Aprendi que amar é bom, mas se amar é maravilhoso!

Sou uma shopaholic assumida e, em uma de minhas visitas ao meu shopping favorito, entrei em uma loja na qual não conhecia. As cores e estampas me chamaram a atenção, fiquei encantada com o caimento dos tecidos. 5 minutos dentro do estabelecimento e um total de 0 vendedoras para me atender. Loja vazia de clientes e com 3 funcionários que fizeram questão de me analisar de cima a baixo antes da singela pergunta: “posso ajudar?”. Quando perguntei sobre a numeração de um vestido, ouvi que não tinham peças para gente “do meu tamanho”. Detalhe que na época eu vestia 44. Fiquei atônita e sai da loja engasgada, pensando em fazer vários textões no facebook divulgando para o mundo o ocorrido.

Nós mulheres muitas vezes nos vemos bombardeadas de informações sobre o corpo “perfeito”, seja em revistas, TV ou até mesmo em blogs de moda. Depois do fato ocorrido comigo nessa loja, comecei a pensar no quanto o padrão imposto pela sociedade sempre será inalcançável. Na renascença italiana, em meados dos anos 1600, o corpo gordo era idolatrado. A mulher que possuía barriguinha saliente, seios fartos e quadril avantajado era tratada como o padrão de beleza, uma vez que na época poucas mulheres eram gordas e na maioria das vezes eram nobres. E as magras nessa época, como ficavam?

Pulando algumas gerações e caindo dos anos 30 à 50, o corpo ampulheta era o tido como ideal. Seios bem fartos, quadris avantajados e uma cinturinha de causar inveja em mulheres mais magras ou mais gordas, que ficavam à margem neste padrão. Também passamos pelos anos 60 e 90 onde quanto menos curvas, melhor. Um corpo reto, magro, com pernas longas e braços finos era essencial.

E hoje? Depois de estudar mais sobre gordofobia e até mesmo sobre feminismo vejo o quanto o padrão de beleza sempre será inalcançável. Convivo com pessoas que se acabam em cirurgias estéticas para tentar conquistar um corpo do qual nunca estará satisfeita, nunca será o suficiente. Mesmo depois de tanta reflexão, custei para entender que de fato eu não precisava ser bonita que nem fulana nem ter o corpo igual ao da ciclana, que o certo era eu ser bonita como eu, ter o corpo que eu tenho e nunca me amar menos por isso independente se o padrão da época ditar o contrário. Não devo subestimar meu corpo apenas porque uma loja não quer confeccionar roupas que o sirva, mesmo porque em meu ver quem está perdendo é ela!

Aprendi que amar é bom, mas se amar é maravilhoso!