamos felizes de ter a Bio Extratus nos apoiando nessa empreitada, né? Porque o discurso de liberdade com seus cabelos e as diversas linhas pensadas para fazer TODOS ELES serem os melhores possíveis é muito alinhado com o #paposobreautoestima. A quantidade de linhas disponíveis para quem descoloriu, pintou de loiro, fez mechas, pintou de escuro, deixou grisalho, alisou, deixou cachear naturalmente é enorme, assim como as famílias feitas para quem quer revitalizar, fazer crescer, reidratar e tornar seus fios mais fortes.

A primeira festa teve tudo que a gente podia esperar e o feedback que mais ouvimos foi: “eu nunca imaginei que estaria em uma festa na piscina, rodeada de mulheres, dançando de biquíni e não me importando com o meu corpo nem por um segundo”.

A segunda teve um empecilho: a chuva. E, apesar de todos os nossos receios, sabem de uma coisa? Foi incrível do mesmo jeito! Muitas entraram no clima com a gente e apareceram de biquíni com saídas de praia abertas, várias de fato entraram na água e usaram os finalizadores e escovas disponíveis para experimentarem os produtos da Bio Extratus depois. Nós entramos na piscina!

Todas levaram para casa o finalizador da linha Resgate, que é um dos queridinhos, e o Óleo de Argan e Cártamo, ideal para selar as pontas e deixá-las brilhantes e bonitas. Esses dois produtos foram pensados justamente porque são sensacionais e, para quem não conhece a marca, não existe melhor porta de entrada. Quem ficou no hotel – quase 40 meninas vindas de BH, Porto Alegre, São Paulo e outros cantinhos desse Brasilzão – também recebeu no quarto o shampoo e o condicionador da novíssima linha Pós-Coloração.

E, no fim, o que ficou marcado é como a gente não precisa de um tempo maravilhoso para apoiar o #paposobreautoestima. Nesse dia, conseguimos provar que a força do coletivo em criar um ambiente sem julgamentos, com empatia e amor próprio, tem muita luz e energia. Hoje faz quase uma semana que a festa aconteceu, hoje o sol já voltou a brilhar (aliás, voltou a brilhar no dia seguinte da festa, como se São Pedro tivesse feito a chuva cair no sábado só para mostrar pra gente que somos mais fortes que condições meteorológicas) e eu ainda estou pensando em como foi tudo tão especial. E só posso finalizar esse post agradecendo à Bio Extratus por nos apoiar faça chuva ou faça sol e ajudar a levar essa mensagem de liberdade e empoderamento para mulheres de todo o Brasil!

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, sempre procurando um equilíbrio saudável entre a vida de mãe e de mulher.

Carla Paredes

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, ...

A mulher que eu gostaria de ser

5.jun.2017

 

Por mais que as redes sociais deem a entender o contrário, eu estou em uma fase de limbo. Morando em outro país, com uma criança pequena em casa que a cada dia demanda mais da minha atenção, eu tive que suspender boa parte do meu trabalho para dar conta de tudo dentro de casa. Não saio tanto quanto eu gostaria porque tem dias que só de pensar de sair sozinha com uma criança que já tem muita vontade própria já me deixa exausta. Ir ao cinema virou um programa bem caro porque temos que pagar uma babysitter. Livros que antes eu lia em uma semana, hoje eu leio em 3 meses porque chega fim do dia, eu estou cansada e só quero banho e cama, no máximo um episódio de alguma série. Faz algumas semanas que eu não faço minhas unhas (estou aprendendo a fazer em casa, mas ainda sai um verdadeiro desastre). Sö cuido dos cabelos porque posso dizer “Amém, Bio Extratus”.

 

Não me arrependo das escolhas que fiz em momento nenhum, mas volta e meia me pego tentando suprimir sentimentos estranhos, que me fazem pensar que a vida de todo mundo está fluindo enquanto a minha está parada. E diria que as redes sociais são parcialmente responsáveis por esses pensamentos. Eu vejo meu feed do instagram e acompanho a blogueira que está viajando para todos os lugares do mundo, a amiga que virou médica postando como está realizada fazendo plantão, a conhecida advogada que saiu do trabalho para um happy hour e está lá, postando feliz. Vejo a mulher que eu acho linda que é mãe integral de 3 filhos pequenos e está sempre perfeita posando para as fotos. E por um momento eu fico pensando que eu não estou conseguindo ser a mulher que eu gostaria de ser.

 

Mas aí paro pra pensar: que mulher é essa? Eu queria ser médica? Não, para a decepção do meu pai eu nunca tive dom para essa profissão. Happy Hour com roupa de escritório? Mas eu não gosto de trabalhar em escritórios – por isso o blog me satisfaz tanto e sempre amei trabalhar freelance fazendo meus horários. Eu também nunca conseguiria ser o tipo de blogueira que não para nunca em casa, pois nesse sentido eu sou super canceriana. Amo viajar, mas depois de um tempo amo mais voltar pra casa. Lar doce lar sempre. E sobre a vida da mãe perfeita, bem…eu também só posto os meus momentos mais arrumados e bonitos, então imagino que quem veja de fora também pense que eu sou a mãe perfeita, não é mesmo? Uma foto que mostra um bebê brincando em um ambiente imaculado provavelmente acontece porque o entorno está uma zona. hehe

 

Aí eu volto para a minha vida, vejo meu filho brincando e percebo o privilégio que é poder acompanhar essa primeira fase da vida dele tão de perto, sem depender de creches ou babás. Olho para a minha casa e percebo que ela está desarrumada mas é aconchegante, em um bairro incrível e uma vista de tirar o fôlego. Vejo a programação cultural da cidade em que moro e noto como ela é intensa e cheia de novidades. Depois venho para o computador e percebo que tenho meu trabalho, meus amigos e que está tudo onde deveria estar. E por fim, olho para o espelho e feliz, volto ao normal e percebo que eu já sou a mulher que eu gostaria de ser. <3

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, sempre procurando um equilíbrio saudável entre a vida de mãe e de mulher.

Carla Paredes

Carioca morando em Nova York, mãe do Arthur e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de moda, beleza e autoestima, ...

Existe muito amor próprio em São Paulo

5.maio.2017

Esses dias a hashtag do papo sobre autoestima completou 1.000 publicações. Muitas histórias minhas, da Carla, das nossas amigas influenciadoras e das seguidoras do futilidades ilustraram essa coleção de fotos, cada legenda e cada imagem mexeu comigo. Tudo isso aconteceu quando Abril acabou, um mês em que pude viver experiências diferentes com esse projeto que fala sobre se conhecer, se admirar como ser humano e de se sentir naturalmente bonita.

Nesse mês embarquei para São Paulo duas vezes, as duas incluíam novos desafios de trabalho e isso mexe com a autoestima profissional de qualquer mulher, mexeu com a minha também. Senti um carrossel de emoções de ansiedade, insegurança, alegria e realização. Foi desafiador e mágico ao mesmo tempo, fez com que eu me sentisse naturalmente poderosa ao ver tudo que se concretizou nessa cidade que não é a minha.

Em abril a Bio Extratus me levou para dar uma palestra falando do #paposobreautoestima na Hair Brasil e eu tive o prazer de dividir os holofotes com a Karen Porfiro. Juntas falamos de cabelo, autoestima e sobre se sentir bonita e poderosa. Sobre quebrar paradigmas e expressar através das nossas personalidades e nossos cabelos quem nós realmente somos.

Não foi fácil falar em público, ainda mais para um público novo pra mim, mas me motivou a acreditar que posso aprender muito ainda, posso fazer muitas coisas diferentes na minha carreira e dar uma palestra pela primeira vez foi só mais uma dessas coisas que a marca me proporcionou. Não foi fácil, mas foi muito especial ver que existe tanto para se falar sobre esse assunto. Nossos cabelos nos ajudam a sermos quem quisermos ser.

 

 

Uma semana depois, ainda em abril, embarquei novamente para São Paulo, dessa vez para viver a experiência do Piquenique do #paposobreautoestima. O tempo estava feio, fazia em torno de 15ºC no Ibirapuera e nosso encontro de mulheres não se abalou. O calor dos corações e das histórias esquentou e a experiência foi sensacional, mais de 30 mulheres contaram suas histórias com relação a autoestima na maternidade, na imagem, no trabalho, no relacionamento e até mesmo nos seus conflitos internos.

Novamente a Bio Extratus estava junto de uma causa tão cheia de incentivo ao amor próprio, a expansão de consciência e a um novo olhar mais amoroso sobre si mesma. Esse projeto do Futi carrega muitos dos valores da marca e fala da importância de nos sentirmos naturalmente bem com quem somos.

Sempre poderemos mudar a cor do nosso cabelo, o corte ou até mesmo o fio. Sempre poderemos emagrecer ou engordar. Mudar de carreira ou não. Casar, separar ou namorar uma nova pessoa. Sempre poderemos mudar, mas fazer tudo isso fica mais gostoso quando nos sentimos naturalmente bonitas, quando nos sentimos naturalmente felizes com quem somos, por dentro e por fora. Tudo junto em uma unidade de nós mesmas.

A palestra, o piquenique e a hashtag me fizeram ver que tão importante quanto falar sobre a minha história é ouvir a das outras mulheres que vêm se impactando de forma positiva com os valores que nós espalhamos lá e aqui, no Naturalmente Bonita.

 

Carioca solteira no Rio de Janeiro, libriana, viciada em produtos de cabelo, e blogueira do Futilidades. Fala principalmente de relacionamento, comportamento e autoestima e busca se enxergar cada vez mais com um olhar mais amoroso e acolhedor. Sua bandeira? Incentivar uma busca pelo amor próprio.

Joana Cannabrava

Carioca solteira no Rio de Janeiro, libriana, viciada em produtos de cabelo, e blogueira do Futilidades. Fala principalment...

Carregar Mais