Naturalmente Bonita

Tapioca ou crepioca? Qual a melhor opção?

18.jun.2018

Muito se fala sobre o consumo da tapioca em substituição aos pães, quando o assunto é perda de peso. Porém, o que muita gente não sabe é que a tapioca tem um índice glicêmico alto (praticamente similar ao açúcar), quase não tem fibras e pode comprometer um programa de perda de peso se não for usada corretamente.

Quando queremos perder peso, o mais recomendado é usarmos alimentos de baixo índice glicêmico. Nesse caso, uma alternativa interessante seria, por exemplo, a crepioca (1 colher de sopa de goma de tapioca + 1 ovo + 1 colher de sopa de cottage). Se você colocar um pouco de linhaça ou chia (gorduras do bem), melhor ainda!

 

Adicionando proteínas e gorduras boas, conseguimos reduzir o índice glicêmico da preparação, reduzindo picos de insulina que podem aumentar as chances de você acumular gordura.

O importante é adequar o seu plano alimentar e fazer isso de forma orientada, sem que você deixe de comer as coisas que gosta. Lembre-se que o impacto que o alimento tem no seu organismo faz toda a diferença para que você consiga alcançar seus objetivos.

Portanto, na grande maioria dos casos (porque em dieta tudo depende!) a crepioca costuma ser uma melhor opção para aquelas pessoas que buscam reduzir o peso corporal.

 

Consulte sempre seu nutricionista!

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricional na Cirurgia Bariátrica. Fez diversas especializações relacionadas à obesidade (incluindo aulas de culinária), preparando-se para oferecer um tratamento completo, eficaz e o mais importante: duradouro.

Renata Rodrigues

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricion...

Exercícios de alta intensidade X perda de peso

3.ago.2016
Foi-se o tempo onde era necessário passar horas na academia para conseguir perder peso. Nos dias de hoje, muita gente não tem tempo disponível e nem disposição depois de um dia exaustivo de trabalho. Quem nunca (ou até hoje) ficou uma hora e meia na esteira e depois foi fazer aula de dança, spinning e nada do ponteiro da balança descer?
Estudos mostram que exercícios de alta intensidade e num intervalo de tempo mais curso são bem mais eficazes. Explico:
Inegavelmente, existe uma relação direta entre a prática de exercícios físicos e o controle da ingesta alimentar no metabolismo de lipídios. Tal controle não se reflete apenas em adaptações metabólicas e fisiológicas, mas também em diversas adaptações em nível molecular.
Tais adaptações incluem o aumento e/ou diminuição na expressão de diversos genes, sinalizadores e fatores de transcrição que modulam direta ou indiretamente proteínas responsáveis pelo controle do transporte, armazenamento e oxidação de ácidos graxos (gorduras).
Estudos mostram que o treinamento físico é uma estratégia fundamental no processo deemagrecimento, visto que o mesmo estimula a oxidação de ácidos graxos e sua posterior utilização pelo músculo esquelético. A intensidade do exercício está diretamente relacionada a essa oxidação, ou seja, quanto maior a intensidade maior a oxidação de ácidos graxos.
A mitocôndria é uma organela fundamental no processo de emagrecimento nela ocorrem a β-oxidação e ciclo de Krebs. O exercício de alta intensidade estimula fatores de transcrição que atuam na biogênese mitocondrial (aumento no tamanho e número de mitocôndrias). Com o aumento da quantidade de mitocôndrias a oxidação de ácidos graxos é mais estimulada, o que otimizaria o gasto de lipídios e consequentemente promoveria o emagrecimento com mais eficiência.
O exercício físico realizado em alta intensidade quando comparado ao de intensidade moderada provoca um maior estimulo em fatores de transcrição que são fundamentais no processo de oxidação de ácidos graxos.
Diante disso podemos afirmar que o exercício de alta intensidade pode ser uma estratégia eficaz para o processo de oxidação de lipídios e consequente promoção de emagrecimento.
0fb788_banner_treino_alta_intensidade.jpg_960x400_c_

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricional na Cirurgia Bariátrica. Fez diversas especializações relacionadas à obesidade (incluindo aulas de culinária), preparando-se para oferecer um tratamento completo, eficaz e o mais importante: duradouro.

Renata Rodrigues

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricion...

Meu cabelo vai cair após fazer a cirurgia bariátrica?

6.jul.2016
Uma das maiores queixas dos pacientes que vão operar é se o cabelo realmente vai cair demais. Mas, a grande maioria deles não sabem porque isso acontece. Então vamos esclarecer algumas dúvidas….
Estar acima do peso não significa estar bem nutrido. A grande maioria dos pacientes indicados para realizar a cirurgia já tem deficiências nutricionais prévias e que devem ser tratadas ANTES da cirurgia.
Os maiores responsáveis pela queda de cabelo pós cirurgia são: perda rápida de peso, deficiência de proteínas, de zinco e de ácidos graxos essenciais. Portanto, alimentar-se corretamente previne – e muito! –  que isso aconteça.
Acrescentar alimentos fontes desses nutrientes em sua alimentação diária é de grande valia na melhora do estado nutricional como um todo, prevenindo a queda de cabelo e inúmeras outras deficiências nutricionais que ocorrem com uma alimentação inadequada após a cirurgia.
Seu nutricionista é profissional responsável por adequar sua dieta e lhe ajudar a comer corretamente, mesmo que em volumes pequenos. Não deixe de comparecer às consultas, sua saúde é muito importante!
cabelo-queda-de-cabelo

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricional na Cirurgia Bariátrica. Fez diversas especializações relacionadas à obesidade (incluindo aulas de culinária), preparando-se para oferecer um tratamento completo, eficaz e o mais importante: duradouro.

Renata Rodrigues

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricion...

Não subestime a inteligência do seu corpo

24.maio.2016

Seu corpo pensa e tem memória. Se, durante o mês, você mantiver um padrão alimentar saudável e só sair da rotina poucas vezes cometendo excessos, seu corpo vai entender que aquele ponto fora da curva foi uma exceção, e trabalhar mais deixá-lo mais equilibrado de novo. É provável que nesses momentos você possa até passar um pouco mal, ir mais vezes ao banheiro ou até ter diarréia. Isso é sinal de que seu organismo entendeu o recado e está organizando a casa de novo.

O que vamos colocar em nossos pratos ao nos servir é uma escolha que fazemos várias vezes ao dia. O segredo da boa alimentação é optar por alimentos que vão de fato nutrir nosso corpo, e não apenas alimentá-lo. Ninguém precisa ser nutricionista para saber, por exemplo, que frituras são ricas em gorduras e devem ser consuidas com cuidado. Ou que sorvetes e doces são cheios de açúcar e gorduras e precisam ser evitados. Mesmo as pessoas que não se interessam muito pelo assunto sabem muito bem o que faz mal à saúde.

É possível dividir em categorias o que é necessário fazer. Simples assim.

Consumir menos

Consumir mais
Gordura Fibras
Açúcar Vitaminas
Sal Minerais
Álcool Água
Industrializados Comida de verdade

 

prato-saudável

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricional na Cirurgia Bariátrica. Fez diversas especializações relacionadas à obesidade (incluindo aulas de culinária), preparando-se para oferecer um tratamento completo, eficaz e o mais importante: duradouro.

Renata Rodrigues

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricion...

Alimentação durante a TPM

6.jan.2016

Durante o período pré-menstrual vários sintomas como  dores de cabeça, câimbras, obstipação intestinal, edema e irritação são comuns, porém podem ser amenizados com uma dieta contendo alguns alimentos que ajudam a evitar estes agravantes. Supõe-se que uma ingestão aumentada de cálcio poderia prevenir as alterações no humor antes e após o período menstrual. Assim, um copo de leite magro extra ou uma xícara de couve por dia parecem ajudar na cura ou prevenção destas alterações.

A intensidade do fluxo menstrual pode ocorrer devido à carência dos alimentos ricos em manganês. Para ajudar a prevenir essas perdas menstruais anormalmente intensas, ingerir alimentos ricos nesse nutriente como frutas (principalmente abacaxi) e vegetais; grãos integrais; nozes e sementes.

Uma pequena ingestão de carboidratos ricos em amidos (pão, batata, massas, aveia, arroz) a cada 3 horas e uma hora ou menos antes de se deitar ou levantar, combate os sintomas da TPM.

Um dos fatores que podem afetar negativamente a TPM é a cafeína, portanto seria adequado não ingerir bebidas que contenham a mesma como chá, café ou refrigerantes.

Uma dieta saudável é capaz de amenizar os desconfortos da síndrome pré-menstrual. Vejam quais são os nutrientes e os alimentos que recomendados neste período…

  • Vitamina B6: contra enjôo, cefaléia e irritabilidade. Boas fontes: arroz integral, germe de trigo, aveia, amendoim, nozes, batata, banana, salmão, atum, fígado de boi.
  • Vitamina E: evita cefaléia, dores nas mamas e cólicas. Boas fontes: cereais integrais, noz, castanhas, azeite de oliva, azeitona, óleo de soja e de girassol, milho, gema de ovo, agrião.
  • Cálcio: alivia cólicas, dor nas costas e nervosismo, porque diminui a contração muscular dolorosa do útero e diminui a retenção de líquidos. Boas fontes: leite e derivados, vegetais e folhas verde escuros, couve e brócolis.
  • Magnésio: este mineral tem função complementar às funções do cálcio, portanto pode diminuir dores na intensidade de contração dos músculos. São boas fontes de magnésio as folhas verdes escuras.
  • Ácidos Graxos: reduz irritabilidade e dores nas mamas. Boas fontes: óleos de peixes marinhos e frutos do mar (ricos em ômega 6 e ômega 3) Bons exemplos: salmão e atum.
  • Vitamina D: necessária à assimilação de cálcio e magnésio, nos ossos. Porém, não é específico para a TPM, e sim para toda a vida da mulher, pois previne a osteoporose.

Cuidado com alguns alimentos…

  • Café: atua sobre o sistema neurosensorial, age sobre o sistema rítmico, acelerando o coração a digestão, além de conter inúmeras substâncias da torrefação do café que são tóxicas e muito prejudiciais ao fígado e a vesícula. O café parece atuar sobre o retículo sarcoplasmático, aumentando a permeabilidade ao cálcio, que torna disponível ao processo de contração, podendo provocar câimbras. A cafeína pode causar insônia, dores de cabeça e irritabilidade.
  • Chá Preto: atua no aparelho digestivo provocando obstipação.
  • Chá Mate: tem ação estimulante sobre o sistema nervoso, mas não é tão forte quanto o chá preto e o café.
  • Guaraná: tem conteúdo de cafeína três vezes mais do que no café, por isso deve ser evitado nesse período.
  • Chocolate: tem função semelhante ao café e o chá. Deve ser ingerido com moderação devido ao alto teor de gordura, podendo ocasionar ganho de peso.

Com relação às câimbras, estas podem ocorrer devido ao desequilíbrio de sódio e potássio, que favorece a entrada de cálcio na célula provocando a contração. Neste caso o ideal é o consumo de alimentos ricos neste nutriente (cálcio) que seriam os leites e derivados e alguns folhosos como brócolis e repolho principalmente.

tpm

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricional na Cirurgia Bariátrica. Fez diversas especializações relacionadas à obesidade (incluindo aulas de culinária), preparando-se para oferecer um tratamento completo, eficaz e o mais importante: duradouro.

Renata Rodrigues

Nutricionista formada na UNI-BH, Renata sempre se preocupou com a forma física e com hábitos alimentares saudáveis. Possui cinco pós-graduações concluídas e uma em curso – em Manejo Nutricion...

Carregar Mais