Naturalmente Bonita

Como construí minha autoestima

Desde que comecei a blogar, se tem um tipo de comentário que recebo diariamente, tanto no site quanto nas redes sociais, é sobre “como queria ter a sua coragem para usar biquínis”, “como queria ter a sua coragem de ir à praia”. Eu sempre fui muito livre com relação ao verão. Meu relacionamento com essa estação do ano sempre foi de amor incondicional, mesmo encarando a praia de biquíni. Minha autoestima se via muito menos confrontada nesse tipo de ambiente, pois sempre via outros corpos como o meu por lá, com biquíni e maiô, curtindo independente de qualquer coisa. Porém, quando voltava pra vida real, o stress começava.

A roupa sempre me incomodou mais do que o biquíni. Isso porque o ambiente onde uso roupas é diferente do ambiente praia/clube, onde todos estão com o dress code parecido. Ir ao shopping de cropped parecia algo impossível para uma menina gorda como eu, especialmente na adolescência. Me sentia sempre bombardeada por algum comentário maldoso, um olhar diferente ou até mesmo um padrão exposto nas mídias. Aliás, nós mulheres nos vemos diariamente confrontadas por esse padrão. Sempre rolam aquelas matérias sobre o corpo perfeito, a pele perfeita, o cabelo perfeito. E, quando não conseguimos atingir esse padrão ditado por outros, nos sentimos incapazes e não aceitas dentro desse grupo social.

O meu processo de desconstrução desses padrões e da minha autoaceitação começou há um tempinho, quando me vi questionando tudo isso. Me senti burra por não ter percebido o quanto tentar me enquadrar nele me fez infeliz durante quase 20 anos da minha vida. Me achava superinadequada em várias ocasiões e fazia o possível e o impossível para me encaixar de alguma forma em algo inalcançável. Percebi que a única coisa que isso tudo me acarretou foi uma paranoia e ideias erradas. Bem na época em que mais precisava formar meu caráter e me entender como mulher.

Quando me vi entrando na fase adulta, cheia de responsabilidades novas e projetos a serem enfrentados, comecei a pensar no quanto a minha baixa autoestima poderia ser maléfica para meus próprios sonhos. O quanto essa minha falta de respeito comigo mesma e com meus limites poderiam ser  terríveis para mim. Sim, amiga! A única prejudicada no quesito autoestima baixa é você mesma. Não é a TV, não é a revista, não é o blog de vida perfeita.

Foi então que descobri que essa mudança de hábitos e pensamentos deveria ser minha comigo mesma. Bem solitária e egoísta. Se eu pudesse colocar em uma só palavra o que aprendi sobre autoestima feminina nessa fase seria: respeito. Eu aprendi a me respeitar. Respeitar meu corpo, meus limites, minhas diferenças. É claro que esse processo de autoaceitação precisa ser reiterado e alimentado dia após dia. Para que a gente nunca se esqueça de amar incondicionalmente esse corpo que é nosso parceiro 24h por dia, 7 dias por semana. Dessa forma, a gente consegue se libertar dessas ideias antiquadas que só servem para nos colocar pra baixo e só prejudicam a nós mesmas.

 

Ana Luiza Palhares Cinderela de Mentira

Sempre muito comunicativa, Ana Luiza nunca teve vergonha de mostrar quem é e o que pensa. Adora escrever textos sobre moda inclusiva e empoderamento feminino, hoje produz looks do dia plus size, resenhas com opiniões reais sobre produtos acessíveis e conteúdo sobre autoestima e feminismo. Ana sabe que “estar na moda” é captar a essência do que é tendência e transferir para seu estilo, deixando sua marca em cada peça e independente do tipo de corpo. Hoje trabalha com consultoria de moda e imagem, marketing digital e com produção de conteúdo em seu blog Cinderela de Mentira.

Ana Luiza Palhares Cinderela de Mentira

Sempre muito comunicativa, Ana Luiza nunca teve vergonha de mostrar quem é e o que pensa. Adora escrever textos sobre moda inclusiva e empoderamento feminino, hoje produz looks do dia plus size, resenhas com opiniões reais sobre produtos acessíveis e conteúdo sobre autoestima e feminismo. Ana sabe que “estar na moda” é captar a essência do que é tendência e transferir para seu estilo, deixando sua marca em cada peça e independente do tipo de corpo. Hoje trabalha com consultoria de moda e imagem, marketing digital e com produção de conteúdo em seu blog Cinderela de Mentira.

Ana Luiza Palhares

Sempre muito comunicativa, Ana Luiza nunca teve vergonha de mostrar quem é e o que pensa. Adora escrever textos sobre moda inclusiva e empoderamento feminino, hoje produz looks do dia plus size, rese...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *