Naturalmente Bonita

A moda é fútil?

22.jun.2018

Acho que posso dizer que, desde que comecei a trabalhar como consultora de moda, ou ainda, desde que comecei a estudar moda, ouço comentários sobre a futilidade da área, de como é um ambiente corrosivo, cheinho de afetação, ostentação e apreço pelo luxo.

Não vou negar que a moda tem, sim, essa veia de glamourização – ridícula, em minha opinião! – que só quer saber de mostrar “riqueza”, que trata roupas, sapatos e acessórios como artigos descartáveis, que rapidamente ficam “fora de moda”. É verdade, isso existe, sim!

Mas, quando a gente para pra pensar que a roupa que a gente veste pode servir como uma tradução de quem nós somos, do que nós acreditamos e das ideias – e ideais! – que queremos compartilhar com o mundo… ah, aí tudo muda. É nesse momento que a gente pode usar a moda como uma ferramenta útil a nosso favor, de forma que ela seja capaz de levantar nossa autoestima e de expressar, exatamente, o nosso EU.

Não à toa, restrições e regras que existiam no mundinho da moda não “pegam” mais. Quem ainda se importa com isso, pode ter certeza, está ficando pra trás.

Com isso, é muito bom perceber que o street style ganhou as passarelas e o coração das pessoas, que o conforto foi elevado à categoria máxima (vide o sucesso do tênis), que existe uma preocupação ambiental na fabricação das peças e que, cada vez mais, passamos a usar a moda como um recurso de empoderamento para nosso dia a dia.

E, gente, é tão bom ter esse empoderamento nas nossas mãos! Acho que não existe liberdade maior do que vestir o que a gente quer, quando e como a gente quer, abraçar e usar as tendências de moda que mais curtimos e que mais têm a ver com nosso estilo.

De verdade, é tão bom usarmos as peças que valorizam nosso corpo e nossa alma… Isso é fútil? Acho que não, pois acredito que, quando estamos felizes dentro de uma roupa, nos sentimos mais corajosas e mais confiantes para trilhar nosso caminho rumo aos nossos sonhos. Não precisa de luxo, não precisa de ostentação, precisa de carinho com nós mesmas, precisa amar seu corpo do jeito que ele é – acima ou abaixo do peso, alto ou baixinho – significa se olhar no espelho e gritar “sou perfeita, gostosa e vou arrasar!”

Porque, sinceramente, não existe nada mais prejudicial pra nossa autoestima do que se jogar em uma roupa desconfortável, que não tem nada a ver com nosso jeito de ser – ou pior, quando a gente veste alguma coisa pra agradar alguém e acaba deixando de lado quem realmente somos. Mas, ó, é claro que é muito legal a gente vestir aquela blusa ou aquela saia, por exemplo, pra agradar o mozão e se sentir irresistível dentro dela. O errado é a gente se anular pelo outro, se sentir mal “em nossa pele”… aí não tem como dar certo, né?

Resumindo, no final das contas, o que vale mesmo não é usar aquela peça que custou uma fortuna e que vamos suar muito pra pagar, mas, sim, se sentir arrasando, vestindo a roupa que você escolheu com o coração, que te faz sentir poderosa e alegre, e que você nem teve que morrer uma grana exorbitante nela. Diz aí: não é bom demais poder falar “amiga, essa blusinha só custou R$ 20,00 e não tiro mais do corpo!”, “customizei meu tênis e nem precisei gastar com isso”, “reformei aquela calça jeans e agora ela parece novinha”.

Aquilo, né: no fundo, a gente não precisa “rapar” o bolso pra se sentir plena!

Fontes das imagens:

Divulgação, Versace, Chanel, Harper’s Bazaar, Diversity, Wookmark

É consultora de moda, coolhunter e personal stylist formada em Propaganda & Marketing pela Universidade Mackenzie e pós-graduada em moda pelo Studio Berçot (Paris) e pelo SENAC-SP. Como produtora cultural, gerenciou projetos em órgãos públicos como na Embaixada da Espanha em São Paulo e no Museu da Cidade de São Paulo. No O Avesso da Moda é criadora e editora-chefe do blog.

Mirian Herrera

É consultora de moda, coolhunter e personal stylist formada em Propaganda & Marketing pela Universidade Mackenzie e pós-graduada em moda pelo Studio Berçot (Paris) e pelo SENAC-SP. Como p...

Pelo direito de poder vestir o que você quiser!

20.abr.2018

Outro dia me peguei pensando, após uma aula de consultoria de moda, o tanto que nós mulheres somos cobradas socialmente com relação ao que vestimos. Se estamos muito arrumadas, dizem que estamos tentando demais. Se estamos mais básicas, nos chamam de relaxadas. Se queremos usar peças da moda, somos escravas da mídia. Se queremos ficar de pijama o dia todo em casa, somos desleixadas.

Mesmo que inconscientemente, pensamos no que vamos usar em uma festa, no trabalho ou simplesmente para ir à padaria. Afinal de contas, o ato de se vestir é diário e obrigatório, tornando assim algo importante no nosso dia a dia. Mesmo a pessoa menos ligada às tendências precisa se vestir de acordo para determinada ocasião. E foi aí que me peguei pensando: até quando o que eu visto diz respeito a mim mesma ou diz respeito apenas ao que esperam de mim socialmente?

Quantas vezes você já se pegou vestindo uma peça apenas pensando no que o outro ia pensar de você? Quantas vezes você montou um look genuíno, que exprime sua personalidade de verdade? Mesmo que as regras de etiqueta existam, mesmo que alguns costumes devam ser mantidos em situações formais, por que deixamos nossa opinião de lado e damos voz aos outros?

Me questionei e cheguei à conclusão de que, muitas vezes, damos voz a essas ideias por medo de rejeição social, medo de não se sentir aceito e não fazer parte do grupo. Daí, quando paramos pra observar, vemos várias pessoas iguais, padronizadas, sem personalidade. Por que não exprimir sua personalidade em suas produções do dia a dia?

Não, não estou dizendo pra ir de chinelo para o trabalho ou de jeans para um casamento. Estou dizendo apenas para que a gente pare de se preocupar tanto com o olhar que outras pessoas terão para nossas produções. Tomemos para nós o direito de poder vestir o que a gente quiser em situações que nos permitam isso. Que a gente se permita usar e ousar peças que nos deixem confortáveis e estilosas, do jeitinho que sempre quisemos, sem medo do que o outro vai pensar a respeito. Que a gente seja realmente livre para comprar as peças não apenas por tendência ou para nos encaixarmos no padrão e sim por gostarmos dela. E que tomemos posse do nosso direito de usar a moda em nosso favor, sem nos tornarmos escravas dela.

Sempre muito comunicativa, Ana Luiza nunca teve vergonha de mostrar quem é e o que pensa. Adora escrever textos sobre moda inclusiva e empoderamento feminino, hoje produz looks do dia plus size, resenhas com opiniões reais sobre produtos acessíveis e conteúdo sobre autoestima e feminismo. Ana sabe que “estar na moda” é captar a essência do que é tendência e transferir para seu estilo, deixando sua marca em cada peça e independente do tipo de corpo. Hoje trabalha com consultoria de moda e imagem, marketing digital e com produção de conteúdo em seu blog Cinderela de Mentira.

Ana Luiza Palhares

Sempre muito comunicativa, Ana Luiza nunca teve vergonha de mostrar quem é e o que pensa. Adora escrever textos sobre moda inclusiva e empoderamento feminino, hoje produz looks do dia plus size, rese...

Moda 2018 – oito tendências pra bombar

14.fev.2018

Todo fim/começo de ano, os bureaus de estilo e comportamento mais importantes do mundo, como WGSN por exemplo, lançam um relatório sobre as principais tendências mapeadas para o novo ano. Muitas vezes, baseando-se nesse relatório, grandes marcas começam a apostar suas fichas nas propostas que prometem bombar.

É claro que, nesse tipo de estudo, vem muita coisa como sugestão que acaba não caindo no gosto das pessoas. Por isso, se torna aquele tipo de tendência que “não pegou”, que evaporou no ar. Mas é verdade também que, a partir desses relatórios, podem surgir “novidades duradouras”, daquelas que, hoje em dia, a gente até diz que são clássicos da moda, como o uso corriqueiro do animal print, o tênis elevado a um patamar fashion, as ankle boots…

Por isso, como a gente sempre gosta (né não?) de ter uma ideia do que promete virar hit nos próximos meses, separei a seguir as oito principais tendências que são as apostas que prometem fazer nosso coração bater mais forte em 2018.

 

1. BRINCO DE ARGOLA – Não é de hoje que eu comento que o brinco de argola é um clássico que está em evidência. Porém agora, mais do que nunca, ele aparece com força nos principais editoriais e desfiles do mundo inteiro. Acredite: até Chanel apresentou um par poderoso de argolas em sua passarela. Para quem quer apostar na tendência, as argolas de tamanho médio, sejam finas ou grossas, são a bola da vez, em tons de prata ou dourado.

 

2. BOHO – É, pode reparar, o estilo boho, livre e rústico, vai e volta na moda, sendo que em alguns momentos, ele se torna uma febre e, em outros, incrivelmente insignificante. Agora, a gente vive um momento de retorno dessa tendência, aparecendo abundantemente em blusas, saias e vestidos soltinhos, muitas vezes na estampa floral. Sendo que esse look boho é, geralmente, complementado por botas e jeans, para criar uma composição atualizada.

 

3. PLUMAS E PÉROLAS – Se posso dizer que há dois tipos de adornos que ganharam adeptas instantaneamente, esses “enfeites”, sem dúvida, são as plumas e as pérolas. Aparecendo principalmente em sapatos, voltados tanto para o inverno quanto para o verão, em versão casual ou mais clássica, plumas e pérolas são os detalhes que atualizam o look e que deixam a composição bem mais interessante. Ah, mas vale dizer que detalhes não se prendem só aos calçados, há propostas modernas e descoladas também em roupas, bolsas e em outros tipos de acessórios.

 

4. FRANJAS – Há bem pouco tempo (mas bem pouco mesmo), as franjas foram consideradas uma febre tão grande que chegaram a cansar logo e, por isso, foram rapidamente aposentadas e esquecidas no fundo do guarda-roupa. Acontece que no mundo fashionista, as tendências costumam voltar. Assim, já conseguimos ver as franjas circulando novamente por renomadas passarelas, aparecendo, inclusive, em versões multicoloridas. Por isso, para quem ama essa trend, vale ficar de olho em seu retorno triunfal!

 

5. POÁS – Em tamanhos variados, os poás – ou estampa de bolinhas, em bom português – prometem ser protagonistas de propostas diversificadas nos próximos meses, sejam bolinhas mais delicadas, em pontinhos pequetitos, sejam prints mais chamativas, com bolotas de encher os olhos. Por enquanto, as primeiras apostas aparecem em uma composição em preto e branco. Vale dizer que as bolinhas são bem democráticas, por isso vemos que aparecem também em sapatos, bolsas…

 

6. MISTURINHAS – Não, não é nenhuma novidade dizer que a mistura de estampas “está na moda” e, por isso, acredito que você mesma que me lê agora, vez ou outra já tenha se jogado nesse mix. O que acontece agora é que não só o mix n’ match volta a ficar em evidência, como também aparece em peças onde a mistura “já vem pronta”, aparecendo com duas, três ou mais estampas em uma única peça. Outra composição que está em alta nessa misturinha é a combinação de estampa floral ou tropical chamativa, com uma print animal mais neutra.

 

7. SOCK BOOTS – Não só nosso inverno, como todos os próximos meses deste ano de 2018, prometem trazer as botas em evidência. Tanto que elas chegam nos modelos mais variados. Mas, para destacar o modelo “mais mais”, que já começa a circular por aqui e já virou febre na gringa, sem dúvida, esse modelo é o sock boots. Mas, o que de fato é isso? Sock, em inglês, quer dizer meia e, se fizermos uma associação direta, diremos que é a bota-meia. Sob esse ponto de vista, dá pra dizer, inclusive, que grandes marcas nacionais e internacionais colocaram, literalmente, uma meia no cano da bota. Entretanto, a bota sock vai muito além disso e, portanto, a gente pode traduzir essa tendência como aquela bota de altura média, bem ajustada na região da panturrilha. Moderna que só, ela vem compondo os looks mais descolados do streetwear.

 

8. POCHETE – Já dizia nosso “poeta” Justin Bieber: “never say never”! É verdade que a pochete já foi o acessório mais odiado da moda, mas… há mais de um ano, a gente vem notando – e falando! – sobre a volta da pochete. Apesar de não ter conquistado AINDA a maioria das pessoas, a gente vê que ela aparece por aqui e por ali, inclusive em desfiles, como no desfile da Gucci! Prática até dizer chega, é o acessório mais democrático de 2018, nos looks de meninos e meninas!

 

É claro que ainda há muitas outras tendências mapeadas pelos experts e coolhunters do mundo inteiro, mas, sem dúvida, essas oito que separei aqui são aquelas que prometem ganhar mais adeptas. Por isso, agora eu pergunto: qual é sua tendência favorita? Faça suas apostas!

 

Fonte das imagens: Harper’s Bazaar, Man Repeller, Calvin Klein, Elie Saab, Calvin Klein, Refinery 29, Glam Radar, Where to get it, Who What Wear, Pernambucanas.

É consultora de moda, coolhunter e personal stylist formada em Propaganda & Marketing pela Universidade Mackenzie e pós-graduada em moda pelo Studio Berçot (Paris) e pelo SENAC-SP. Como produtora cultural, gerenciou projetos em órgãos públicos como na Embaixada da Espanha em São Paulo e no Museu da Cidade de São Paulo. No O Avesso da Moda é criadora e editora-chefe do blog.

Mirian Herrera

É consultora de moda, coolhunter e personal stylist formada em Propaganda & Marketing pela Universidade Mackenzie e pós-graduada em moda pelo Studio Berçot (Paris) e pelo SENAC-SP. Como p...

Inspire-se: customização de abadás

2.fev.2018

Carnaval está chegando e logo mais começam a surgir os bloquinhos de rua e de avenida. Eis que sempre surge a temida dúvida: que look usar? Muitos desses blocos de rua, os próprios sambódromos e camarotes oferecem junto com a entrada um abadá, que geralmente vem padronizado para todos os foliões. E aí fica a critério de cada um customizar da maneira que preferir. Pensando nisso, hoje eu trago algumas inspirações de customização de abadás das famosas, pra você ter ideias de como customizar o seu abadá e cair na folia! Vamos conferir?

 

1. Começando pelos abadás mais sofisticados. Renda é uma excelente opção sempre! Elas conferem ao visual um toque de elegância que deixa o look superglamourizado! Vale investir desde as rendas brancas, passando pela tradicional preta e chegando a tons metalizados como prata e dourado, que deixam o look incrível! Elas podem ser aplicadas tanto nas mangas como na barra dos abadás e, se você quiser ousar ainda mais, dá para brincar aplicando a mesma renda no shorts ou saia, como a Thassia Naves fez na foto abaixo.

 

2. Outra opção de customização é usar aplicações de miçangas e plumas, uma maneira inclusive mais prática de estilizar a peça se comparado às rendas. É só recortar mangas e gola e dar o acabamento com esses acessórios, usando cola de tecido. Superfácil né? 🙂

 

3. Para quem prefere um look mais clean e sem ousar tanto nas aplicações, vale a pena investir apenas no recorte, o que já vai trazer um ar mais descontraído para o visual. Vale trabalhar no decote; na barriga para criar um cropped; e até nas mangas, transformando a peça em uma regata.

 

4. Agora, se você definitivamente não tem habilidades manuais, que tal usar a peça crua, sem trabalho nenhum? Você pode deixar o abadá como recebeu e ousar nas outras partes: uma saia estilosa, colares, pulseiras, salto, enfim… Dá pra brincar de diferentes maneiras e arrasar neste carnaval! 🙂

 

Espero que tenham gostado das dicas e inspirações.

Um beijo!

Bruna Munhoz, paulista, é formada em Administração Financeira e uma apaixonada por beleza, moda, viagens e tudo que diz respeito ao universo feminino. Dessa paixão, surgiu o desejo de criar o blog Vaidosa e Feminina, para reunir tudo isso em um cantinho só e, assim, aprender cada dia mais sobre esse assunto apaixonante que é o mundo das mulheres.

Bruna Munhoz

Bruna Munhoz, paulista, é formada em Administração Financeira e uma apaixonada por beleza, moda, viagens e tudo que diz respeito ao universo feminino. Dessa paixão, surgiu o desejo de criar ...

Ultravioleta, como usar: cinco dicas fáceis

19.jan.2018

Juro que me surpreendi – e que até achei engraçado! – ao ver como a nuance Ultravioleta, eleita pela Pantone como a cor do ano de 2018, provocou reações variadas. Houve quem comemorou (roxo-maníacas como eu), assim como quem torceu o nariz, por considerar esse tom como uma cor capaz de “apagar” as pessoas.

Sendo bem sincera, acho que isso é generalizar demais, já que o Ultravioleta, uma cor bem aberta e alegre, só consegue deixar alguém “apagado” se a pessoa quiser. Existem formas fáceis de levantar o look, deixando-o bem interessante ou conferindo equilíbrio para que a composição não fique nada sem graça.

Vale dizer que, apesar de a cor divulgada pela Pantone ser incrivelmente vibrante, a indústria da moda já se mobilizou no sentido de explorar em roupas, sapatos e demais acessórios. Mas com uma variedade enorme de tons arroxeados, que vão desde um delicado lilás até chegar a um ameixa profundo.

Como acredito que vamos ver “50 Tons de Roxo” chegando por aí nas coleções nos próximos meses, resolvi montar este guia rápido sobre o Ultravioleta e seus “parentes próximos”, com dicas simples de colocar em prática. Vem comigo!

 

1. ROXO + TONS NEUTROS

Sem dúvida, o caminho mais fácil e simples para um look interessante é aliar o Ultravioleta a tons neutros, que ajudam a equilibrar a composição e a deixá-la mais sofisticada. É a opção perfeita para ambientes profissionais mais sérios e conservadores. Para quem busca uma opção mais casual, o tiro certeiro é incluir o jeans na composição, arrematado por uma bela botinha… ah, se a bota for branca, pode ter certeza que seu look vai parecer mais atualizado ainda!

 

2. ROXO + CORES VIBRANTES

Aliar o violeta a tons neutros pode, para algumas pessoas, surtir o efeito de “look apagado” ou mais invernal. Por isso, a dica agora é combinar o tom com cores bem vibrantes, abertas e solares. A cartela de cores quentes que mais combinam com o roxo inclui amarelo, vermelho, coral e rosa (desde o mais clarinho até o mais pink ou fúcsia). O verde, apesar de ser uma cor fria, também pode funcionar muito com o roxo. Experimente!

 

3. ROXO + ESTAMPAS

Sei que, para algumas pessoas, usar uma peça roxa combinada a outra peça estampada pode parecer um exagero. Mas sabia que essas duas peças podem casar muito bem e criar um look mais criativo? Para isso, minha dica é optar por estampas em tons neutros, com uma pegada mais gráfica e geométrica. No caso de pessoas que gostam de estampas mais românticas, vale investir em florais coloridos, mas que, de preferência, contem com alguma nuance arroxeada ou que tenham nuances que harmonizem com o roxo. Para pessoas mais ousadas, vale apostar na mistura de estampas e criar um look bem descolado.

 

4. TOM SOBRE TOM

Nem todas as cores funcionam bem na hora de compor um look tom sobre tom, mas este, certamente, não é o caso do roxo. Ele superfunciona com toda sua gama de nuances, desde os tons mais clarinhos até os mais escuros, criando um visual total purple incrível. Ah, também vale investir na cartela de azuis e rosas para criar uma bonita variação degradê na composição.

 

5. ROXO NOS ACESSÓRIOS

Outra forma interessante de incluir o roxo no look é fazer com que ele se torne o ponto de cor na composição e, nesse caso, nada melhor que optar por um acessório vistoso, que seja capaz de chamar a atenção positivamente. Assim, vale qualquer acessório, como bolsa, sapatos, lenço, óculos, entre outros.

 

E pra você, a cor Ultravioleta é amada, odiada ou indiferente?

Fonte das imagens: Pinterest, Vogue USA, Versace, Divulgação, SheerLuxe, Elle España, Daily Mail, E! Online, Stylish 365, Lolobu, Outfits Hunters, Who What Wear, Harper’s Baazar, Paris Fashion Week, Nina Ricci

 

É consultora de moda, coolhunter e personal stylist formada em Propaganda & Marketing pela Universidade Mackenzie e pós-graduada em moda pelo Studio Berçot (Paris) e pelo SENAC-SP. Como produtora cultural, gerenciou projetos em órgãos públicos como na Embaixada da Espanha em São Paulo e no Museu da Cidade de São Paulo. No O Avesso da Moda é criadora e editora-chefe do blog.

Mirian Herrera

É consultora de moda, coolhunter e personal stylist formada em Propaganda & Marketing pela Universidade Mackenzie e pós-graduada em moda pelo Studio Berçot (Paris) e pelo SENAC-SP. Como p...

Carregar Mais