Naturalmente Bonita

Mulheres Negras e a Indústria da Beleza

Carla Sidonio, Maju Silva, Luany Cristina, Jacy July, Thamires Rangel, Irlane Tavares, Camila Nunes, Daniele da Mata, Roberta Freitas, Preta Araujo. Quantos desses nomes você conhece e o que eles representam para você? Todas essas são mulheres negras existindo em resistência e falando sobre beleza na internet.

Antes de começarmos, é importante deixar fixado que esse não é um texto para te contar sobre o que é ser mulher negra, é um texto para te fazer pensar onde elas estão.

Mulheres negras e o mercado da beleza

Assim como a moda, a beleza é uma forma de expressão que aponta para diversas narrativas sobre si, que pode falar sobre autocuidado, autoimagem, autoestima, libertação artística, movimentação cultural, afeto, identidade, ancestralidade e, com toda certeza, comunicação.

Talvez o seu cérebro tenha te levado a partir desse momento direto para uma série de lembranças que têm relação com a sua perspectiva do que é beleza e tudo que você já viveu relacionado a esse universo. Mas agora eu quero que você pense em todos os níveis de manifestação da beleza, até mesmo as que você não tem contato, como as rotinas de skincare das asiáticas ou o reflexo da relação com a natureza para as indígenas.

Percebe como todas essas referências são válidas ainda que não sejam suas, como todas elas podem ser traduzidas no que é beleza a partir de uma bagagem que é particular?

A indústria da beleza é uma das grandes responsáveis pela valorização de determinadas estéticas em detrimento de outras, é uma via de mão dupla, capaz de representar a singularidade do significado das trança nagô para a mulher negra ao mesmo tempo que pode criar uma cultura opressora que estimula o distanciamento do cabelo natural como forma de apagamento histórico.

E apesar de grande e financeiramente ininterrupta, ela é alimentada por você! Por mim, pelos nossos desejos genuínos e pelos desejos que achamos que devemos ter, porque ela cria em nós. A indústria da beleza passa pelas nossas mãos e muitas vezes também nos acorrenta.

Então ela é uma vilã? Certo? Nem tanto. Assim como diversas outras estruturas, ela é abastecida por uma lógica racista de produção, mas que pode ser impactada fortemente pelo seu impulso de ser quem você é, de cultuar suas origens e valorizar o que faz sentido para você.

A mesma indústria que por muito tempo vendeu pentes quentes, hoje também vende produtos desenvolvidos para cuidar do nosso crespo e isso pode representar revolução se te fizer livre.

Porque falar disso no mês da consciência negra?

No começo desse texto eu te entreguei 10 nomes, 10 criadoras de conteúdo que estão além do passo a passo, 10 mulheres que sabem o que é ser mulher preta e como é ser ignorada por uma indústria que ainda dita como muitas de nós nos vemos. Eu te entreguei 10 indicações, para que você fure a bolha da “Beleza Padrão”, extremamente moldada a partir de pressupostos europeus, racista e opressora, que silencia a produção de mulheres que trazem consigo a história de um povo rico, poderoso e BELO.

Consumir o conteúdo de mulheres pretas falando de maquiagem, cabelos, cuidados com a pele e tantos outros desdobramentos, respeitando a sua essência, é também acreditar e impulsionar essa construção da beleza enquanto única e não massiva, enquanto original e não forçada. É empurrar, nem que seja um pouquinho de cada vez, a roda do mercado que gira em função do que investimos.

Lembre-se que investir transforma e quando falamos de investimento não existe unicamente a moeda do dinheiro em jogo, mas a do tempo também. Lembre-se que investir amplia e lembre-se de investir em mulheres pretas.

Joicy Eleiny

Joicy Eleiny, pernambucana nascida no interior e morando na capital. 21 anos, mulher negra, crespa e LGBT compartilhando empoderamento e provocando discussões acerca de suas lutas principalmente atra...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *