O que torna minha mãe naturalmente inspiradora

Me peguei pensando outro dia no tanto que minha mãe me inspira, naturalmente. Seria pelo seu jeito engraçado, de fazer piada com tudo? Seria pelo olhar que, só de cruzar com o meu, já entendemos a situação, sem precisar de palavras? Seria pela nossa cumplicidade e sinergia que a fazem ser minha melhor amiga? Ainda não sei ao certo, mas resolvi reunir 5 aprendizados que recebi da minha mãe e que a tornam naturalmente inspiradora. Espero que gostem.

 

Ser independente

Não sei ao certo qual foi a primeira vez que ouvi da minha mãe que eu nunca deveria depender de ninguém. E olha que ela não falava isso apenas financeiramente não. Ela sempre me ensinou (e ao meu irmão) que não devemos esperar por nada de outras pessoas e que sempre precisamos correr atrás do que é nosso. Desde tarefas básicas do dia a dia, até juntar uma grana para realizar um sonho, ser independente se tornou minha principal meta em qualquer atividade. Palmas para mamãe!

 

Nunca desistir dos meus sonhos

Que clichê, hein? Mas não poderia deixar de mencionar uma época crucial na minha vida, em março de 2012. Resolvi criar o blog em busca de autoconhecimento e de ter um espaço para me comunicar. Mamãe entendia de blog? Não. Entendia de mídias? Muito menos. Mas ela nunca me botou pra baixo. Pelo contrário, sem entender nada, ela já enaltecia cada trabalho feito. Hoje vejo que essa força dela foi minha escada para alcançar os meus principais objetivos nesses 6 anos do Cinderela de Mentira.

 

Acreditar em mim mesma

Se tem uma pessoa que acredita em mim, no meu potencial e no meu trabalho é a minha mãe. Obviamente eu não quero decepcioná-la em momento algum da minha vida. Por isso, essa confiança dela em tudo que eu faço me impulsiona a ser a melhor versão de mim mesma. Não apenas para agradá-la ou superar a expectativa dela, mas para fazer o que eu realmente quero, apenas com a força e a crença que ela tem em mim.

 

Não deixar pra ser feliz depois

Desde que eu me entendo por gente, minha mãe é gorda, assim como eu. Já a vi fazendo dietas, já a vi tentando mudar essa realidade. Mas nunca, NUNCA a vi deixando passar uma oportunidade de ser feliz com seu próprio corpo. Nunca a vi se escondendo na praia ou piscina. Nunca a vi deixando de usar algo que queria, por medo do que os outros iam pensar. Nunca a vi deixando de sair com as amigas ou com a família para se esconder. Esse foi o meu maior exemplo de que não somos apenas um corpo. Somos muito mais do que isso.

 

 

Inspirar pelo exemplo

Acho que, quando falamos de pessoas naturalmente inspiradoras, falamos de exemplo. Pra mim, não adianta a pessoa falar mil coisas e não praticá-las em seu dia a dia. Minha mãe me inspira todos os dias com sua rotina, sua garra e eficiência no trabalho, seu jeito engraçado de lidar com as adversidades, seu compromisso comigo e com meu irmão, seu jeito espontâneo de falar coisas que viram meme na família… enfim. Com um exemplo desse em casa, não teria como eu não ser a filha mais feliz do mundo.

 

 

Queria desejar um feliz dia das mães a todas as mamães naturalmente inspiradoras e te convidar a compartilhar: o que torna a sua mãe inspiradora?

Por um mundo com menos competição feminina

Por muito tempo eu descobri que, mesmo sendo uma pessoa com muito mais amigas do que amigos, a competição feminina era minha companheira inseparável. Aquela que estava ali, do meu lado, sussurrando sempre no meu ouvido como outras mulheres eram melhores que eu.

 

Na começo da adolescência eu me intimidava com a menina que tinha o cabelo mais bonito, que era mais magra, que era mais popular. “Como alguém vai olhar para mim se eu não sou ela?” “Como deve ser a vida dela?” Fui descobrir muito tempo depois que essa mesma menina popular que me intimidava também se sentia insegura ao olhar pra mim por outros motivos. Motivos que eu não via como feitos ou qualidades na época.

 

Do meio para o final adolescência, quando os namorados, os rolos e as paqueras (ainda existe esse nome? É crush que fala agora, né?) começaram a surgir, a competição feminina me apresentou para a sua prima-irmã, a rivalidade feminina, que alimentou todo tipo de ciúme e insegurança. A menina que estava falando com o menino que eu estava de olho com certeza era a maior mau caráter. E a que ficou com o namorado da minha melhor amiga – mesmo não sabendo que ele estava namorando? Vagabunda, claro, tem que esfregar a cara dela no chão (olha o nível de maturidade desse conselho).

 

Foi preciso eu cair na cilada de um dos meninos mais bonitos da série, junto a mais 3 outras meninas, para entender as variadas nuances dessa competição e o tamanho da roubada que seria se eu entrasse nessa. Foi preciso eu arrumar um namorado com fama de pegador e que nunca tinha namorado sério e receber mensagem de ex-ficante (linda, por sinal) me parabenizando pelo namoro, mas contando como foi incrível transar com ele, para eu entender que nem sempre existe um lado mais frágil nessa balança. Todas as mulheres caem nas garras da competição.

 

Aí fui para a faculdade, onde a pressão de mostrar-me talentosa, criativa e dona de uma futura carreira brilhante pegou feio, me deixou completamente insegura e justamente aí eu cedi ao papo da competição. Passei 4 anos da minha vida achando meus trabalhos uma droga se comparado com o de outras pessoas, ou melhor, mulheres. Passei esses anos todos querendo ser tão estilosa como a menina que fazia aula de ilustração comigo, ou ter um armário tão legal quanto da garota que fazia aula de história da moda. Poxa, por que eu não era talentosa como aquela menina que fez a melhor apresentação da aula de Gráfica? Demorou anos para eu entender que gastei uma energia preciosa da minha faculdade me comparando e competindo com outras mulheres, e era uma competição soltária, que vinha apenas do meu lado. Me prometi que nunca mais faria isso.

 

Mas fiz. Mundo de blog pode ser um caminho traiçoeiro. Ainda mais mundo de blogs de moda. Era sempre uma história de “por que ela conseguiu pegar esse trabalho e eu não?” “Por que ela está fazendo sucesso e eu não, se fazemos o mesmo conteúdo?” “Será que é porque ela é magra e eu não?” “Será que é porque aquela blogueira ali é mais bonita?” Estar em um mercado competitivo com tantas mulheres abriu espaço para a competição feminina aparecer novamente na minha vida. Mas meu mundo se abriu quando eu entendi que tem espaço para todas, que o padrão até existe e é cruel, mas ele não é importante se seu conteúdo conectar-se com suas leitoras.

 

Era um foco no lugar errado novamente e, depois que criamos o #PapoSobreAutoestima, comecei a ver tantas outras mulheres compartilhando suas histórias e percebi que não dá mais para focar no lugar errado.

 

Desde então, tem sido maravilhoso enxergá-las de sua forma mais genuína. Não importa se são mais bonitas, mais talentosas, mais inteligentes, mais articuladas, mais famosas. Todas nós temos nossas particularidades, nossas inseguranças, nossas histórias, nossos medos e nossas superações. E, no fim das contas, tantas coisas são parecidas, que fico me perguntando por que e pra que focamos nas nossas diferenças, justamente naquilo que faz cada uma de nós ser especial e única? Chega.

 

A gente não precisa disso, eu não preciso disso e certamente você também não.

Ah, essa eterna cobrança!

Ser bem-sucedido antes dos trinta, escrever um livro, ser referência no seu meio de trabalho, falar outros idiomas, ler mais, viajar, ser feliz… Nossa! Mas e se o reconhecimento não vier? Se eu nadar, nadar e não chegar a lugar nenhum? Minha família pensará que sou um fracasso! Preciso fazer mais coisas ao mesmo tempo; fazer tudo mais rápido porque assim alcanço o topo. Humm… mas em qual topo quero tanto chegar?

Faz um bom tempo que tenho reparado no que me tornei. Uma mulher que quer fazer vinte coisas ao mesmo tempo, que não consegue responder todas as mensagens no Whatsapp, que não esvazia quase nunca a caixa de e-mail e que no final das contas não tem tempo para nada; nem para os amigos. O que passa pela minha mente? “Preciso ganhar mais dinheiro, preciso conseguir mais coisas, preciso melhorar meu trabalho, não posso parar e descansar agora, preciso ser feliz.” Vocês conseguiram entender o quão louco é isso? O quão paranoico é este ciclo que se instalou na minha mente? PRECISO, PRECISO e PRECISO! Mas quem disse que eu PRECISO de tudo isso? Eu estou fazendo porque quero ou porque a sociedade espera isso de mim?

Ah essa eterna cobrança! A minha geração é bastante imediatista. Me cobro a todo momento e se não consigo algo em um curto espaço de tempo já começo a surtar. Minha mãe sempre fala: “Mas filha, tenha calma! A vida não é assim! As coisas não acontecem do dia para a noite, você vai ficar doente desse jeito!”. E ela tem razão! Meu pensamento doentio por querer tudo para ontem, por fazer mil coisas ao mesmo tempo faz com que a cabeça entre em colapso! Quantas pessoas vocês conhecem que tomam remédios para cuidar da mente na atual geração? Quantas pessoas vocês conhecem que trabalham horas e horas a mais do período “normal” de serviço? Quantas pessoas vocês conhecem que vivem precisando de férias?

Outro fator que aumenta essa cobrança é a COMPARAÇÃO. Essa mania de olhar para o lado e sempre achar que o outro é melhor. Diminuir-se e não dar valor ao seu trabalho, às suas conquistas. Comparar sua situação sem ao menos saber por tudo que a outra pessoa passou. A gente olha apenas a “casca”, formula toda uma história na mente e se coloca pra baixo. Resultado? “PRECISO fazer mais!”

É difícil perceber que você entrou nessa espiral. São diversas as desculpas para justificar a constante falta de tempo e insatisfação contínua com a vida. Às vezes, a gente perde muita coisa para depois entender que não é nesse ritmo frenético que conseguiremos algo. Quando passamos a olhar para a nossa vida com mais carinho, com mais dedicação e respeito pelo nosso corpo, a relação muda. Eu não queria mais ter insônia e acabar o dia com diversas coisas incompletas. Como mudar isso?

Parei de PRECISAR fazer algo para simplesmente completar minhas tarefas. Parei de olhar para os lados e pensar que tudo é melhor do que eu tenho. Reconhecer e respeitar a minha trajetória é essencial. E o principal: parei de correr com a vida. Respeito cada momento e valorizo o que estou fazendo naquele minuto. Viver o momento é mais proveitoso do que fazer mil coisas ao mesmo tempo e no final nem entender como cada item foi concluído.

Sei que muitas pessoas já estão nesse processo faz tempo. Que respeitam o corpo, que respeitam os limites e que procuram uma vida mais positiva e saudável em todos os aspectos. Todavia, em paralelo, existem as pessoas que se cobram, que são imediatistas e que daqui a pouco entram em colapso. Buscar uma forma de harmonizar tudo é sempre válido e só fará com que suas atividades rendam mais e sejam finalizadas com êxito.

Olha, confesso que não sou a pessoa mais serena e focada que existe. É um processo, e eu fico muito feliz em conseguir entrar nele. Depois do primeiro passo e de sempre vigiar as atitudes, fica mais tranquilo. Hoje não me cobro tanto e respeito meu tempo. As dicas que eu posso dar é: escute o seu corpo e não viva para os outros.

 

É sempre bom lembrar que o tempo desperdiçado não volta.

Encontrinho em BH com bate-papo e troca de experiências

O dia 17 de março poderia ser um sábado normal, mas resolvi fazer um encontrinho com minhas seguidoras das redes sociais e leitoras do blog (que completou 6 anos!). Eu planejei o evento para que fosse um momento de bate-papo sobre autoestima feminina, moda plus size, beleza inclusiva e tudo que temos direito. Não queria que fosse um evento chato, onde as pessoas vão para tirar foto e já vão embora. Realmente arquitetei tudo para que pudéssemos trocar experiências e conhecer gente nova, que estão na mesma sintonia de busca por autoconhecimento que eu tanto falo no blog.

E não é que deu certo? Escolhi marcar o nosso encontro em um shopping de fácil acesso em BH, assim todo mundo poderia participar. Cheguei no local 1h antes do marcado para início do evento e, pra minha surpresa, já tinham chegado várias meninas. Fiquei espantada com o número de mulheres maravilhosas que apareceram lá naquela tarde de sábado. Ao todo foram mais de 70 pessoas para esse bate-papo incrível!

Tratamos de assuntos como empoderamento feminino, relacionamento amoroso e familiar, gordofobia, preconceito, pressão estética, feminismo e muito mais. Pude conhecer muitas mulheres que, assim como eu, estão se conhecendo cada dia mais e se entendendo donas do próprio corpo e das próprias escolhas. Bati na tecla do respeito que devemos ter conosco, que muitas vezes é deixado de lado quando ouvimos algum comentário de gente próxima.

Outro assunto que me perguntaram foi sobre marcas inclusivas, que realmente encabeçam projetos para todo tipo de mulher, respeitando as diferenças. Realmente, hoje em dia é muito difícil diferir o que é genuíno da marca e o que ela faz apenas para gerar buzz e converter em vendas. Conversei sobre o assunto e dei o exemplo mais próximo da minha realidade, que é a Bio Extratus, que além de respeitar o meio ambiente e ser extremamente sustentável, apoia todo tipo de beleza feminina.

No final, todas saíram com produtos da marca para testar em seus fios. Foi um encontrinho muito gostoso e emocionante em diversos momentos. Espero que em breve eu consiga promover mais e mais desse tipo de evento, para que a gente consiga sempre trocar experiências e conhecer gente engajada na causa.

Como meu cabelo influencia minha autoestima

Quantas vezes seu cabelo acordou diferente do que você gostaria (nem por isso estava feio) e seu humor mudou, sua cara emburrou e você nem quis sair?

Lidar com o cabelo de uma forma mais leve e certeira é algo que precisamos aprender. Vou falar um pouco de mim e quem sabe você se identifica.

Sempre fui apaixonada por cabelo. Desde bem pequena, brincava de tranças, rabos e coques com minhas tias, que tinham longos cabelos pretos, abaixo da cintura, lindos, pesados e volumosos. Tenho recordações tão lindas dos cabelos delas!

Porém, geneticamente eu não herdei esse traço da família. Puxei os fios finos e delicados do meu pai. Pensa na frustração de uma criança que queria ser a Rapunzel e o cabelo nunca que crescia.

Ao longo da vida, fui aprendendo a lidar com isso. Na fase da minha adolescência, comecei a usar novos produtos, máscaras de hidratação, leave-in e, aos poucos, meu cabelo e eu fomos nos entendendo.

Na fase adulta, após algum tempo e muito ganho de peso, decidi fazer cirurgia bariátrica. E o que aconteceu com meu cabelo? CAIU, caiu muito, caiu horrores, achei que ficaria sem ele! Quantas pessoas não ficam sem cabelo por problemas de saúde, não é mesmo? É um momento muito delicado para a autoestima de qualquer um.

A frase “o cabelo é a moldura do rosto” é clássica. Então, como eu ficaria sem uma? Eu não sabia como seria essa nova moldura, mas ela aos poucos foi ressurgindo. Com dois anos de cirurgia, meu cabelo voltou a ficar mais forte e a crescer. Porém, sempre fininho e o comprimento dele não passava dos ombros. A forma também mudou, deixou de ter leves cachos para ondas.

Foi aí que decidi colocar megahair e para mim, uma apaixonada por cabelos, a vida mudou.

Tudo aquilo que imaginei sentir quando tivesse um cabelão eu realmente senti quando coloquei meu mega. Ter um cabelo mais longo (na altura do fecho do sutiã) mais pesado, com caimento, me fez ver como a “tal moldura” não é do rosto e sim da autoestima.

O cabelo hoje para mim é muito mais que apenas um “capim que cresce na cabeça” é realmente um acessório de beleza.

Cuido muito bem dos meus cabelos. Há quem diga que megahair faz mal aos fios, mas eu uso cola de queratina e não concordo com isso. Quando eu tiro o aplique, meu cabelo apenas está como era antes. A verdade é que ficamos acostumadas ao cabelo cheio, longo e volumoso e quando tiramos dá a impressão de ter menos, mas ele apenas voltou a ser como era.

Depois do mega, o amor pelo meu cabelo voltou e recentemente até arrisquei mudar a cor. Saí do loiro com luzes bem clarinhas para o 6.7 da Bio Extratus Color e me descobri ainda mais jovem, bem e feliz!

Mudar a cor fez com que eu me visse de uma forma diferente e mais bonita. Daqui pra frente, quero mudar ainda mais e curtir o meu cabelo, sem ficar na neurose com ele.

Agora já aprendi a cuidar, a tratar, a escovar da forma correta e a me divertir com ele.

 

Me conte um pouco a sua relação com seu cabelo. Como ele te faz feliz?

Beijão.