A história do meu cabelo e a sua importância na minha autoestima

Quando eu era criança eu não me sentia nada representada por ser branca e cacheada. Na minha turma só tinha uma menina cacheada além de mim, ela tinha cachos mais definidos e bem cuidados. Nos anos 80 não me lembro de se falar nada sobre representatividade, mas olhando as coisas como são hoje eu noto que eu sentia falta de algumas coisas.

“Desde que eu tinha vontade própria quase não teve foto da infância de cabelo solto”.

Sentia falta de informação sobre como cuidar dos cachos como existe hoje no youtube, sentia falta da diversidade e qualidade de produtos que existem hoje e sentia falta de ver por todo lugar mulheres lindas e cacheadas. Eu não me sentia representada no meu ambiente, nas revistas, no mundo que me cercava.

Me lembro muito de pedir pra minha mãe – que era totalmente contra eu alisar os fios – esticar todo meu cabelo, sem nenhuma onda sequer para fazer o perfeito rabo de cavalo. Eu parecia uma criança desesperada por um rabo de cavalo perfeito, hoje eu vejo que devia ser algo muito forte dentro de mim para tentar pertencer, para tentar me identificar com quem estava à minha volta.

Até que aos 19 eu fiz o que minha mãe me proibia, alisei. Daquele jeito sem forma, esticado e nada bonito, mas pela primeira vez eu me senti pertencendo. Engraçado como escrever isso hoje chega a dar uma tristeza no coração, afinal, eu não conseguia ver o quanto meu cabelo era naturalmente bonito. Eu não conseguia me identificar com o cabelo com o qual eu nasci.

“Quando eu alisei o cabelo eu só queria tirar fotos de cabelo solto, ainda que ele ficasse muito liso em alguns momentos, hoje não acho bonito, na época eu adorava”.

Os anos se passaram, a moda do liso foi dando espaço para os cabelos menos quimicamente modificados e eu comecei a ver muitas mulheres com cabelos cacheados, ondulados e crespos por todos os lugares. Meu olhar ampliou, meu coração preencheu e eu finalmente comecei a acreditar que vivemos numa era onde uma mulher pode ser o que ela quiser, ou melhor, ter o cabelo que ela quiser.

Eu venho modificando meu cabelo quimicamente há mais de 10 anos, mas se no início eu queria ele esticado para me sentir pertencendo, nos últimos anos eu fui mudando. Fui deixando a paranoia e a neurose da perfeição de lado. Fui esquecendo do perrengue da raiz e passei a fazer modificações mais suaves, menos agressivas e que deixam meu cabelo cheio, com volume e inclusive cacheado nas pontas quando eu finalizo para tal.

É curioso porque minha história não tem o final feliz politicamente correto, que diria pra vocês que eu fiz a transição capilar e sou a cacheada mais feliz do mundo. Eu considero que arrumei um final feliz, só um pouquinho diferente já que eu deixo ele cada vez menos liso, cada vez mais cheio e cada vez mais bagunçado, de um jeito que combina com a minha rotina, combina comigo e que me faz sentir linda.

Se na minha infância o primeiro motivo de eu não ver beleza em mim foi meu cabelo, hoje aos 30 eu diria que a primeira coisa que eu intitularia como bonita no meu corpo é o meu cabelo. Ainda com um processo químico – que eu não defendo e nem demonizo – mas do meu jeitinho, do jeito que eu acho lindo.

Bem tratado no salão por profissionais que entendem de fios e bem tratado em casa, com os produtos e linhas de cabelo pós química da Bio Extratus.

Quando eu fui deixando o alisamento muito abrasivo de lado fui podendo começar a mexer na cor e hoje não poderia estar mais satisfeita com cada detalhe dos meus fios.

“Eu nunca gostei tanto do meu cabelo quanto hoje, eu cuido, trato e uso como eu quiser, sempre amando o volume e o infinito de possibilidades que ele me oferece”.

Pode ser que um dia eu anime de fazer a transição e me dê a oportunidade de me enxergar com o meu cabelo conforme ele veio ao mundo? Sim, é muito possível e eu mesma acho racionalmente que eu deveria. No entanto também acho que posso ter o cabelo que eu desejo ter, a tecnologia e os produtos estão ai para investirmos em cuidados que permitam essa versatilidade.

Eu sou mulher, sou feminista e acredito que posso ser o que quiser. Me sinto muito bem com meus cabelos hoje, eles me ajudam a colocar pra fora toda a beleza que acredito que vem de dentro e me sinto muito segura por estar com eles de uma forma que eu acho tão bonita e única, com raiz por fazer ou não, com ele seco no secador ou naturalmente, de babyliss perfeito ou bagunçado.

Nunca gostei tanto dos meus cabelos, nunca gostei tanto de mim de uma forma geral e nunca me senti tão naturalmente bonita.

 

Você já elogiou alguém hoje? Bio Extratus e o dia da mulher!

Se tem uma coisa que a gente já sabia – e fazia – mas que ganhou uma importância maior depois que começamos a discutir esse assunto com mais frequência e com mais meninas, é o ato de elogiar. Depois do agradecer, esse deveria ser o verbo mais utilizado do mundo porque só traz coisas boas e só gera bons sentimentos.

Sério, quem nunca saiu de casa insegura, não se achando lá essas coisas e mudou totalmente a postura depois de ouvir um elogio sincero? E quem nunca ficou feliz depois de elogiar alguém e ver que aquelas poucas palavras realmente mudaram o dia da pessoa? Exaltar o lado positivo ou então até mesmo aquilo que é bonito aos seus olhos é um dos melhores exercícios que podemos fazer, não deveria ser motivo de vergonha, acanhamento ou até mesmo de silêncio.

Se parar uma pessoa na rua para dizer que o cabelo dela está lindo ou o look que ela está usando é incrível ainda é uma tarefa difícil, já pensou em começar dentro de casa ou com suas amigas? Cada vez mais que falamos sobre autoestima (e ultimamente, como vocês podem ver, esse papo tem surgido MUITO), temos a certeza absoluta que nada é mais levantador de autoestima do que estar cercada de pessoas que te botam pra cima. Porque as vezes fica bem difícil você estar fazendo o exercício de tentar se enxergar com bons olhos e só receber apenas críticas desconstrutivas, por isso é bem melhor andar com gente que te ajuda a ver em si mesma o que você tem de melhor. Elogios muitas vezes quebram a casca que a gente mesma cria de não se enxergar bonita ou boa o bastante, o que importa é como a gente se vê, mas se o mundo à nossa volta ajudar, a gente se vê num reflexo mais leve e bonito.

Aliás, cada dia que passa chegamos à conclusão que o importante dessa vida mesmo é aprender a criticar e julgar menos, respeitar mais e valorizar o que merece ser valorizado. Seja uma atitude ou uma unha pintada de cor bonita.

Como se tivesse lendo nossos pensamentos, a Bio Extratus lançou para o Dia Internacional da Mulher o Naturalmente Poderosa, um site que funciona como uma fábrica de gifs elogiosos. Ele é fácil, fácil de brincar e muito divertido. Você entra, bota o nome da amiga/mãe/irmã/tia/sobrinha/vó/qualquer outra mulher da sua vida, escolhe a foto mais bonita dela, seleciona 5 elogios (de 19!) e clica em “Gerar GIF”. Pronto! Em questão de segundos você pode sair presenteando todas as mulheres que você quiser elogiar! É ou não é muito amor??

Eles ficam fofos assim, ó:

Dessa forma a gente consegue espalhar um pouco de amor nas nossas timelines, afinal, esse mundo já está tão cheio de julgamentos, críticas e intolerâncias que é delicioso ver um movimento desses ganhando força, né?

Desde que começamos a trabalhar com a marca, a gente já sabia que a Bio Extratus gosta de levantar a autoestima e o amor próprio de suas consumidoras, que visa ajudar mulheres que são lindas por dentro a ficarem maravilhosas por fora. E nesse ano em que estamos falando tanto sobre sororidade, sobre jogar nossas amigas pra cima, elogiar, agradecer e fazer coisas boas para colher coisas melhores ainda, essa ideia de comemorar o Dia Internacional da Mulher que a Bio Extratus propôs é tão especial e nos deixa tão orgulhosas de estarmos juntas nesse caminho.  

É incrível ver uma marca que trabalha com influenciadoras de todos os tipos, cores e cabelos mostrando que além da representatividade, ela também acredita no elogio, em espalhar mais amor por ai.

Quem quiser mandar elogios animados para as mulheres da sua vida, é só acessar o site Naturalmente Poderosa e se divertir mandando presentes virtuais!

5 dicas para se sentir linda na gravidez

Fiquei um tempão pensando em como ia começar a abordar o assunto maternidade e autoestima aqui no Naturalmente Bonita, até que me veio o estalo: porquê não começar do começo, isso é, quando a gente descobre que está grávida e não tem ideia de como lidar com o corpo em transformação?

Algumas pessoas já me perguntaram se eu não estranhei a barriga, e posso dizer com toda certeza que de todas as mudanças que a gravidez traz, a barriga é a mais incrível por motivos óbvios. Não tem como estranhar algo tão maravilhoso – e que vai crescendo aos poucos de forma que quando você se acostumou com um tamanho, ela cresce mais um pouquinho e você quase não percebe.

Teoricamente a gravidez é nossa amiga para ficarmos naturalmente bonitas. Dizem que os cabelos ficam mais volumosos e brilhantes, a pele fica com mais viço, o peito fica espetacular. Não sei como foi com vocês, mas comigo não aconteceu NADA disso. Eu fiquei com várias alergias bobas que eu não tinha, meus peitos ficaram um pouco maiores (e não considerei isso uma coisa realmente boa) e meu cabelo na verdade ficou estranho.

Sentir-se bonita na gravidez é um verdadeiro desafio, é muita mudança ao mesmo tempo. Junta com hormônios à flor da pele e, pronto, temos uma combinação difícil de encarar. Mas dá para contornar várias situações, e hoje resolvi contar algumas coisas que me ajudaram nesse tempo:

1 – Aproveite para se cuidar: unha, cabelo, massagem (drenagem é ótima nesse período), ou o que mais você gostar de fazer para relaxar. Aproveite para se mimar bastante e garantir a autoestima lá em cima.

2 – Evite comprar roupas que você não vá usar depois: eu não curto moda gestante, acho que muitas roupas são confortáveis mas não valorizam muito o corpo da mulher e ao invés da mãe se sentir #plena, fica se sentindo um saco de batatas. Sem contar que depois você nunca mais usa essas roupas, né? Eu comprei apenas duas calças jeans gestante, vestidos e blusas foram todos de números maiores que o meu habitual!

3 – Aliás, não mude seu estilo: isso daí foi algo que me sempre me intrigou porque eu simplesmente não me via usando blusas com elástico debaixo do peito ou vestidos com cinto marcando a barriga. Eu sempre curti roupas largas e continuei usando tudo assim na gravidez. Roupas, vestidos, blusas….muita gente ficava meio frustrada porque de certa forma meu estilo “escondia” a barriga, mas eu que não ia usar peças que não tinham nada a ver comigo para que os outros pudessem matar a curiosidade, né? Se você gosta de roupas, coladas, se joga nas peças elásticas como vestidos e saias, vai arrasar!

4 – Não acompanhe grávidas que sejam inalcançáveis pra você: nessa vida de rede social a gente acaba seguindo muita gente pelos mais diferentes motivos. E mesmo sem a gente querer, acabamos nos influenciando. Por isso, muito cuidado com as mães que você segue! É lindo ver a vida perfeita da mãe que engordou 8 kg na gravidez, malhou todos os dias e 1 mês depois de parir já estava linda, magra e maquiada, mas isso realmente te faz bem ou te faz ficar ansiosa porque não está conseguindo fazer a mesma coisa? Se a resposta for a segunda opção, unfollow já, nem que seja temporário enquanto você se ajusta!

5 – Não crie expectativas antes do tempo: sei que é difícil, mas eu sou uma pessoa naturalmente ansiosa e aprender a lidar com as minhas expectativas na gravidez foi uma das coisas mais saudáveis que eu fiz para mim, e acredito que refletiu não só na forma que eu encarei esse período mas também na minha autoestima.

Quais são os seus truques para se sentir linda na gravidez?