Meu cabelo vai cair após fazer a cirurgia bariátrica?

Uma das maiores queixas dos pacientes que vão operar é se o cabelo realmente vai cair demais. Mas, a grande maioria deles não sabem porque isso acontece. Então vamos esclarecer algumas dúvidas….
Estar acima do peso não significa estar bem nutrido. A grande maioria dos pacientes indicados para realizar a cirurgia já tem deficiências nutricionais prévias e que devem ser tratadas ANTES da cirurgia.
Os maiores responsáveis pela queda de cabelo pós cirurgia são: perda rápida de peso, deficiência de proteínas, de zinco e de ácidos graxos essenciais. Portanto, alimentar-se corretamente previne – e muito! –  que isso aconteça.
Acrescentar alimentos fontes desses nutrientes em sua alimentação diária é de grande valia na melhora do estado nutricional como um todo, prevenindo a queda de cabelo e inúmeras outras deficiências nutricionais que ocorrem com uma alimentação inadequada após a cirurgia.
Seu nutricionista é profissional responsável por adequar sua dieta e lhe ajudar a comer corretamente, mesmo que em volumes pequenos. Não deixe de comparecer às consultas, sua saúde é muito importante!
cabelo-queda-de-cabelo

Não subestime a inteligência do seu corpo

Seu corpo pensa e tem memória. Se, durante o mês você mantiver um padrão alimentar saudável e só sair da rotina 6 ou 7 dias cometendo excessos , seu corpo vai entender que aquele ponto fora da curva foi uma exceção, e trabalhar mais deixá-lo mais equilibrado de novo. É provável que nesses momentos você possa até passar um pouco mal, ir mais vezes ao banheiro o até ter diarréia. Isso é sinal de que seu organismo entendeu o recado e está organizando a casa de novo.

O que vamos colocar em nossos pratos ao nos servir é uma escolha que fazemos várias vezes ao dia. O segredo da boa alimentação é optar por alimentos que vão de fato nutrir nosso corpo, e não apenas alimentá-lo. Ninguém precisa ser nutricionista para saber, por exemplo, que frituras são ricas em gorduras e devem ser consuidas com cuidado. Ou que sorvetes e doces são cheios de açúcar e gorduras e precisam ser evitados. Mesmo as pessoas que não se interessam muito pelo assunto sabem muito bem o que faz mal à saúde.

É possível dividir em categorias o que é necessário fazer. Simples assim.

Consumir menos

Consumir mais
GorduraFibras
AçúcarVitaminas
SalMinerais
ÁlcoolÁgua
IndustrializadosComida de verdade

 

prato-saudável

Sorvete mamão com açúcar

Mamão com açúcar! É isso mesmo, modo de dizer, jeitinho simples e direto de falar que essa receita é fácil de fazer, comer e ver os resultados que ela oferece ao corpo, isso pelo simples fato de ser natural e não engordar.

nb_estetica_sorvete_com_banana_comer_nao_engordar_01

De todas as guloseimas e as gostosuras preferidas por grande parte da população mundial, o sorvete desponta e permanece nos primeiros lugares desse ranking. Muita gente gosta e também não vive sem ele.

nb_estetica_sorvete_com_banana_comer_nao_engordar_02

Para continuar aproveitando o seu sabor, sem engordar ou ingerir um excesso de açúcar e gorduras, substituímos todos os ingredientes tradicionais e industrializados por banana, cacau e mais nada. O quesito sabor irresistível continuou o mesmo.

Simples, não é mesmo? Passe no mercado, compre as bananas, um saquinho de cacau em pó e experimente fazer em casa para você, para a família e para os amigos.

Antes de começar é importante saber que a banana deve estar congelada. Aprenda a receita:

  1. BANANA, CACAU E LIQUIDIFICADOR SÓ

nb_estetica_sorvete_com_banana_comer_nao_engordar_03

1 banana picada e congelada + 1 colher de sobremesa de cacau (porção para uma pessoa)

COMO FAZER: bata no liquidificador até obter um creme e sirva. A receita está pronta, mas caso queira adoçar, use um pouco de mel.

Alimentação durante a TPM

Durante o período pré-menstrual vários sintomas como  dores de cabeça, câimbras, obstipação intestinal, edema e irritação são comuns, porém podem ser amenizados com uma dieta contendo alguns alimentos que ajudam a evitar estes agravantes. Supõe-se que uma ingestão aumentada de cálcio poderia prevenir as alterações no humor antes e após o período menstrual. Assim, um copo de leite magro extra ou uma xícara de couve por dia parecem ajudar na cura ou prevenção destas alterações.

A intensidade do fluxo menstrual pode ocorrer devido à carência dos alimentos ricos em manganês. Para ajudar a prevenir essas perdas menstruais anormalmente intensas, ingerir alimentos ricos nesse nutriente como frutas (principalmente abacaxi) e vegetais; grãos integrais; nozes e sementes.

Uma pequena ingestão de carboidratos ricos em amidos (pão, batata, massas, aveia, arroz) a cada 3 horas e uma hora ou menos antes de se deitar ou levantar, combate os sintomas da TPM.

Um dos fatores que podem afetar negativamente a TPM é a cafeína, portanto seria adequado não ingerir bebidas que contenham a mesma como chá, café ou refrigerantes.

Uma dieta saudável é capaz de amenizar os desconfortos da síndrome pré-menstrual. Vejam quais são os nutrientes e os alimentos que recomendados neste período…

  • Vitamina B6: contra enjôo, cefaléia e irritabilidade. Boas fontes: arroz integral, germe de trigo, aveia, amendoim, nozes, batata, banana, salmão, atum, fígado de boi.
  • Vitamina E: evita cefaléia, dores nas mamas e cólicas. Boas fontes: cereais integrais, noz, castanhas, azeite de oliva, azeitona, óleo de soja e de girassol, milho, gema de ovo, agrião.
  • Cálcio: alivia cólicas, dor nas costas e nervosismo, porque diminui a contração muscular dolorosa do útero e diminui a retenção de líquidos. Boas fontes: leite e derivados, vegetais e folhas verde escuros, couve e brócolis.
  • Magnésio: este mineral tem função complementar às funções do cálcio, portanto pode diminuir dores na intensidade de contração dos músculos. São boas fontes de magnésio as folhas verdes escuras.
  • Ácidos Graxos: reduz irritabilidade e dores nas mamas. Boas fontes: óleos de peixes marinhos e frutos do mar (ricos em ômega 6 e ômega 3) Bons exemplos: salmão e atum.
  • Vitamina D: necessária à assimilação de cálcio e magnésio, nos ossos. Porém, não é específico para a TPM, e sim para toda a vida da mulher, pois previne a osteoporose.

Cuidado com alguns alimentos…

  • Café: atua sobre o sistema neurosensorial, age sobre o sistema rítmico, acelerando o coração a digestão, além de conter inúmeras substâncias da torrefação do café que são tóxicas e muito prejudiciais ao fígado e a vesícula. O café parece atuar sobre o retículo sarcoplasmático, aumentando a permeabilidade ao cálcio, que torna disponível ao processo de contração, podendo provocar câimbras. A cafeína pode causar insônia, dores de cabeça e irritabilidade.
  • Chá Preto: atua no aparelho digestivo provocando obstipação.
  • Chá Mate: tem ação estimulante sobre o sistema nervoso, mas não é tão forte quanto o chá preto e o café.
  • Guaraná: tem conteúdo de cafeína três vezes mais do que no café, por isso deve ser evitado nesse período.
  • Chocolate: tem função semelhante ao café e o chá. Deve ser ingerido com moderação devido ao alto teor de gordura, podendo ocasionar ganho de peso.

Com relação às câimbras, estas podem ocorrer devido ao desequilíbrio de sódio e potássio, que favorece a entrada de cálcio na célula provocando a contração. Neste caso o ideal é o consumo de alimentos ricos neste nutriente (cálcio) que seriam os leites e derivados e alguns folhosos como brócolis e repolho principalmente.

tpm

Reganho de peso pós cirurgia bariátrica

O sucesso da cirurgia bariátrica é definido como perda mínima de 50% do excesso de peso durante os dois primeiros anos e sua manutenção a longo prazo.
Após dois anos de cirurgia, os pacientes praticamente não emagrecem mais. nesse período, inicia-se a fase de manutenção, mas muitas vezes os pacientes voltam a ganhar peso. Mas, por quê isso acontece?
As hipóteses são:
Dilatação da bolsa gástrica e aumento da capacidade funcional absortiva do intestino delgado, reduzindo os efeitos restritivos e disabsortivos da operação:
Embora pouco comum a dilatação da bolsa gástrica ou da anastomose gastrojejunal pode ocorrer após a operação, em função da elasticidade do estômago. Essa dilatação leva à consequente redução da saciedade e aumento da ingestão alimentar a longo prazo.
Sedentarismo:
O sedentarismo, assim como o comportamento alimentar pode ser considerado importante fator na manutenção  e na reaquisição de peso. Diversos estudos mostram que a aderência ao programa de treinamento prediz a perda e manutenção do peso. Pacientes que praticam atividade física regular tem menor chance de reganho de peso.
Má qualidade da alimentação e retorno aos hábitos alimentares inadequados de antes da cirurgia:
Entre os principais fatores relacionados ao aumento do consumo de calorias podem-se considerar a melhora das intolerâncias alimentares e dos sintomas do Dumping, a dilatação da bolsa gástrica ou da anastomose gastrojejunal e a qualidade do alimento ingerido.
Em função da restrição alimentar provocada pela operação, os pacientes não conseguem ingerir grande volume de alimentos. Portanto, a qualidade do alimento ingerido passa a desempenhar especial valor no controle do valor calórico total da dieta.
Ao longo do tempo, observou-se que pacientes com maior dificuldade de manter o peso após a cirurgia são aqueles que apresentam o hábito de comer frequentemente, beliscando durante todo o dia, e que abusam de alimentos com alta densidade calórica como refrigerantes, doces, sorvetes, bebidas alcoólicas e guloseimas.
Redução da taxa metabólica basal:
Após a cirurgia, as alterações anatômicas e fisiológicas provocadas pela operação levam à rápida perda de peso. que parece estar associada a uma significativa perda de massa muscular. Com isso, há evidências que mostram redução na TMB e consequente predisposição dos pacientes a ganharem peso.
Vale lembrar que a cirurgia bariátrica não é milagrosa como muitos acreditam. Apesar de ser uma das melhores abordagens no controle da obesidade, ainda não é garantia de sucesso. Para que isso aconteça, ainda é necessário acompanhamentos nutricional, psicológico e médico adequado e atividade física regular.
reganho de peso