Dicas para cabelos com raiz oleosa e pontas secas

Hey amiga, você tem a raiz do cabelo oleosa e as pontas secas? Conheço bem essa realidade! Aliás, o povo brasileiro sabe bem o que estou falando… ôôôô povo pra ter misturas de raças neh rsrsrs. Eu sou prova disso. Metade japa e metade brasileira.

 

E com essa mistura toda, o meu cabelo não é lisinho como dos “japas de verdade”. Ele é todo ondulado e, por consequência, tenho um cabelo misto: raiz oleosa e pontas mais secas, agora mais ainda por ter descoloração. Depois de 32 anos de experiência (tô ficando madura hahaha) posso dizer que aprendi a lidar com o meu cabelo, passei a entender como ele funciona e quais produtos são mais adequados. E nem sempre usar uma linha completa é o indicado para o seu cabelo! Para o meu, especificamente, desenvolvi a #MisturinhaDaJapa. Misturo várias linhas pra deixar do jeitinho que gosto. Na #MisturinhaDaJapa eu faço o seguinte:

 

 

#Passo 01

Uso a primeira e segunda mão de shampoo adstringente, aqueles transparentes que limpam bem a raiz e controlam a oleosidade do couro cabeludo. Sou megafã do shampoo Jaborandi, mas a Bio Extratus possui tb outras linhas ótimas pra isso (já tô preparando as dicas pra outro post).

 

#Passo 02

Na terceira mão de shampoo, opto por um mais hidratante, geralmente eles são perolados pra tratar as pontas que são mais ressecadas. Eu escolhi o shampoo da linha Spécialiste Resgate.

 

#Passo 03

Depois de lavar, entro com máscara ou banho de creme. Você já sabe, mas vale lembrar, aplicar somente no comprimento dos fios, nada de passar na raiz. Meus preferidos são da linha Pós-Química e da linha Queravit.

 

#Passo 04

Pra fechar as cutículas dos fios, mesmo que você aplique a máscara é importante usar condicionador. Pode ser da mesma linha da máscara.

 

#Passo 05

Se eu não faço escova e deixo secar naturalmente o cabelo, aplico um finalizador. O que tô usando agora é da linha Botica Cachos, Now Poo-Low Poo. É MARAVILHOSO e deixa o meu cabelo com efeito “Gisele Bündchen” rsrsrs. E, se faço escova, finalizo com óleo de Argan e Cártamo.

 

No vídeo eu conto mais detalhes:

Essa é minha misturinha básica para raiz oleosa e pontas secas, que pode funcionar pra você também. De tempos em tempos, vou trocando as linhas. Mas vale lembrar que cada cabelo reage de uma maneira, o importante é você “entender” o que ele se adapta mais.

 

Dica bônus: se você não sabe os produtos adequados para seu cabelo, consulte um ponto de revenda da Bio Extratus na sua cidade e se informe sobre a Análise Capilar. Existem consultoras de beleza que podem te ajudar nessa missão!

Bjokas da Japa e até a próxima :*

Aprenda 3 dicas para inserir o Ultra Violet no seu look!

2018 começou roxo!!! E a Japa tem dicas pra você, queridinha, montar looks criativos nesse tom. E por que 2018 começou roxo??? Porque a Pantone anunciou a cor do ano: Ultra Violet!

Como você sabe (este tema já foi abordado aqui no blog), a Pantone todos os anos escolhe uma cor-inspiração. E esse ano a ideia é trazer uma reflexão sobre o tempo em que vivemos: precisamos de criatividade e imaginação. É esta energia criativa e inspiradora que nos traz a cor Ultra Violet, que ilumina o caminho do que está por vir.

E agora vc me diz: ok Japa, linda cor, linda inspiração… mas como monto looks com esse tom?

Eu sei que é um desafio, mas pensando juntas, podemos criar muitos looks bacanérrimos. Mas ó, tem que estar com a mente aberta e se permitir, porque pra montar looks nudezinhos, branquinhos com violeta, a gente não precisa de dica, neh? rsrsrs… A ideia agora é se permitir. Então vamos lá!

 

Pra dar uma “mãozinha”, vamos usar o círculo cromático para misturar as cores, pois mesmo ousando precisamos fazer combinações harmônicas. Esse círculo é aquele que aprendemos nas aulas de educação artística, sabe? É usado por designers, em decoração, composições de looks, campanhas publicitária, enfim, tudo que precisa de harmonia na hora de misturar as cores. Eu aprendi usar quando fiz o curso de consultoria de imagem. Aqui, eu não vou me aprofundar sobre cores quentes/frias e estações (assunto para um próximo post), vamos usar somente para esquema de harmonia na hora de misturar.

 

#DICA 01

Então, a primeira dica é a seguinte: vamos fazer uma composição com cores análogas, ou seja, as cores vizinhas do círculo cromático, pode ser da esquerda ou da direita. No caso do roxo, os vizinhos são azul ou magenta. Fica ótimo também com looks All Jeans, um jeans nesse tom de azul. Essa composição cria uma impressão de calma e simpatia.

 

Inspirações com composições de looks com cores análogas

 

Usei o esquema das cores análogas, inserindo o violeta nos acessórios

 

#DICA 02

A segunda dica é composição com cores complementares, ou seja, cores de contrastes, cores opostas. No círculo, o violeta está em contraste com o amarelo. A gente nem imagina essas composições meio malucas, mas olha como funciona na prática. Esse esquema de combinações funciona muito bem quando você quer que as cores criem um efeito de vida, energia e principalmente quando você quer alcançar o máximo de saturação.

 

Inspirações com composições de looks com cores complementares

 

Usei o esquema das cores complementares inserindo o violeta nos acessórios

 

#DICA 03

A terceira dica é mais abusada, vamos fazer uma tríade, composição com 3 cores. No círculo cromático, a tríade que compõe com o violeta é o verde e um tom de laranja queimado. Cria um efeito de alto contraste, mas não perde a harmonia. Dá uma sensação vibrante.

 

Inspirações com composições de looks com cores em tríade

 

Usei o esquema das cores em tríades inserindo o violeta nos acessórios. Eu optei por um tom próximo do laranja queimado e a blusa verde.

 

Uma dica bacana: esse círculo cromático você pode aplicar para todas as cores que deseja fazer uma composição. Usei o roxo como base, mas aí é só escolher a cor protagonista e aplicar as mesmas “regrinhas”. Você também pode utilizar para fazer composição da Decor da sua casa.

Bom, espero que eu tenho ajudado a despertar o seu lado criativo. E borá lá, amiga, produzir looks com a cor do ano!!!

 

Bjokas da Japa e até a próxima  :*

Viagem poética

Uma viagem por um mundo de muita fé e poucos recursos. Me vi nessa situação junto com meu marido em abril de 2016, únicos brasileiros, junto a mais 7 pessoas que eram do Canadá, Alemanha, Inglaterra e Suíça, em uma missão na Ásia. Fomos parar na Índia e Nepal.

Nosso time de voluntários

 

O que nos levou para lá? A vontade de servir. A vontade de se doar. A vontade de descobrir um mundo com novas possibilidades. Foi um mês na Índia e um mês no Nepal. Mas antes disso, passamos três meses em Sarasota, na Flórida, estudando Artes. Eu escolhi “Hand Made” (trabalhos manuais) e o Johnny meu marido estudou fotografia. Na Ásia, realizamos serviços voluntários em comunidades carentes. Fazíamos tudo o que era necessário. Distribuímos comidas nas vilas, doamos remédios para leprosos, ajudamos nas construções, enfim, estávamos lá para servir as pessoas e compartilhar amor. Quando havia oportunidades, também era possível aplicar a arte que estudamos nos EUA, para poder capacitar as pessoas de lá e assim elas terem novas oportunidades para entrarem no mercado de trabalho.

Índia Outreach 2016

 

Visita às comunidades da Índia

 

Visita às comunidades do Nepal

 

Foi uma experiência diferente de tudo o que já vivi até hoje. Confesso que eu tive muitas crises durante essa viagem. É um contraste muito grande em comparação à nossa cultura, ao nosso comportamento. A desigualdade social é muito mais visível lá. Impossível não ficar “surtada”. Por três dias tive crises de choro, por não conseguir processar todas as informações que chegavam até nós. Cheguei pedir a Deus ignorância, porque não estava sabendo lidar com tudo aquilo. Para você entender uma das minhas crises, foi quando conheci uma ONG no Nepal que trabalha resgatando crianças e adolescentes do tráfico humano. Criança com quatro anos levada para o tráfico sexual. Dá para acreditar nisso? É desumano.

Nepaleses

 

Nepal

 

Montanhas no Nepal onde moramos por uma  semana

 

Quando a gente lê essas notícias daqui do Brasil é triste. Mas quando você vive essa realidade de perto é desesperador. E foi ainda mais desesperador quando pensei que não poderia fazer nada por aquelas vidas, afinal, sou jornalista com especialização em moda e estudei artes nos EUA, o que poderia fazer para ajudar? Pensei: sou uma idiota! Passado os três dias de “surto”, comecei processar melhor as informações e veio uma ideia: por que não ministrar um workshop de moda para as meninas da ONG que ficavam no setor de treinamento e costura? Estava ali a oportunidade de ressignificar a moda, compartilhar o que aprendi durante esses 15 anos que estou no mercado e entender que a moda pode ser ferramenta de transformação. Tive a oportunidade de passar um tempo com essas meninas na ONG, compartilhando um pouquinho do que aprendi através da moda. Criamos uma nova coleção e um novo business para gerar mais renda para a ONG e assim ser possível resgatar mais vítimas do tráfico humano no Nepal. Se você quiser conhecer mais sobre a ONG, aqui vai o link: www.meninasdonepal.com

Workshop de moda na ONG Meninas do Olhos de Deus – sobreviventes de tráfico humano

 

Kathmandu, capital do Nepal

 

Japa com a mão na massa, ajudando em construções no Nepal

 

E durante os dois meses vividos na Ásia fui amadurecendo pouco a pouco. Lembro de um momento que eu estava observando o céu em uma das montanhas do Nepal e me veio a lembrança um vídeo que assisti que falava o seguinte: “Pessoas não escolhem sonhos. Sonhos escolhem pessoas.” No primeiro momento pensei: isso não faz sentido. Eu sempre escolhi os meus sonhos. Mas continuei a refletir e é uma verdade. Eu nunca sonhei ver aquele céu tão estrelado. Eu nunca sonhei estar nas montanhas do Nepal. Eu nunca sonhei dedicar a minha vida a outras vidas. Digamos que eu “sonhava” outro tipo de “coisa”. E de repente a vida deu uma volta tão louca e muita coisa mudou. E o sonho me escolheu. Escolheu eu estar lá naquele momento vivendo o sonho de Deus. E o vídeo continuava a mensagem, existem muitas pessoas “meio que”. “Meio que” quer mudar de carreira. “Meio que” que quer estudar. “Meio que” sonha. Se você “meio que” quer algo, você “meio que alcançará” os seus resultados. Eu já passei por vários momentos da minha vida “meio que”. Você não pode “meio que querer”. Você tem que querer com todo o seu coração. Você tem coragem para agarrar o sonho que te escolheu? Posso dizer com todo o meu coração que sim, estou muito feliz ter agarrado o sonho que me escolheu. Tive medo? Sim. Tive dificuldades? Sim. Tive momentos que quis desistir? Sim. Mas quando você tem Deus caminhando ao seu lado, essas barreiras só te fortalecem.

Erika e Johny nas montanhas do Nepal

 

 

Esse é um resumo da “loucura” que foi o nosso 2016. Há três anos, eu e meu marido decidimos que todos os anos iríamos morar uma temporada fora do Brasil. Claro, tivemos que fazer muitas escolhas e “abrir mão” de muitos confortos. Mas confesso que foi uma das melhores escolhas que fizemos para a nossa vida. Não sei quanto tempo esse “gás” irá durar. Mas para o ano que vem já temos muitos sonhos e novas aventuras. Se você deseja perguntar sobre nossas viagens ou compartilhar a sua experiência conosco, estamos superabertos. Será um prazer!

Aqui vai meu contato:

Instagram: @erikaokazaki

Facebook: @erikaokazakimoda

E-mail: [email protected]

www.erikaokazaki.com.br

Beijos da Japa Erika Okazaki :*

Muito prazer… meu nome é Érika Okazaki

Sou Érika Okazaki, a Japa apaixonada por óculos, moda, cultura, viagens e empreendedorismo. E agora também embaixadora digital da Bio Extratus. Prefiro comida italiana à comida japonesa e amo descobrir novos sabores na vida para compartilhar com quem também curte uma superaventura. Já vivi um pouco mais de 3 décadas e meu marido biólogo/alemão me acompanha nesta estrada, filmando e clicando todos esses momentos de descobertas!

Entrevista com Romero Britto em Miami

Sou formada em Jornalismo e, na época da faculdade, resolvi ter meu próprio business. Abri uma fábrica de roupas com 17 anos. Conciliava durante o dia a produção e à noite faculdade. E o Johny, namorado na época – agora marido – era meu sócio. Depois, fiz pós-graduação em Design de Moda para aprender mais o lado fashion do meu business. Nesse mesmo período, fui convidada para trabalhar na TV Bandeirantes como repórter de moda num programa local. Não pensei duas vezes, me joguei! A vida é feita de “experimentos”, o máximo que poderia acontecer seria não dar certo. Mas deu. Tanto que decidi focar somente na TV e me joguei de novo, desta vez na estrada, para gravar matérias fora.

Na Milano Fashion Week

Tive oportunidades de participar de Fashion Weeks, conhecer muitas pessoas legais, viajar por vários lugares, descobrir novas culturas. E nessa busca o importante é sempre estar em movimento e ter sede de conhecimento. Fui para NY e fiz o curso de Consultoria de Imagem com o objetivo de melhorar o meu conteúdo para as minhas leitoras e telespectadores.

Em 2012, recebi mais um convite especial, levar o programa Na Moda para abrangência estadual na TV Record, foi incrível. Em seguida, nos deram oportunidade de veicular na Record News Internacional na Europa e África. Caraca, quantas surpresas boas a vida nos reservou.

Mas em 2015 uma reviravolta em nossas vidas. Eu e Johny fomos morar fora do Brasil. Largamos tudo e fizemos intercâmbio em Minnesota, EUA. Depois, estudamos Artes na Flórida, serviços voluntários na Índia e Nepal e a última aventura foi ano passado, no Hawaii, onde moramos por 6 meses para o Johny estudar cinema. Neste momento, estamos vivendo no Brasil, em Cascavel-PR. A próxima aventura? Acompanhe a Japa /@erikaokazaki para descobrir hehehe. Quem sabe este ano teremos surpresas, hein?!

Trabalhando no Hawaii

Pra você que teve a paciência de ler até aqui (rsrsrs) quero te encorajar a buscar coisas novas na sua vida. Você não precisa ser uma pessoa com “caminhões de dinheiro” para ter experiências legais. Eu e Johny não sonhávamos nem com a metade do que vivemos até aqui. Nós simplesmente nos permitimos, planejamos, fizemos escolhas e colhemos consequências bem interessantes (algumas nem tantos, mas faz parte do jogo hehehe). Tô louca pra compartilhar os próximos capítulos.

Vem com a gente…

Websérie: Identidade e Autoestima

Na semana passada, a Erika Okazaki (@erikaokazaki) e a Mari Simionato (@marisimi) desembarcaram em New York para uma das principais semanas de moda do mundo. E lá, além de ficar por dentro das principais tendências, ainda entraram no backstage dos desfiles para conversar sobre identidade e autoestima com as modelos e profissionais que passaram pelo camarim.

A Erika, mais conhecida como Japa, ama moda e sempre buscou um significado maior que fosse além de roupas. Descobriu que pode ser uma ferramenta de transformação na vida das mulheres. Formada em jornalismo, design de moda e consultoria de imagem, uniu suas paixões e entendeu que nasceu com “asas”. Junto com o marido Johny tem viajado pelo mundo experimentando novos sabores da vida e se redescobrindo a cada dia.

Já a Mari, a gaúcha do sotaque forte, começou dando aula de consultoria de moda e, no meio da caminhada, percebeu que as mulheres estavam lindas por fora e tristes por dentro. Foi então que ela decidiu escrever o livro “Cartas Para Minha Filha”, que fala sobre identidade e autoestima. A primeira edição foi vendida em apenas dois meses! Por conta disso, além de falar de moda em seu blog, a Mari ainda viaja o mundo ajudando mulheres a descobrirem seu potencial máximo. Hoje ela mora em Los Angeles, mas ama aeroportos e está sempre lá e cá.

As duas se conheceram nas redes sociais e amizade foi ficando mais próxima. Sabe aquela pessoa que você nunca viu, mas se sente íntima? Foi mais ou menos assim. Então, junto com a BioExtratus, elas embarcaram para New York para unir duas paixões: MODA e AUTOESTIMA. Porque, afinal de contas, não basta você estar linda por fora, seu interior também precisa estar bonito.

Elas criaram uma Websérie que gravaram durante a última edição da NYFW dividida em 4 episódios. Vem conferir e depois nos diga o que achou!!!

Erika Okazaki